ICFUT – ‘É o mundo dela e eu respeito’, diz Loco Abreu sobre participação de sua irmã em Big Brother argentino

Fonte: Extra – RJ

A casa do Big Brother argentino vai virar uma loucura. Clarisa Abreu Gallo, irmã do atacante do Botafogo e da seleção uruguaia Loco Abreu, foi escolhida na noite desta segunda-feira para integrar a casa principal do reality show “Gran Hermano 2012”. Até então, Clarisa estava hospedada em uma casa paralela da competição. O público decidiu por colocá-la no plantel principal. 

 

Clarisa, irmã de Loco, trabalha como modelo
Clarisa, irmã de Loco, trabalha como modelo Foto: Reprodução da internet

 

Clarissa tem 21 anos e é modelo. Loco Abreu está no Uruguai servindo a seleção e não quis falar sobre a aventura de sua irmã.

– É o mundo dela e eu respeito, mas o meu é outra coisa. É o futebol. Na verdade, não quero me envolver em nada com isso – disse o atacante em entrevista ao jornal uruguaio Ovacion.

 

A irmã de Loco Abreu é mais nova que ele: tem 21 anos
A irmã de Loco Abreu é mais nova que ele: tem 21 anos Foto: Reprodução da internet

 

HUMOR ICFUT – BANDO DE GUYS

Fonte: Kibeloco.com.br

BANDO DE GUYS

André Santos derrapa no inglês e chama companheiros de gays

O lateral André Santos estava contente com a vitória do Arsenal, seu clube, por 3 a 0 sobre o West Bromwich pelo Campeonato Inglês. Merecia comemorar pelo Twitter, certo? Sim, mas não precisava derrapar no inglês…

Na hora de vibrar pelos companheiros ele mandou um “Very good win, gays!” em sua conta pessoal. Seria um “Boa vitória, caras!”, se ele não tivesse trocado o termo “guys” por “gays”.

***

André Santos pode ter saído do Corinthians, mas o Corinthians não saiu do André Santos.

ICFUT – Após levar fora de Adriano Imperador, Luana Kisner se “consola” com Mendigo

Fonte: Futebolinterior.com.br

O atacante do Corinthians terminou o namoro, após descobrir o passado da gata

Do Império para os braços do Mendigo

São Paulo, SP, 08 (AFI) – Com o Natal cada vez mais próximo, a modelo Luana Kisner já garantiu sua “boa ação” de final de ano. Como uma boa samaritana, ela trocou o Império pela “rua da margura”. Segundo informações da colunista do portal R7 Fabíola Reipert, após levar um fora de Adriano Imperador, a musa procurou consolo nos braços do humorista Carlinhos, que interpretou o personagem Mendigo por muito tempo no “Pânico na TV”, da RedeTV!.

Os dois teriam se encontrado em uma balada na Daslu, em São Paulo, na última quinta-feira. Apesar dos comentários de que rolou um affair entre ambos, a bela morena, de 22 anos, garantiu, em entrevista ao colunista Léo Dias, do jornal O Dia, que não houve nada. “Eu sou amiga do Carlinhos há três anos. Ele que me levou para a Record”, explicou a ex do jogador do Corinthians.

O fato que reforçou os rumores é que Carlinhos e Luana, agora, estão solteiros. Recentemente, o humorista terminou seu relacionamento com a não menos bela Aline Hauck, que é assistente de palco do “Programa do Guga”, da Record. A loira de 21 anos, inclusive, está grávida do garanhão.

As más línguas dizem que Adriano terminou o namoro com a ex-assistente de palco do programa “O Melhor do Brasil”, da Record, por ciúmes. É que ele descobriu algumas “histórias” sobre o passado da moça. Chegou-se a falar que a gata teria sido garota de programa em Porto Alegre, onde atendia pela alcunha Laurinha Matos.

“Eu não aguento mais tantas histórias sobre mim! Nunca mais eu vou namorar um famoso. Nunca fui garota de programa. Quero a paz de volta para a minha vida!”, desabafou Luana, ao O Dia.

Veja video da ex-gata do Imperador !!!

Por Cleber Aguiar – Para o Barcelona, bater o Santos vira questão de honra

Fonte: O Estado de São Paulo

Equipe espanhola perdeu duelo por Neymar e quer ‘vingança’ do time brasileiro

Jamil Chade – Correspondente em Zurique – O Estado de S. Paulo

ZURIQUE – Sandro Rosell, o cartola máximo do Barcelona, não pensa duas vezes ao estabelecer sua prioridade para 2011: vencer o Santos numa possível final do Mundial de Clubes, em dezembro, no Japão. Em entrevista ao Estado em Zurique, o presidente da equipe catalã deixou claro que a vitória do time considerado por muitos o melhor do planeta não está garantida sobre o Santos de Neymar. Mas assegura que sua equipe “vai para cima” na final. Talvez seja a maneira que o dirigente encontrou para “dar o troco” nos brasileiros.

'Título mundial é prioridade do ano', diz presidente - Albert Gea/Reuters-Arquivo
Albert Gea/Reuters-Arquivo
‘Título mundial é prioridade do ano’, diz presidente

“Vamos ao Japão com o claro objetivo de sair mais uma vez com o título”, disse Rosell. “É nossa prioridade do ano.”

Rosell não disfarça o desconforto ao ser questionado sobre a transferência de Neymar para o Real Madrid, após o Barça ter dado como certa a contratação do atacante. A reviravolta ainda não foi assimilada completamente. O dirigente, no entanto, insiste que não há favoritos e que seu time não tem vitória assegurada contra o Santos, em uma eventual final. “Será um jogo difícil. Mas vamos para ganhar. Nossa política é ganhar tudo o que disputamos”, afirmou. O cartola também destaca que uma final contra o Santos “valorizaria ainda mais o título”. “Queremos jogar e bater times históricos e a partida contra o Santos terá esse caráter”, afirmou. Para chegar à final, tanto o Santos como o Barça terão de vencer suas semifinais.

Se o discurso é de total entusiasmo em relação ao Mundial de Clubes, o tom da entrevista se transforma quando o assunto é Neymar. O Barça enviou uma delegação em três ocasiões para conseguir um acordo com o Santos. Mas foi o Real Madrid que ficou com o craque, uma derrota política para Rosell. Perguntado se ainda tentaria reverter a situação, o cartola não escondeu o mal-estar. “Não sei. Não sei. O que é que vou dizer?” Segundo o dirigente, essa é uma decisão também do técnico Pep Guardiola. “Tem de perguntar a ele”, respondeu, com sorriso amarelo.

Rosell, porém, aproveitou para transferir para a seleção brasileira sua guerra particular com o Real. Ele atacou a atitude do rival de não liberar Marcelo e Kaká para o amistoso do Brasil no Gabão, nesta quinta-feira. O Barça cedeu Daniel Alves e Adriano. No fim de semana, o técnico do Real Madrid, José Mourinho, anunciou que nem Kaká nem Marcelo seriam liberados para o amistoso brasileiro. O argumento é de que estariam com “problemas musculares’’. Um exame médico enviado pelo Real à CBF comprovaria a lesão de ambos os jogadores.

Marcelo, porém, já causou irritação na delegação brasileira em outras ocasiões, justamente por alegar contusões que o tiraram de amistosos. Mano Menezes chegou a criticá-lo publicamente. Mas voltou a dar uma chance ao atleta por seu desempenho no clube espanhol. O presidente do Barça, porém, insiste que a atitude deve ser igual para todos e insinua que o Real não está atuando como deveria.

“Eu estive com Dani Alves e Adriano e disse claramente que nós continuamos a liberar os jogadores, enquanto outros não o fazem’’, afirmou. “Mas quando chega o momento de ir à Copa do Mundo, todos querem ir. Sinceramente, só mesmo quem participa é que deve acabar permanecendo na seleção’’, defendeu.

A cúpula dos clubes europeus não disfarça que a solução é exatamente a redução dos jogos amistosos pelo mundo a cada ano. “O que é que o Brasil foi fazer na Costa Rica?”, criticou Rosell, em referência a amistoso da seleção realizado recentemente.

Santos vai conhecer chave do Mundial no próximo dia 17

Ainda restando cinco rodadas do Campeonato Brasileiro a jogar, o Santos já se preocupa com o Mundial de Clubes e olha para o dia 17 de novembro, uma quinta-feira, data em que a Fifa vai realizar, em Nagoya, no Japão, o sorteio da competição. O time santista já sabe que vai entrar direto nas semifinais, mas ainda não sabe quais clubes jogarão antes, pelas quartas de final, pelo direito de enfrentá-lo.

Além de Santos e Barcelona, outras três equipes já estão classificadas para o Mundial: o Monterrey (México), campeão da Concacaf, o Auckland City (Nova Zelândia), campeão da Oceania, e o Al Sadd (Catar), que conquistou o título da Liga dos Campeões da Ásia neste sábado. O time neozelandês joga ainda uma fase preliminar do Mundial, contra o campeão japonês. A tabela deste torneio apresenta o Kashiwa Reysol com 65 pontos, seguido por Gamba Osaka (63) e Nagoya Grampus (62), a três rodadas do fim da competição.

O sétimo time virá da África. Neste domingo, aconteceu a primeira final da Copa dos Campeões de lá, com o Wydad (Marrocos) e o Esperance (Tunísia) tendo empatado em 0 a 0, em Túnis. O jogo de volta é no domingo que vem.

Tranquilo no Campeonato Brasileiro, apenas treinando para o Mundial até o final da competição nacional, o Santos começa a se preparar para enfrentar o Ceará, domingo, no Presidente Vargas. Muricy Ramalho, ainda se recuperando da hérnia de disco, não vai viajar com o elenco. Depois, o time santista ainda joga contra Atlético-GO (Pacaembu), Coritiba (Couto Pereira), Bahia (Vila Belmiro) e São Paulo (Morumbi) antes de rumar ao Japão.

Por Cleber Aguiar – ‘Novo-rico’, Gabão tem futebol pobre

Fonte: Folha de SãoPaulo

Gabão Gabão 0 X 0 Brasil Brasi

SELEÇÃO Rival do Brasil usa estádio moderno, conta com o apoio do governo, mas jogadores têm vida dura

SÉRGIO RANGEL
ENVIADO ESPECIAL A LIBREVILLE

Salários irrisórios se comparados ao mercado milionário do futebol mundial, uma estrutura amadora nos principais clubes do país e financiamento de uma das mais antigas dinastias do mundo. Assim é o futebol no Gabão, adversário da seleção na quinta-feira, em Libreville.
O jogo marcará a inauguração do Stade d’Angondjé, moderno estádio construído pelos chineses em troca da exploração de imensa mina de ferro no interior do país.
Apesar do belo cenário, os jogadores locais vivem longe da riqueza do mundo da bola. Dos 22 convocados para enfrentar o time de Mano Menezes, que desembarcou ontem à noite em Libreville, dez atuam no país e recebem em média R$ 1.200 por mês.
A capital do Gabão é uma das cidades mais caras do mundo. Libreville está na 12ª colocação na Pesquisa Mercer sobre Custo de Vida 2011.
Apesar da popularidade do futebol no país, são apenas 60 times profissionais no Gabão. A maioria dos atletas da liga nacional recebe quase três vezes menos (R$ 400) que os jogadores da seleção.
Além dos salários, os campos e a estrutura dos times são fracos. “Virei atleta porque fui me destacando na escola, mas não dá para ficar rico com o esporte aqui. O bom de ser jogador no Gabão é que você tem um emprego e não tem tanta pressão assim”, afirmou Yanne Bidonga, 32.
Veterano na seleção, Bidonga é goleiro do Mangasport, clube bancado por uma mineradora de manganês, riqueza do país. O petróleo é o maior produto de exportação.
Como quase tudo no Gabão, a mineradora do time do goleiro tem participação do governo. Fã de futebol, o presidente Ali Bongo atua como mecenas. Nesta temporada, Bongo teve de repassar cerca de R$ 200 mil para manter em disputa as duas únicas divisões do futebol nacional.
Em 2012, ele usará o futebol para chamar a atenção internacional. O Gabão será a sede da Copa Africana, junto com a Guiné Equatorial.
Os Bongo estão no poder desde os anos 60. Pai do atual presidente, Omar Bongo governou de 1967 até 2009.
Depois, Ali venceu a eleição, feita sob acusação de compra de votos. Ao morrer há dois anos, Omar deixou 66 contas bancárias pelo mundo.
“No nosso país, só quero te dizer que gostamos muito do nosso presidente. Além do futebol, ele ajuda muito o Gabão a crescer”, disse o goleiro reserva da seleção local.

Por Cleber Aguiar – ENTREVISTA ZAGALLO

Fonte: Folha de São Paulo

Estamos atrasados para a Copa, temos que fixar uma base

LONGE DOS CAMPOS HÁ 5 ANOS, EX-TREINADOR AFIRMA ESTAR ‘OBSERVANDO TUDO’ E QUE FASE DE TESTES NA SELEÇÃO JÁ DEVERIA TER ACABADO

Rafael Andrade/Folhapress

Zagallo, que esteve com a seleção pela última vez em 2006, ementrevista no Rio

LUÍS CURRO
ENVIADO ESPECIAL AO RIO

“Estamos atrasados.”
Mario Jorge Lobo Zagallo, 80, respondeu assim ao questionamento da Folha a respeito da sua expectativa para a Copa do Mundo de 2014.
O maior vencedor da história das Copas (duas vezes como jogador, uma como técnico e uma como auxiliar técnico) ignorou o lado organizacional e partiu para a bola.
Segundo ele, três adversários de primeira linha estão com seus times formados (Espanha, Alemanha e Holanda), enquanto Mano Menezes tem modificado a equipe convocação após convocação.
“Acho que tínhamos que fixar uma base. Toda hora estar mudando não é uma boa.”
Para Zagallo, o fato de Mano ter pela frente, além da Copa, o desafio de conquistar a inédita medalha de ouro olímpica para o Brasil, em Londres-2012, não justifica tantos testes, pois deveria haver prioridade clara. “Temos que olhar para 2014. A Olimpíada não tem a importância de uma Copa do Mundo.”
Na entrevista concedida em um salão social no condomínio em que mora, na Barra da Tijuca, Zagallo também defendeu a escalação de Ronaldinho no ataque (não na armação), teceu elogios a Hernanes, enalteceu Vanderlei Luxemburgo e avisou que, se a seleção precisar, larga a aposentadoria para ajudar.

Folha – Para a Copa-2014, qual a sua expectativa?
Zagallo – Eu estou acompanhando todos os jogos da seleção. Onde a seleção está, eu estou, pela televisão, observando, tendo os meus pontos de vista. E eu acho que nós estamos atrasados para a Copa do Mundo de 2014. Por que eu digo isso? Porque Espanha, Alemanha e Holanda já estão prontas, três candidatos estão prontos. Nós já convocamos 78 jogadores. Acho que nós tínhamos que fixar uma base na seleção. Pinga aqui, pinga acolá, não tem problema, mas a toda hora estar mudando eu acho que não é uma boa. Nós temos que olhar para a Copa de 2014. Quanto mais cedo você definir a seleção, é melhor para a seleção brasileira.

Ainda mais no Brasil…
Ainda mais aqui, que a responsabilidade é muito maior e nós temos que vencer. A palavra é essa: nós temos que vencer! Queiram ou não. Nós já perdemos uma aqui [em 1950, com derrota na final para o Uruguai], da segunda vez vai ter que ganhar.

Já era possível a seleção ter uma base formada?
Tempo nós já tivemos, mesmo que troque ali A por B. Por exemplo, o Marcelo [lateral do Real Madrid].
Para mim, deveria estar jogando desde a última Copa do Mundo. Mas cada cabeça é uma sentença. O Lúcio [zagueiro da Inter de Milão] estará com 37 [anos em 2014]. Vai trazer alguma coisa de útil com 37 anos [na verdade, 36] numa Copa do Mundo? Não. Tem que começar a botar os garotos pra começarem a pegar tarimba. Se vai ganhar ou perder, esse é o grande problema. Com medo de perder, [o técnico] começa a colocar jogadores que não vão participar da Copa. Está perdendo tempo.

Do jeito que está, é possível ter um temor em relação ao que vai acontecer?
É uma questão de modo de pensar. Por exemplo, o problema do Ronaldinho. Ele é um jogador que, no meu entender, só pode jogar na frente. Nesse último jogo [amistoso contra o México], jogou no meio-campo.
Digo e repito: ele não é jogador para jogar no meio-campo porque não tem as condições orgânicas para fazer a função do vaivém. Ele é um jogador de 30 metros, como ele jogou no Barcelona e como joga no Flamengo. Ali na frente, solto. Começou mal e agora está bem, nessa posição. Jogar por jogar no meio de campo é uma coisa. Para fazer a função de homem de meio de campo, precisa gás, não é só técnica e habilidade. Por que nós temos no atletismo atletas que correm 100 m, que correm 200 m? Bota eles para correr 1.500 m, 5.000 m, vamos ver aonde chegam. A lugar nenhum. O [Usain] Bolt, por exemplo. É recordista mundial dos 200 m e dos 100 m.
Manda ele correr 1.500 m para ver aonde vai chegar. Não tem capacidade. Tem poder de força, arranque, mas não é para correr uma maratona.
É a mesma coisa o jogador de futebol. O cara que joga no meio tem que fazer o vaivém, tem que jogar os 100 metros. Por isso que eu falo que o Ronaldinho não é jogador de meio de campo. Nós vamos perder se isso acontecer.

Há atualmente uma opção para fazer essa função de armar o time, com fôlego?
Esse é um problema do Mano Menezes. O Hernanes [da Lazio] é um jogador de meio-campo que joga fácil ali. Eu gosto dele. Ele vai e vem. Mas é a minha cabeça. Não quero dar nomes. Eu torço para o Mano, mas tenho meu ponto de vista. Se ele escuta, aí é um problema dele, ele é que é o técnico [da seleção]. Eu posso estar até errado, mas eu acho que nosso meio de campo não é o ideal ainda.

Quem são os melhores técnicos brasileiros em atividade?
Eu gosto mais do Vanderlei Luxemburgo. Ele se impõe mais. Não foi campeão do mundo, mas tem um currículo muito bom, a postura dele dentro de campo é veemente, sabe o que faz. E tem o Muricy [Ramalho], que não quis a seleção, não sei o porquê, teve o lado particular.

E os jogadores?
O Neymar, um jogador que tem muita coisa ainda para aprender, mas é o melhor jogador. Vou citar também o Marcelo, o lateral esquerdo, mais nenhum. Nós não temos ainda alguém nesta seleção para dizer “é ele”, o Pelé, o Ronaldo Fenômeno. Estamos em formação.

Você gostaria de estar mais engajado na preparação da Copa no Brasil, nessa campanha brasileira?
Nunca me ofereci nem vou me oferecer. Quando eu fui para a seleção, eu fui chamado. Para exercer qualquer cargo, você tem que ser chamado. Ninguém me chamou, então não posso ser nada. Fico de fora, torcendo pela seleção brasileira, vendo todos os jogos, estou a par de tudo. Problema de saúde eu tive em 2005, hoje não tenho problema maior. Se quiserem, sou o Zagallo com a experiência que todo mundo sabe, não preciso falar mais nada.

Seu último time como treinador foi o Flamengo, em 2001. Não sente falta?
Eu tenho todas as condições. Tudo bem, estou com 80 anos. Para exercer a função no dia a dia, eu já não tenho mais vontade, porque a minha vida já foi muito sacrificada. Agora, a única coisa… Eu não quero me expor a nada, mas a responsabilidade de uma seleção é muito grande, e eu não tenho medo de responsabilidade, já foi mais do que demonstrado. Para que eu exerça alguma função dentro do campo, só com a seleção brasileira. Vão dizer: “Ele está se candidatando?”. Não estou. Mas, pela “amarelinha”, eu tenho condições de chegar e trabalhar.

Como treinador?
Como coordenador, funcionando junto com o treinador. Convocação, troca de ideias, o que eu fiz com o [Carlos Alberto] Parreira [para as Copas de 1994 e de 2006].
Eu estou no meu lugar, observando tudo. Eu saí em 2006 e não voltei mais. Mas, se eu tivesse que ficar nessa função, com a experiência que eu tenho, de sete Copas do Mundo, quatro vezes campeão do mundo, eu já estaria dentro desse barco que está rumando para a Copa de 2014.

ICFUT–BRASILEIRÃO SÉRIE B: Jogos 08/11/2011

08/11/2011 20:30 (Ter) Portuguesa x Sport Recife Canindé
08/11/2011 20:30 (Ter) Guarani x Icasa Brinco de Ouro
08/11/2011 20:30 (Ter) ABC-RN x Paraná Frasqueirão
08/11/2011 20:30 (Ter) Duque de Caxias x Vila Nova-GO Raulino de Oliveira
08/11/2011 20:30 (Ter) Náutico x Grêmio-SP Aflitos
08/11/2011 20:30 (Ter) Americana x Vitória-BA Décio Vitta
08/11/2011 20:30 (Ter) Salgueiro-PE x Bragantino A definir
08/11/2011 20:30 (Ter) Criciúma x Ponte Preta Heriberto Hulse
08/11/2011 20:30 (Ter) Goiás x São Caetano Serra Dourada
08/11/2011 20:30 (Ter) Boa-MG x ASA-AL Dilzon Melo

ICFUT – Relator da Lei da Copa diz que incluirá no texto permissão de venda de bebida em estádios

Fonte: uol

Romário chega de trem ao Itaquerão, junto com outros parlamentares

Romário chega de trem ao Itaquerão, junto com outros parlamentares

O deputado federal Vicente Cândido (PT-SP), relator da Lei Geral da Copa na Câmara dos Deputados, afirmou nesta segunda-feira, após conversa com o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, na parte da manhã, que vai incluir no texto da norma a permissão para venda de bebidas alcoolicas nos estádios de futebol e arredores durante as partidas válidas pela Copa do Mundo de 2014.

Este é um dos pontos de contrariedade entre a Fifa e o governo brasileiro. Pelo Estatuto do Torcedor e segundo as legislações de alguns Estados do Brasil, não é permitido a venda de bebida alcoolica nas arenas esportivas e em seus entornos. A Fifa, que tem como uma de suas principais patrocinadoras a Inbev, cervejaria multinacional, pressiona o país para que esta probição seja derrubada.

"Falei para o secretário (Jérôme Valcke) que vamos trabalhar para incluir a permissão de venda de bebidas alcoolicas no texto da Lei Geral da Copa. Assim, não seria necessário revogar com cada um dos Estados que têm essa proibição", disse o deputado, durante visita de uma comissão de parlamentares ao Itaquerão, estádio que o Corinthians está construindo na zona Leste de São Paulo e que receberá a abertura da Copa.

Sobre a proibição que consta no Estatuto do Torcedor (lei federal) à venda de bebidas alcoolicas, o deputado diz que, se for o caso, pode-se alterar também o Estatuto, embora eu acredite que é uma questão interpretativa esta de que o Estatuto proíbe a venda de bebidas alcoolicas em estádios. Acho que isso pode ser reinterpretado sem ter que mexer na lei", defende o parlamentar.

No texto do Estatuto do Torcedor, está escrito que é proibido o "ingresso de pessoa com bebidas e substâncias que possam causar a prática de atos de violência". Para Cândido, esta proibição não precisa, necessariamente, estar atrelada ao álcool. "Ainda hoje converso (segunda-feira, 7/11) com o ministro Aldo Rebelo (Esportes) para levar a seu conhecimento esse resultado da minha conversa com o secretário da Fifa", contou o deputado.

Outro ponto em que a autoridade da Fifa e o deputado brasileiro concordaram foi sobre a possibilidade de se disponibilizar determinada cota de ingressos dos jogos da Copa para serem trocados por armas de fogo, dentro da campanha nacional brasileira pelo desarmamento. "Levei a ideia ao senhor Valcke e ele se mostrou bastante aberto e até mesmo favorável à iniciativa". Neste terça-feira, o secretário geral da Fifa vai à Câmara dos Deputados, junto com o presidente do COL (Comitê Organizador Local da Copa), Ricardo Teixeira, para responder a perguntas dos parlamentares sobre a organização do torneio mundial no Brasil.

Nesta segunda, uma comissão de parlamentares visitou as obras do Itaquerão, tendo partido para lá da estação de metrô da Luz, na região central de São Paulo. Eles ouviram dos engenheiros da Odebrecht, empreiteira responsável pela obra, que mais de 15% dos trabalhos estão concluídos, e que isso significa que o cronograma está adiantado. "Nossa previsão para este momento era estar com 12% da obra pronta. Mas conseguimos acelerar, as chuvas de verão ainda não começaram", disse Frederico Barbosa, engenheiro responsável no canteiro.