Por Cleber Aguiar – Guardiola rebate Muricy sobre nota 10 com trabalho no Brasil: ‘Não há proposta’

Fonte: Msn Esportes

Treinador falou sobre a declaração do rival santista de que ele só poderia ganhar uma nota máxima se trabalhase no Brasil e deixou claro que o Mundial é uma meta do Barcelona

 

Guardiola rebate Muricy sobre nota 10 com trabalho no Brasil: 'Não há proposta'

Reuters

Guardiola, na primeira entrevista em solo japonês, em Yokohama

O técnico do Barcelona, Pep Guardiola, deu sua primeira entrevista coletiva no Japão nesta segunda-feira e não deixou de rebater Muricy Ramalho, para quem o espanhol, mesmo com uma vasta coleção de títulos pelo Barcelona, só mereceria nota 10 caso fosse campeão com um time brasileiro.

“Não tenho proposta”, disse o comandante da equipe catalã quando questionado sobre o assunto. Depois, centrou suas respostas apenas no Mundial de Clubes e deixou claro que o clube espanhol chega com o claro objetivo de conquistá-lo. O Barcelona já realizou sua primeira atividade em Yokohama, sua base e palco de estreia na próxima quinta-feira, contra o Al-Sadd, do Catar.

O favoritismo do time espanhol frente aos rivais, entre eles o brasileiro Santos, não abala o técnico Josep Guardiola, que garante ter um elenco motivado para a competição. “Não seremos a melhor equipe do mundo até que ganhemos aqui”, afirmou o treinador durante a concorrida entrevista coletiva.

“Não percam a oportunidade de ganhar, pois se trata de um título muito prestigioso e importante em que se chega muito poucas vezes. O desejo e a vontade de ser campeão do mundo é motivação suficiente para preparar meu elenco”, continuou Guardiola. “Eles estão conscientes de que é uma competição muito dura. Pode ter muitas surpresas.”

O Barça chega motivado pela vitória contundente sobre o Real Madrid por 3 a 1, no último sábado, no Santiago Bernabéu. O técnico catalão minimizou o bom retrospecto que tem diante do arquirrival merengue.

“Eles são os líderes (do Espanhol) e foram nomeados como melhor equipe do século XX. Tivemos a sorte de ganhar nas últimas partidas, e estamos muito próximos sempre um do outro”, analisou.

Guardiola dará o segundo treino na tarde de terça-feira pelo horário japonês, madrugada no Brasil.

Por Cleber Aguiar – Neymar, o pai, fala à Folha de acidente que quase matou o craque santista, da fama e do orgulho do filho

Fonte: Folha de São Paulo

Agora sou fã

LEONARDO LOURENÇO
enviado especial a nagoya

Sentado num sofá em um dos cantos de seu escritório na avenida Ana Costa, em Santos, Neymar, o pai, 46, fala sobre Neymar, o filho, 19.

“Eu era muito só o pai dele. Agora sou um fã”, diz Neymar da Silva Santos, sem o Júnior que completa o nome do filho que desfila talento no Santos e monopoliza as atenções no futebol nacional.

A declaração é logo seguida pela primeira pontada de ressentimento com as críticas feitas a Neymar, o Juninho da casa dos Silva Santos.

“Estou para ver um cara verdadeiro como ele, que só quer jogar bola e ser feliz, e todo mundo tentando achar defeito”, afirma o pai.

“Acha que não existe uma vontade de xingar muita gente que te ferrou e agora bate nas costas?”, indaga Neymar, em entrevista à Folha, concedida antes de o time santista viajar para o Japão, onde, na próxima quarta-feira, estreia no Mundial de Clubes.

“Vamos voltar um ano, no caso Dorival Jr. [quando o técnico foi demitido após desentendimento com o atacante]. Todo mundo metendo a lenha nele. Agora todo mundo acha ele o rei do futebol. Eu era o pior pai do mundo e agora sou exemplo.”

ACIDENTE

Por pouco essa trajetória, que nessa semana culminará com a participação de Neymar no Mundial, não acabou antes mesmo de o hoje badalado atacante santista dar os seus primeiros passos.

“Nós sofremos um acidente de carro. O Neymar tinha quatro meses”, lembra Santos. “Aconteceu em 1992, nós estávamos voltando de Mogi das Cruzes. Foi bastante grave”, conta. “O Neymar sumiu dentro do carro.”

“Eu não conseguia me mexer. Quando fui resgatado, eu e minha esposa só gritávamos ‘meu filho, meu filho’. Nos tiraram, mas a gente ficou gritando que o neném ainda estava lá. Quando conseguiram tirar o Neymar, ele estava lavado de sangue. Naquele momento, eu pedi para Deus me levar, eu estava incapaz de fazer qualquer coisa.”

A cena, a princípio assustadora, tornou-se tranquilizadora pouco tempo depois, quando Santos percebeu que o filho sofrera apenas um pequeno corte na cabeça.

“Foi um vidro que o acertou e melou o Neymar inteirinho [de sangue]. Foi um momento muito difícil.”

As lesões provocadas pelo acidente ajudaram a encurtar a carreira de Santos como jogador de futebol. Vagando por times de pequeno porte, decidiu parar em 1997, aos 32 anos, no Operário-MT.

DORIVAL

Cerca de 18 anos depois de ver o filho se salvar daquele acidente de carro, Santos voltou a presenciar outro “momento difícil”, em suas palavras, na vida da maior esperança do Santos na conquista do tricampeonato mundial.

Após bater boca com o atleta dentro de campo, o então técnico santista, Dorival Jr., decidiu barrar o camisa 11 na véspera de um clássico com o Corinthians pelo Brasileiro.

A atitude irritou a diretoria, que demitiu o treinador que montou o elogiado time de 2010, campeão do Paulista e da Copa do Brasil.

“Foi um dos maiores desafios. Nós sabíamos que o Neymar tinha errado. Nós pedíamos pelo amor de Deus para deixá-lo fora [do clássico]. Ele ia ser o culpado pela saída do Dorival”, relembra o pai do atacante santista.

“No meio da noite, ligaram para o Neymar ir para a concentração, para ele jogar contra o Corinthians. Eu falei que ele não ia, que ele se apresentaria no dia seguinte, como planejado. E eles podiam fazer o que eles quisessem, o Neymar é um funcionário.”

A negativa não bastou para que a noite se encerrasse. “Isso era de madrugada, a gente tinha chorado muito. Eu o acordei novamente, e ficamos conversando até as 6h. Eu disse: ‘Você vai jogar. Só vou te pedir uma coisa'”, lembra Santos. “Cara, se possível, não se mexe, fica dentro de campo, em 15 minutos o treinador já te tira. Vamos começar tudo de novo. Quero que você entre calado e saia mudo. Mas, dentro de campo, faz o que você quiser.”

Apesar de toda a pressão, Neymar foi a campo e se saiu bem. Marcou um gol do Santos na derrota por 3 a 2.

“Eu o vi entrar numa situação muito difícil, mas parecia que ele tinha um dispositivo que ele desligava e que o mundo dele, o campo, era mais importante”, afirma.

“Quando ele voltou para casa, tive orgulho de dizer que achamos o caminho. O Neymar amadureceu.”

ESTRUTURA

Para que o filho possa se concentrar apenas em jogar futebol, Santos montou uma estrutura com 15 funcionários que cuidam de todas as coisas relacionadas a Neymar.

“Para deixá-lo vazio, só preocupado com a bola, tem gente que trabalha 24 horas”, conta o pai do jogador, que se dedica inteiramente à carreira da estrela santista.

Algo que só foi possível porque Neymar, desde pequeno, já colaborava com as receitas da família. Os bons salários nas categorias de base permitiram que Santos deixasse o emprego na CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) de Santos.

“Todos os negócios que envolvem o Neymar eu fui aprender. Quando vi que ele ia ser jogador, entrei na faculdade de educação física para ajudar também na parte fisiológica. Tem esse cara em quem ele confia, que é o pai dele, e eu decidi aprender algumas coisas para dar apoio”, afirma Santos.

“O Neymar parece ter 27 anos no gramado. Mas ele é um cara de 19 anos. Aí tem hora que a gente pensa: ‘Vamos segurar a onda, que é um cara de 19 anos’.”

ASSÉDIO

Neymar se tornou, em dois anos, um astro. “É legal ser famoso. Tem hora que não dá para atender [os fãs], mas quando dá, tem que atender.”

Recentemente, foi alvo de paparazzi durante um passeio de barco no Guarujá.

O santista foi fotografado ao lado de uma modelo que, na imprensa de celebridades, foi apontada como o novo “affair” do atleta.

Irritado, ele negou envolvimento com a mulher. “O cara aprende. Ficou chateado, mas acontece. Ele não fez nada de errado. É duro falar de coisas que são praticamente armadas”, critica Santos.

“Mas esse é o preço. Eu nasceria de novo para pagar esse preço”, completa.

IMPRENSA

Cerca de um mês depois do anúncio de que Neymar ficará no Santos até a Copa de 2014, seu pai ainda regurgita críticas à atuação da imprensa durante a série de investidas de Real Madrid e Barcelona para contratar o filho.

“O Neymar foi vendido uma pancada de vezes. Ele tem contrato com o Real, com o Barcelona, e ele dizendo: ‘Não, sou jogador do Santos’. Aí os caras arrumam: ‘Eles já têm contrato para depois da Copa’. Você acha que faço Real e Barcelona esperarem?”

“Jornalista escreve o que quiser, como quiser”, afirma.

Ele diz não guardar rancor, entretanto. “Não tenho por que ser sentido. Todo cara sonha em ter um filho, e esse filho ele quer que seja jogador. Eu tenho um filho, e ele é jogador. Graças a Deus, de sucesso. O que você acha que eu vou fazer no campo? Vou ver meu time jogar, com o meu filho lá dentro.”

Por Cleber Aguiar – Entrevista com Pepe o canhão da Vila !

Fonte: Diário do Comércio – SP

‘O jogo de estreia merece atenção’

Escrito por André de Almeida

José Macia, mais conhecido como Pepe, é considerado o maior artilheiro ‘humano’ da história do Santos, pois “Pelé é de outro planeta”. Ao todo, foram 405 gols em 750 jogos pelo único clube que defendeu em sua carreira, entre 1955 e 1969, dois títulos mundiais, cinco brasileiros e 11 paulistas, entre outros. Nunca foi expulso.

 A dois dias da estreia do Santos no Mundial de Clubes da FIFA, Pepe recorda os  mundiais conquistados em 1962 e 1963, fala sobre o técnico do Barcelona, Josep ‘Pepe’ Guardiola, de quem foi treinador no Catar, e analisa o encontro Neymar/Messi.

Diário do Comércio – O senhor acha que o Santos está pronto para o Mundial?

Pepe – Certamente. O Santos tem um excelente time, o melhor jogador do Brasil e talvez do mundo, além de um técnico vencedor. Todos só estão falando do Barcelona. No entanto, o jogo de estreia merece atenção especial, visto o que aconteceu com o Internacional de Porto Alegre no ano passado.

DC – O senhor concorda com Pelé, que acha Neymar melhor do que Messi?

Pepe – Hoje, vejo o Messi um pouquinho melhor. Ele sempre brilha. No entanto, o Neymar tem um potencial maior de crescimento a médio e longo prazo.

DC – Quais as chances santistas em uma  final com o Barcelona?

Pepe –  50% para cada um. O Barcelona é um time acostumado a ganhar títulos e tem um excelente técnico, meu amigo Guardiola, com quem trabalhei no futebol árabe.

DC – Quais as principais diferenças entre Guardiola e  Muricy? 

Pepe –Talvez o Guardiola seja mais estrategista. Ele é estudioso e detalhista. Com certeza, sabe até a cor do olho do Neymar. O Muricy tem o time nas mãos. Além de disciplinador, consegue motivar mais o jogador.

DC – O senhor já estudou esse time do Barcelona?

Pepe – É uma equipe que valoriza muito a posse de bola e não vai fazer retranca nunca. Eles atacam e defendem com muitos jogadores.

DC – Quais as principais lembranças que o senhor guarda dos Mundiais de 1962 e 1963?

Pepe – Em 1962, na final com o Benfica, no Estádio da Luz, marquei o gol mais feio da minha carreira (risos). Essa também foi a melhor partida da vida do Pelé. Contra o Milan, no ano seguinte, minha melhor lembrança são os 4 a 2 no Maracanã, de virada, depois que estávamos perdendo por 2 a 0. (Nesse jogo, Pepe fez dois gols. O resultado provocou uma terceira partida no Maracanã. O Santos ganhou por 1 a 0, gol de Dalmo, de pênalti).

DC – No último jogo contra o Milan, Pelé não jogou e foi substituído muito bem por Almir. No atual  Santos, quem seria o Almir se Neymar não puder jogar?

Pepe –Com as características do Almir não tem ninguém. Ele era um baita de um guerreiro e quando precisava era ele quem dava porrada nos zagueiros. O Santos atual é um time muito leve.

DC – Quem deve ser o batedor de pênalti do Santos em um momento decisivo?

Pepe – Com certeza,  Neymar. Ele sabe o momento certo de chegar na bola e, apesar de ter apenas 19 anos, é um garoto frio, confiante e com a cabeça no lugar.

DC – Fora Neymar, quem pode decidir um jogo a favor do Santos?

Pepe – O Ganso. Todas as atenções estarão voltadas para o Neymar, que deverá receber uma marcação especial. O Ganso poderá ficar mais livre e, assim, decidir o jogo. O Barcelona joga e deixa jogar.

Por Cleber Aguiar – Com Lula na torcida, Timão fatura o título brasileiro de futebol americano

Fonte: Globo.com

Quarterback norte-americano KC Frost dá um show e comanda bela vitória sobre o Vila Velha Tritões (ES) no estádio do Ibirapuera, em São Paulo

Por Igor Gonçalves São Paulo

O fim de ano é mesmo corintiano. Depois de vencer o Brasileirão no último fim de semana, os alvinegros podem soltar mais uma vez o grito de ‘campeão’ da garganta, desta vez no futebol americano. Em partida realizada no estádio do Ibirapuera, o Corinthians Steamrollers derrotou o Vila Velha Tritões por 41 a 3 e ficou com o título da temporada 2011 do Torneio Touchdown.

lula corinthians  futebol americano (Foto: Renato Couto/Futura Press) Ex-presidente Lula posa para foto junto com o time do Corinthians (Foto: Renato Couto/Futura Press)

Sob o olhar do ex-presidente da república, Luiz Inácio Lula da Silva, um ilustre corintiano, a conquista do time paulista veio de forma invicta. Ao todo foram sete partidas vencidas no campeonato. O grande destaque dentro de campo foi o quarterback norte-americano KC Frost, que comandou a linha ofensiva com maestria.

O jogo

KC Frost distribuiu belos passes e conseguiu várias corridas. Para ter melhor sorte na final, o Tritões sabia que teria que tentar parar o jogador, mas logo em sua primeira campanha ofensiva, o Steamrollers conseguiu marcar. Frost achou Paulinho em passe longo, e o Corinthians anotou o touchdown. No entanto, os paulistas falharam na tentativa do ponto extra, e o placar ficou em 6 a 0.

O Vila Velha, que já havia desperdiçado a primeira campanha ofensiva do jogo, conseguiu avançar melhor pelo campo após ficar em desvantagem. Porém, não o suficiente para entrar na ‘end zone’. Da linha de 30 jardas, a equipe tentou converter um field goal para diminuir o placar, mas falhou, permanecendo seis pontos atrás no fim do primeiro período.

Logo no início do segundo quarto, KC Frost sofreu um fumble após tentar correr com a bola e Jeffinho recuperou para o Tritões sendo parado na linha de 28 jardas do campo ofensivo. Liderada pelo quarterback Bruno Araújo, a equipe capixaba tentou furar a defesa corintiana para anotar seu primeiro touchdown, mas não conseguiu e teve que se contentar com o field goal de Leco, diminuindo o placar para 6 a 3.

Desde o começo do jogo, a linha defensiva dos Tritões cometia muitas faltas, o que acabava cedendo campo para o Steamrollers e dificultava na recuperação da posse de bola. Com tempo, KC Frost conseguiu se recuperar do ‘erro’ e liderou a campanha corintiana mesclando passes e corridas até o touchdown. E não parou por aí, Frost foi para a tentativa de dois pontos no extra e achou Darrel para fazer a conversão: 14 a 3.

O Tritões não conseguia desenvolver suas jogadas ofensivas e após não conseguir o first down teve que devolver a bola para o Corinthians. Com menos de dois minutos para tentar emplacar uma campanha até o touchdown, KC Frost quase conseguiu. Primeiro um grande passe para Taylor avançar. Depois uma corrida surpreendendo a defesa capixaba. No entanto, já dentro da ‘red zone’, o americano foi sacado, e o Tritões recuperou a bola, evitando sair com uma desvantagem maior no intervalo.

Frost segue no comando

O início do terceiro quarto foi uma repetição do primeiro. Logo na primeira campanha ofensiva, o time paulista converteu um touchdown, novamente com a dupla KC Frost e Paulinho funcionando. Na sequência, Ramon converteu o ponto extra levando o placar para 21 a 3.

A equipe capixaba precisava reagir e melhorar o desempenho ofensivo para buscar o placar. No entanto, o Tritões levou uma ‘ducha de água fria’. O quarterback Bruno Araújo foi interceptado na tentativa de um passe e a bola voltou para o Corinthians. Mostrando que não iria desistir fácil do jogo, a linha defensiva do Tritões foi bem e conseguiu sacar KC Frost pela segunda vez na partida e em seguida os paulistas devolveram a bola no punt.

Só que não era mesmo o dia do ataque canela verde. Tentando ir à frente, novamente Bruno Araújo foi interceptado, dessa vez por Travis. Na resposta KC Frost não perdoou e deu bom passe para Lobo marcar mais um touchdown para o Steamrollers. Ramon converteu mais um ponto extra e o marcador pulou para 28 a 3.

Muito atrás no placar, o Tritões tentou arriscar no início do último período, mas não deu certo. Na tentativa de converter uma quarta descida, Maua parou Danilo e o Corinthians retomou a bola em boa posição de campo. Aí adivinha quem deu o ar da graça novamente? O norte-americano KC Frost achou outro bom passe para Darrel marcar mais um touchdown.

Os paulistas tentaram novamente a jogada para dois pontos, porém, desta vez, não conseguiram concluir. No final ainda houve tempo para mais um touchdown, selando a conquista irretocável do Corinthians: 41 a 3.

 

Por Cleber Aguiar – Neymar pode ganhar um jogo sozinho’, elogia zagueiro Puyol

Fonte: Globo.com

Capitão do Barcelona volta a elogiar atacante do Santos antes de estreia no Mundial de Clubes da Fifa, no Japão

Por Thiago Dias Direto de Yokohama, Japão

puyol barcelona coletiva (Foto: Thiago Dias / Globoesporte.com)Puyol, do Barça, elogiou o desempenho de Neymar
(Foto: Thiago Dias / Globoesporte.com)

O zagueiro Puyol, capitão do Barcelona, já demonstrou algumas vezes que é fã do futebol de Neymar. Nesta segunda-feira, durante entrevista coletiva em Yokohama, o jogador espanhol foi perguntado sobre o que acha do atacante do Santos e voltou a elogiar o camisa 11 antes da estreia do Peixe no Mundial de Clubes da Fifa.

– Ele é um jogador diferente. Tem força no um contra um, na conclusão para o gol e é muito jovem, mas já tem experiência. É um jogador que faz a diferença, que pode ganhar um jogo sozinho – analisou o zagueiro.

Perguntas sobre Neymar aos jogadores do Barça têm sido constantes nas coletivas do clube. Além de ser um possível rival na final do Mundial, o craque despertou recentemente o interesse do time catalão, que chegou a ter uma proposta recusada pelo Santos para tirá-lo do Brasil.

O Peixe estreia no torneio do Japão nesta quarta, às 8h30m (de Brasília), contra o Kashiwa Reysol, em Toyota, pela semifinal. Já o Barcelona entra em campo na quinta contra o Al Sadd, em Yokohama. Os vencedores farão a final no domingo, também em Yokohama.

Na primeira coletiva em solo japonês, o técnico Pep Guardiola também teve que falar sobre o Santos. Mas usou o bom humor e fugiu de polêmica ao ser perguntado sobre a declaração de Muricy Ramalho de que ele só seria nota 10 se vencesse um título trabalhando no futebol brasileiro.

– Não tenho proposta.

Neymar no treino do Santos no Japão (Foto: AFP)Neymar foi alvo de elogios do capitão Puyol, do Barcelona (Foto: AFP)

Por Cezar Alvarenga – Kashiwa Reysol vence Monterrey nos pênaltis e enfrenta o Santos na semifinal. Novo Mazembe?

Fonte: UOL Esportes

O Kashiwa Reysol, time comandado por Nelsinho Baptista, será o adversário do Santos na semifinal do dia 14 no Mundial de Clubes. A equipe japonesa superou o Monterrey, do México, em decisão por pênaltis na noite deste domingo, no Toyota Stadium, em Toyota. No tempo normal e na prorrogação, a partida terminou empatada por a 1 a 1. O brasileiro Leandro Domingues marcou para o time japonês, e o chileno Suazo fez o do mexicano. Nas penalidades, o Kashiwa venceu por 4 a 3.

O time japonês teve o apoio da maior parte da torcida entre os cerca de 25 mil pagantes. Além de ser comandada por Nelsinho, e ter Leandro Domingues com a camisa 10, a equipe também conta com o brasileiro Jorge Wagner.

O time mexicano impôs dificuldade ao Kashiwa desde o início do jogo. Duas vezes com Suazo grandes chances foram desperdiças. Na primeira, o chileno saiu na frente do goleiro, mas ao tentar driblá-lo foi desarmado, e na segunda, o chute de esquerda foi parar na trave.

Aos poucos, a equipe japonesa foi conquistando espaço e da metade final do primeiro tempo em diante, também passou a atacar com perigo. Na melhor chance, o chute de fora da área de Jorge Wagner passou raspando a trave direita de Sugeno.

Na segunda etapa, o Kashiwa abriu o placar logo aos 8 minutos quando o Leandro Domingues aproveitou passe de Tanaka e bateu colocado no canto direito.

A pequena e barulhenta torcida japonesa ainda comemorava quatro minutos depois, e sofreu um baque com o empate do Monterrey em rápido contra-ataque. Cesar Delgado cruzou pela esquerda e Suazo marcou.

O duelo seguiu equilibrado no restante da segunda etapa, sendo que o time da casa teve as melhores oportunidades para marcar. Sem obter sucesso, a partida chegou ao fim do tempo regulamentar em igualdade.

A disparidade no condicionamento físico das equipes ficou evidente na prorrogação. A correria do time japonês seguiu intensa, enquanto os mexicanos sofriam com o cansaço em campo. Apesar disso, o marcador permaneceu empatado até o fim dos 30 minutos.

Nos pênaltis, Leandro Domingues, Hayashi, Kurisawa e Jorge Wagner marcaram para o Kashiwsa e só Tanaka desperdiçou. O Monterrey teve dois erros nas penalidades e perdeu a disputa por 4 a 3.