ICFUT – Xoana González abre o jogo e diz que Messi é bem dotado e safadinho

Fonte: Futebolinterior.com.br

Quem não deve ter gostado nada das declarações é a noiva do craque Antonella Roccuzzo

Ela disse que Messi é inesquecível

O craque Lionel Messi vem encantado torcedores do mundo inteiro com seu futebol-arte. No entanto, esse “poder” do jogador de Barcelona e seleção argentina não limita-se às quatro linhas. Isso porque a modelo Xoana González elogiou o desempenho sexual do argentino em entrevista à revista espanhola Primera Linea.

Em meados de julho, a morena de cair o queixo havia revelado ter participado de “orgias” no novo apartamento de Messi, em Buenos Aires. Agora, ela revelou detalhes mais picantes das festinhas, ao dizer que apesar de parecer tímido, Messi é “safadinho” e “bem dotado”.

“Ele não faz jus ao apelido de Pulga”, disparou Xoana, que ainda afirmou: “Nem tinha cerveja no frigorífico. Disse que não bebia álcool… Ele é um cavalheiro, ainda que tímido, mas quando começa a ganhar confiança, levanta voo”.

Noiva de Messi não deve estar nada feliz

Em julho, o jornal argentino Libre revelou que as festinhas no “apê” de Messi eram regadas a “sexo, álcool e cumbía (um estilo musical típico de Colômbia e Panamá, mas que faz muito sucesso na Argentina)”. Além disso, entre as convidadas especiais estariam modelos famosas no país vizinho, como Claudia Ciardone, Andrea Rincón, Sabrina Ravelli e Luciana Salazar, além de Xoana.

Quem imagina que Messi é “fominha” está muito enganado. O Libre confirma que o craque não conquistou esse timaço de modelos sozinho. Entre seus “parceiros” de festa estariam outros boleiros, como os irmãos Gabriel Milito (Independiente) e Diego Milito (Inter de Milão) e o atacante Palermo (aposentado).

Quem não deve estar gostando nada dos comentários da modelo é a noiva do craque do Barcelona, Antonella Roccuzzo. Além de namorarem há vários anos, os dois pombinhos se conhecem desde criança, já que são amigos de infância.

Videos da gata !

ICFUT – Brasileirão Série B – 2011

Guarani 3×0 Barueri

 

Clube PG JG VI EM DE GP GC SG %A
1  Portuguesa-SP 67 32 19 10 3 68 33 35 69.8
2  Ponte Preta-SP 57 32 16 9 7 54 37 17 59.4
3  Náutico-PE 53 32 14 11 7 42 35 7 55.2
4  Americana-SP 51 33 14 9 10 37 37 0 51.5
5  Criciúma-SC 49 33 13 10 10 39 35 4 49.5
6  Sport-PE 48 32 13 9 10 48 39 9 50.0
7  Bragantino-SP 48 32 13 9 10 53 48 5 50.0
8  Vitória-BA 47 32 13 8 11 48 42 6 49.0
9  Boa Esporte-MG 47 32 13 8 11 34 29 5 49.0
10  Paraná-PR 44 32 12 8 12 41 37 4 45.8
11  Grêmio Barueri-SP 44 33 12 8 13 41 46 -5 44.4
12  Guarani-SP 43 33 12 7 14 43 42 1 43.4
13  São Caetano-SP 43 32 10 13 9 51 45 6 44.8
14  Goiás-GO 42 32 13 3 16 43 48 -5 43.8
15  ABC-RN 42 32 10 12 10 40 44 -4 43.8
16  ASA-AL 41 32 11 8 13 37 47 -10 42.7
17  Icasa-CE 39 32 9 12 11 48 49 -1 40.6
18  Vila Nova-GO 30 32 7 9 16 28 42 -14 31.2
19  Salgueiro-PE 28 32 8 4 20 28 49 -21 29.2
20  Duque de Caxias-RJ 15 32 2 9 21 26 65 -39 15.6

 

33ª RODADA
25/10 – 20h30 Americana-SP 0 x 0 Criciúma-SC
25/10 – 20h30 Guarani-SP 3 x 0 Grêmio Barueri-SP
28/10 – 20h30 Salgueiro-PE x Vila Nova-GO
28/10 – 20h30 Portuguesa-SP x Ponte Preta-SP
28/10 – 20h30 Goiás-GO x Duque de Caxias-RJ
29/10 – 16h20 Boa Esporte-MG x Vitória-BA
29/10 – 16h20 ABC-RN x ASA-AL
29/10 – 16h20 Bragantino-SP x Icasa-CE
29/10 – 16h20 Paraná-PR x São Caetano-SP
29/10 – 16h20 Náutico-PE x Sport-PE

Por Cleber Aguiar – Valdívia é pego com “a boca na botija!…traindo a esposa !

Fonte: Globo.com

Valdivia x paparazzi

A temporada apagada de Valdivia no Palmeiras ganhou um ingrediente apimentado extracampo. Nesta quarta-feira, o jornalista Léo Dias, do jornal “O Dia”, publicou em sua coluna fotos do jogador chileno beijando uma mulher. O episódio aconteceu em São Paulo, no dia 04 de fevereiro, mas apenas agora as imagens vieram a público porque, ainda de acordo com a coluna, o jogador ameaçou o fotógrafo Grizar Júnior, e o caso foi parar na polícia.

No relato do jornal, o jogador, que é casado, correu na direção do paparazzo e pediu para que ele apagasse as fotos em troca de dinheiro. Não houve acordo, e Grizar Júnior registrou um Boletim de Ocorrência (B.O) na polícia paulista dizendo que foi ameaçado pelo atleta. Temendo por sua segurança, o fotógrafo ficou dois meses fora de São Paulo.

Coincidentemente, a mulher do apoiador, Daniela Aranguiz, escreveu no Twitter pouco mais de dois meses depois da data que “a maioria das mulheres brasileiras é piranha, maria-chuteira”.

Lembrando que Grizar Júnior foi quem flagrou Ronaldo Fenômeno, em 2009, deixando uma boate na Zona Sul de São Paulo por volta das 6h da manhã de uma sexta-feira. Poucas horas depois, Ronaldo teria um exame para avaliar a condição de seu joelho esquerdo.

Valdívia é pego com “a boca na botija!” Fotos: Grizar Júnior/Honopix

Por Cleber Aguiar – Entrevista com Emerson Leão.

Fonte: Globo.com

Mais calmo, Leão espera brilhar no São Paulo para valorizar o seu passe

Cansado de bancar o ‘salvador’, técnico diz que ficou mais seletivo, fala do momento ruim vivio por Lucas e admite que time precisa melhorar

Por Marcelo Prado Direto de Assunção, Paraguai

Emerson Leão no Paraguai (Foto: Marcelo Prado / Globoesporte.com)Leão reinicia sua trajetória no Tricolor nesta quarta
(Foto: Marcelo Prado / Globoesporte.com)

Até 2009, Emerson Leão foi sempre requisitados pelos clubes do alto escalão do futebol brasileiro. Nas últimas temporadas, no entanto, isso mudou de figura. Ele passou a ser rotulado como “bombeiro”, aquele que é chamado em situações emergenciais para salvar equipes do rebaixamento. Foi assim no Sport, onde trabalhou em 2009, e no Goiás, onde esteve no ano passado. Não teve sucesso – os dois times acabaram rebaixados no Brasileiro. E Leão se cansou dessa condição.

Aos 62 anos, esse paulista de Ribeirão Preto ficou os últimos 14 meses em casa. Sem grandes propostas, trocou o estresse da profissão pela tranquilidade de assistir a um jogo de futebol no conforto do sofá. Teve convites, mas recusou todos, sempre buscando iniciar um trabalho que pudesse lhe alavancar novamente a carreira. E ele chegou agora.

Leão reassumiu o São Paulo na mesma situação de 2004. Pega um time desacreditado, que está fora da zona da Libertadores e tem que, em pouco mais de um mês, dar uma virada de 180 graus, colocar o time na principal competição das Américas em 2012 e ainda, quem sabe, buscar um título em 2011, seja ele o Campeonato Brasileiro ou a Copa Sul-Americana. A chance foi dada. Leão sabe que, se tiver êxito, voltará a ser requisitado. Em caso de fracasso, talvez tenha de antecipar o plano de se aposentar daqui a três anos.

Esbanjando vontade, ele iniciou seu trabalho no Morumbi. Quem observa Leão, acha que não mudou em nada. As frases de efeito seguem fazendo parte do seu vocabulário. Respostas rápidas e pensamento definido também o acompanham a cada coletiva. Mas Leão está mais light. Hoje, diz que se arrepende de alguns erros do passado e que sabe que sua performance precisa render frutos para que o torcedor “mal-acostumado a títulos” possa voltar a sorrir.

Após comandar o treino do São Paulo no Paraguai, ele conversou com a reportagem do GLOBOESPORTE.COM. Contou como está preparado para a nova função, falou sobre o passado, a expectativa para o futuro e avisou: ainda tem muita lenha para queimar. Desde que seja em uma casa organizada e que possa lhe render novos títulos.

Veja a entrevista abaixo:

GLOBOESPORTE.COM – Ser sempre chamado em situações emergenciais é bom ou ruim? Você gosta de ser chamado de “bombeiro”, Leão?
Emerson Leão – Quando você se torna um referencial para decidir alguma coisa na parte de baixo da tabela, é claro que preocupa, porque às vezes você não consegue o seu objetivo e ainda não briga por títulos. Quando você é chamado como no caso de agora, não na outra ponta da tabela, mas com possibilidade de chegar lá, é para fazer o trabalho e ganhar título. Sem dúvida, é muito mais animador.

Você encara esse trabalho no São Paulo como um recomeço?
Não porque foi uma opção minha ficar parado. Tive alguns convites nesse período, mas prometi a mim mesmo que vou sofrer menos e por isso não aceitei. É mais ou menos como você falou na primeira pergunta. Agora é diferente, um convite do São Paulo você não pode recusar nunca em nenhuma circunstância. O padrão é alto por aqui.

Leão em entrevista coletiva no Paraguai (Foto: Marcelo Prado / GLOBOESPORTE.COM)Leão, em entrevista coletiva no Paraguai (Foto: Marcelo Prado / GLOBOESPORTE.COM)

Você disse que seria suicídio não aceitar a proposta do São Paulo. Ao mesmo tempo, encara esse novo trabalho como uma aposta para voltar a valorizar o seu passe?
O que posso dizer é que favores como fiz para Goiás e Sport eu não faço mais. Tem hora que você precisa saber o que quer. Agora é diferente. Um convite do São Paulo é sempre agradável porque lhe traz status e responsabilidade que lhe obrigam a estar sempre atualizado.

Ser chamado de “solução emergencial” pelo presidente Juvenal Juvêncio é algo que lhe incomoda?
Pelo contrário, só mostra que ele precisava desesperadamente desse tipo de pessoa.

O rótulo de linha dura, disciplinador, vai de encontro ao que o São Paulo precisa nesse momento?
Eu trabalho há 47 anos no esporte e sou fruto do futebol, aprendi muito com vários treinadores, procurei pegar o melhor de cada um deles. A melhor coisa é não ser linha dura no futebol. Porque, quando chega esse momento, é porque algo não está certo. E aí você tem que tomar atitudes. Eu só não tenho medo de toma-las. O mais importante é ser tranquilo, ter um grupo de trabalho que responde ao seu trabalho e aí você não precisa abusar da sua autoridade. O grupo do São Paulo é de muita qualidade e isso ninguém discute. Mas que eles precisam mostrar isso, é uma realidade.

Nesses 47 anos de profissão, você conquistou títulos, disputou Copa do Mundo como jogador. Depois, virou treinador, foi campeão novamente, perdeu disputas importantes, apanhou em campo e sentiu o prazer e a decepção de treinar a Seleção Brasileira. Como após tanto tempo você consegue ver prazer na profissão, já que está pensando em esticar sua carreira por mais três anos?
Simples. As alegrias e as emoções na carreira são muito maiores e isso te faz continuar. É claro que tive decepções, mas acho que mais em episódios covardes, que não foram feitos individualmente e sim em grupos. Acho que ainda consigo ajudar a dignificar a classe de treinador.

Emerson Leão no Paraguai (Foto: Marcelo Prado / Globoesporte.com)Leão sabe que terá pouco tempo para colocar o time na linha (Foto: Marcelo Prado / Globoesporte.com)

O Leão volta ao mundo do futebol mais calmo? Mais experiente é mais fácil de perceber o quê e quando você errou no passado?
É claro que eu errei no passado, mas têm coisas que fazemos acompanhado da idade. Você erra e só depois vai entender que errou. O mais importante é que quando você tem convicção de que errou, sabe que precisa ter atitude e reparar esse erro. Com o passar dos anos, você vai virando um arquivo vivo. Cada momento que acontece, você busca no baú, vê o que aconteceu, como foi lidado com a situação para fazer diferente e não errar mais.

É mais difícil trabalhar com jogador que tem deficiência técnica, tática ou de comportamento?
De comportamento. Porque se o vício for antigo, dificilmente você vai conseguir reparar. Mas não percebi isso no grupo do São Paulo.

O torcedor do São Paulo não aceita mais resultados negativos”
Emerson Leão

Com a experiência de quem trabalhou com Diego e Robinho no Santos, como você vê o momento atual do Lucas?
Sem dúvida, é mais fácil trabalhar quando o garoto reconhece que não está bem. Mas temos de mudar esse pensamento. É natural o que ele está enfrentando. Isso também aconteceu com o Robinho, ele sentou comigo por dois jogos no banco e tudo melhorou. Nesse exato momento, você entra com bom senso para corrigir da melhor maneira.

Após sete anos longe, como você vê o momento do clube?
Vejo um São Paulo que prosperou muito, que adquiriu um status invejável e que tem hoje uma torcida que não aceita mais resultados negativos. Por isso, tem sempre de estar se tornando múltiplo, se modificando em busca dos melhores jogadores. O torcedor do São Paulo ficou “bem acostumado” a títulos e por isso, tenho de manter o padrão.

Por Cleber Aguiar – Trintões driblam a falência e vão ao topo

Fonte: Folha de São Paulo

Levante
Levante Unión Deportiva, S.A.D. logo.svg
Full name Levante Unión Deportiva, S.A.D.
Nickname(s) Granotes (Frogs)
Founded 1909
Ground Ciutat de València,
Valencia, Spain
(Capacity: 25,534)
Chairman Quico Catalán
Manager Juan Ignacio Martínez
League La Liga
2010–11 La Liga, 14th

Com time de veteranos, Levante cresce depois de entrar em concordata e ameaça os gigantes

O clube-sensação da Europa acabou de sair de um processo de falência, tem um elenco de trintões pouco conhecidos que bebem na véspera das partidas e comemoram as vitórias com pizza.
Em um país cujo futebol se divide entre duas potências, é o Levante que tem deixado a Espanha de boca aberta.
O segundo time de Valencia, terceira maior cidade do país, defende hoje, contra a Real Sociedad, a liderança do Espanhol, perdida com o 1 a 0 do Barcelona, gol de Xavi, sobre o Granada ontem.
A primeira posição vale muito não só por superar Barcelona e Real Madrid, dois dos clubes mais ricos e vencedores do mundo. Mas também por sua história.
Em 102 anos de existência (sete na primeira divisão), o Levante nunca havia liderado o Espanhol e nem emendado seis vitórias consecutivas -a sequência inclui triunfo sobre o Real Madrid.
Há dois anos, quase fechou as portas. Afundado em dívidas, passou a ser administrado por um interventor cujo objetivo era pagar as contas.
Assim, o clube, dono do menor orçamento do Espanhol (€ 20 milhões por ano), encheu seu elenco de veteranos contratados a custo zero.
A média de idade dos titulares (31,2 anos) é a maior da liga. E, com raras exceções, como o volante Farinós (ex-Inter de Milão) e o lateral esquerdo Del Horno (ex-Chelsea), esses trintões não têm um passado de grandes clubes e títulos de expressão.
O capitão Ballesteros, 36, que anulou Cristiano Ronaldo, passou parte da carreira no Tenerife ou no Mallorca.
O técnico também é uma mostra da política de vacas magras. Juan Ignacio Martínez, 47, é estreante na elite. Faz pouco tempo, vendia livros escolares e seguros para completar o salário que recebia nas divisões inferiores.
Sem estrelas ou apostas de futuros craques, o time só encontra uma explicação para o sucesso e a invencibilidade após oito rodadas: a descontração que une o elenco.
Os jogadores repõem as energias com pizza e paella depois de cada partida. A cerveja também está liberada.
“[A liderança] é uma piada, mas vamos defendê-la com a morte”, declarou o meia Valdo. (RAFAEL REIS)

ICFUT – Copa Sulamericana 2011

Oitavas-de-final

1ª RODADA
28/09 – 19h15 LDU-ECU 2 x 0 Independiente-ARG
29/09 – 19h15 Olimpia-PRY 0 x 0 Arsenal-ARG
29/09 – 21h30 Godoy Cruz-ARG 1 x 1 Universitario-PER
29/09 – 21h30 Botafogo-BRA 1 x 1 Santa Fe-COL
5/10 – 19h15 Universidad Católica-CHL 0 x 2 Vélez Sarsfield-ARG
5/10 – 21h50 Aurora-BOL 3 x 1 Vasco da Gama-BRA
19/10 – 21h50 Flamengo-BRA 0 x 4 Universidad do Chile-CHL
19/10 – 21h50 São Paulo-BRA 1 x 0 Libertad-PRY
2ª RODADA
12/10 – 21h15 Independiente-ARG 1 x 0 LDU-ECU
19/10 – 19h10 Arsenal-ARG 3 x 2 Olimpia-PRY
20/10 – 20h15 Vélez Sarsfield-ARG 1 x 1 Universidad Católica-CHL
20/10 – 22h45 Universitario-PER 1 x 1 Godoy Cruz-ARG
25/10 – 22h10 Santa Fe-COL 4 x 1 Botafogo-BRA
26/10 – 19h10 Vasco da Gama-BRA x Aurora-BOL
26/10 – 21h50 Universidad do Chile-CHL x Flamengo-BRA
26/10 – 21h50 Libertad-PRY x São Paulo-BRA

Santa Fé (COL)  4×1 Botafogo (BRA)

Cachorro dá show no jogo

Por Cleber Aguiar – Maurine supera dor, faz gol e garante o Brasil na briga por ouro no futebol feminino

Fonte: Meionorte.com.br

O Brasil começou a partida tomando a iniciativa do ataque, sem se importar com a torcida mexicana

Maurine supera dor, faz gol e garante o Brasil na briga por ouro no futebol feminino Jogadoras da Seleção comemoram com Maurine o gol da vitória sobre o México (Foto Divulgação)

Desde a noite do último domingo, quando a Seleção Brasileira feminina recebeu a notícia da morte do pai de Maurine, criou-se a expectativa de como o grupo reagiria. Mas as jogadoras transformaram o luto em motivação. E foi exatamente a lateral-direita a autora do gol que deu a vitória do Brasil por 1 a 0 sobre o México, nesta terça-feira, no Estádio Omnilife, garantindo a classificação para a final do torneio de futebol dos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara.

 A equipe comandada por Kleiton Lima vai brigar pelo ouro na quinta, enfrentando o adversário da outra semifinal, entre Canadá e Colômbia. Nesta terça, a Seleção entrou em campo usando uma fita preta como símbolo do luto por Brasil, nome do pai de Maurine.

O Brasil começou a partida tomando a iniciativa do ataque, sem se importar com a torcida mexicana que ainda chegava ao estádio. A equipe trocava bons passes, mas sem ameaças consistentes ao gol adversário. Mas com o passar do tempo, o México recuperou o terreno e, aproveitando os muitos erros de passe da Seleção, passou a dominar o jogo.

O México levou sufoco em duas bolas cruzadas, sendo que uma delas obrigou Francielle a subir e salvar de cabeça, com a goleira Bárbara fora do lance. Com uma transição rápida da defesa para o ataque, o time da casa chegava com perigo. Apenas na etapa final do primeiro tempo as brasileiras apresentaram melhor volume de jogo.

Em meio a muitos chutes errados de fora da área, o Brasil teve duas oportunidades, ambas em cruzamentos pela direita. No primeiro, a zaga tirou antes que Débora colocasse a cabeça na bola. Na segunda, Maurine tocou com perfeição para Rosana, que, livre, cabeceou para a defesa da goleira Aurora Santiago.

Em poucos minutos, o segundo tempo teve mais emoção do que toda a primeira etapa. E, melhor em campo, o Brasil protagonizou a maioria. Depois de Formiga acertar o travessão num chute de fora da área, foi a vez de a Seleção ter um gol legítimo anulado pela árbitra cubana Irasema Aguilera. Aos 19 minutos, Formiga cobrou escanteio e a bola tocou no travessão. Bagé empurrou para o gol, mas a arbitragem assinalou que a bola havia saído.

Logo que a bola foi reposta, o México armou um contra-ataque que deixou Bárbara frente a frente com Samarzich. Mas a goleira brasileira saiu com precisão nos pés da atacante e defendeu. Embalado pelo domínio ofensivo, o Brasil teve uma boa chance com Tânia Maranhã de cabeça, obrigando Santiago a fazer boa defesa.

Na base da empolgação da torcida, que gritava “Si, se puede”, o México foi para cima do Brasil, mas deixou espaços. Numa saída rápida para o ataque, após cruzamento de Maicon pela esquerda, a bola passou por toda a área e chegou até Maurine, que se esticou para completar para o gol, abrindo o placar para a Seleção aos 33 minutos.

Com a vantagem, o Brasil passou a administrar a partida, aproveitando o desespero do México. Sem se afobar, o time de Kleiton Lima controlou a bola até o apito que garantiu a vaga na final do Pan.