ICFUT – Ronaldinho é o destaque do Brasil contra Gana

Fonte: lancenet

Atacante foi campeão Mundial sub-17 em 1997, após vencer o adversário do amitoso desta segunda-feira na final

De volta à Seleção Brasileira após quase um ano fora e chamado por Mano Menezes para liderar a equipe até a Copa de 2014, Ronaldinho Gaúcho, em 2011, completa 14 anos desde seus dois primeiros títulos pelo Brasil. E, coincidentemente, o primeiro título do jogador a nível mundial foi exatamente contra Gana, adversário de hoje, em Londres.

O ciclo do atacante com a camisa amarelinha se iniciou oficialmente em 1997, quando ele foi convocado pelo técnico Sérgio Farias para a disputa do Sul-Americano e do Mundial da categoria Sub-17. Ronaldinho já havia feito dois amistosos pela Seleção sub-15 contra Inglaterra e Escócia anteriormente.

A estreia em competições oficiais pelo Brasil, porém, aconteceu antes mesmo de ele jogar pela primeira vez no profissional do Grêmio, em 1998.

– Era um jogador que conhecíamos da sub-15, mas que disputaria as primeiras competições naquele ano. Já mostrava muito talento e era carismático. Foi o nosso camisa 10 na competição – contou Sérgio.

O Brasil foi campeão sul-americano e, depois, no Egito, com seis vitórias em seis jogos, a Seleção conquistou o Mundial sobre Gana. Ronaldinho foi titular durante toda a campanha, atuou durante 491 minutos e marcou dois gols, ambos de pênalti. Ao fim da competição, foi apontado na lista dos dez melhores jogadores do Mundial.

– Para mim, foi o melhor, sem dúvida. Ele estava bem acima dos outros. Jogava como meia-atacante. Não fez muitos gols, mas tinha muita participação. Até me surpreendo com a condição de ele ser artilheiro do Flamengo este ano – ponderou o treinador.

Capitão do Flamengo, Ronaldinho, apesar da confiança depositada por Mano Menezes, não envergará a braçadeira de capitão no amistoso em Londres. Aposta do treinador da Seleção para o Mundial no Brasil, Ronaldinho não é visto pelo responsável por sua primeira oportunidade no
Brasil como um líder:

– Ele tem um carisma muito grande, mas não tem esse perfil. Tomara que volte bem ao Brasil.

Neste domingo, o treinador da Seleção reiterou sua confiança no Dentuço.

– A presença dele não é temporária, mesmo com idade avançada. Ele está bem no clube, por isso o trouxemos. Uma juventude promissora precisa ter um jogador de referência – disse Mano, em entrevista coletiva.

Causos de Ronaldinho na Seleção sub-17

Quando se apresentou à Seleção para o Mundial, o irmão e agente Assis foi quem levou o jogador até a Granja Comary. A educação do atacante foi elogiada por Sérgio Farias: "Ele perdeu o pai novo e foi criado pela mãe e por Assis. Sempre foi um menino muito educado e humilde.
Não dava trabalho nesse sentido."

Depois do título do Mundial sub-17, Ronaldinho liderou as comemorações: "Fomos comemorar nas esfinges, ao lado das pirâmides. Ele era o
representante da turma do pagode."

A situação aconteceu em amistoso do Brasil contra Holanda: "Fomos passear em uma rua famosa lá em que as mulheres ficam nas vitrines.
Tinha um jogador evangélico que tampava os olhos para não ver e Ronaldinho ficava brincando. Tiraram foto das mulheres e era proibido"

Previsão de Assis acertada

Uma semana antes do início dos treinos para o Mundial, a lista dos convocados já estava definida. Nessa mesma época, o Vasco treinava na Granja Comary. O supervisor do clube, Nilson Gonçalves, que também era da Seleção, esteve com Assis, irmão de Ronaldinho e foi avisado de que a 10 seria bem representada.

– Ele falou ao Nilson assim: "Se vocês acham que eu sou bom, isso é porque não viram meu irmão" – contou Sérgio Farias.

Bom salário após o título

A boa participação e o título do Mundial Sub-17 do Egito renderam uma boa gratificação a Ronaldinho no retorno ao Grêmio.

– Quando ele voltou da Seleção fizeram um novo contrato e ele passou a ganhar cerca de R$ 70 mil. Era um valor muito bom, considerando
a idade – contou Sérgio Farias.

O primeiro jogo do Gaúcho pelo profissional do Grêmio foi em 17 de janeiro de 1998, contra o Serrano. O Tricolor venceu por 3 a 0.

Ronaldinho titular, e Gana desfalcada

No amistoso desta segunda, às 15h45, Ronaldinho deve ser titular, assim como Neymar, Ganso e Leandro Damião, que formam com o Dentuço o quarteto ofensivo treinado por Mano nos últimos três dias.

A seleção de Gana tenta sua primeira vitória sobre o Brasil sem seus principais jogadores. O volante Essien, do Chelsea, sofreu uma lesão nos ligamentos do joelho no início da pré-temporada e teve de passar por uma cirurgia. Já o atacante Gyan sofreu uma contusão muscular na coxa na partida contra a Suazilândia, pelas Eliminatórias da Copa das Nações Africanas, na sexta-feira, e vai começar a partida no banco.

FICHA TÉCNICA:

BRASIL X GANA

Estádio: Craven Cottage, Londres (ING)
Data/hora: 05/09/2011 – 15h45 (de Brasília)
Árbitro: Mike Dean (ING)

BRASIL: Julio Cesar, Daniel Alves, Lúcio, Thiago Silva e Marcelo; Lucas e Fernandinho; Neymar, Ganso e Ronaldinho; Leandro Damião. Técnico: Mano Menezes.

GANA: Kwarasey, Pantsil, Jonathan Mensah, Vorsah e Opare; Derek Boateng e Agyemang-Badu; Adiyiah, André Ayew e Muntari; Tagoe. Técnico: Goran Stevanovic.

Por Cleber Aguiar – Copa cria polêmica sobre revisão tarifária de elétricas

Fonte: Valor Econômico

O governo identificou, a partir de estudo conduzido por uma força-tarefa que teve a participação de empresas concessionárias do setor elétrico, a necessidade de investimento adicional, no montante de R$ 4,7 bilhões, para assegurar que, durante a realização da Copa do Mundo de 2014, não ocorram blecautes ou imprevistos no suprimento de energia nas 12 cidades-sede do evento.

Os recursos sairiam dos cofres das próprias empresas, principalmente, das distribuidoras de energia, mas uma medida em estudo na Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) ameaça reduzir, segundo empresas do setor, o fluxo de caixa das companhias nos próximos anos. As companhias falam em comprometimento das condições para tomada de financiamentos e, por consequência, dos investimentos necessários à Copa.

O trabalho da força-tarefa procura atender os critérios adicionais de segurança exigidos pela Federação Internacional de Futebol (Fifa). A entidade requer, por exemplo, que os estádios recebam energia elétrica de pelo menos duas fontes distintas. Durante os jogos e sua transmissão pela televisão, os estádios e centros de imprensa serão atendidos também por geradores próprios e especiais, exclusivos para essas finalidades.

Pelo menos quatro cidades-sede, dentre as maiores do país – São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Curitiba -, terão que fazer obras para atender à demanda da Fifa quanto à segurança energética. O relatório produzido pela força-tarefa traz, no total, 26 recomendações, que incluem: a agilização dos processos de outorga de concessão das linhas de transmissão consideradas “estratégicas” para a Copa; a possibilidade de antecipação das revisões tarifárias de distribuidoras pela Aneel; e a manutenção de estoques de combustível para uso emergencial em geração térmica durante o evento.

Os investimentos identificados pela força-tarefa não compreendem as obras já previstas pelas concessionárias em decorrência do crescimento da economia, promovido direta ou indiretamente pela Copa do Mundo. Especialistas calculam que apenas a inauguração de 200 novos hotéis nas cidades-sede acrescentará ao sistema elétrico demanda equivalente a uma cidade com 100 mil habitantes. A estimativa toma como base que cada hotel terá cerca de 100 quartos, com potência média de 5 kilowatts (kW).

A preocupação das empresas diz respeito ao terceiro ciclo de revisão tarifária formulado pela Aneel. Essas revisões, realizadas desde as privatizações de distribuidoras e transmissoras, são feitas a cada quatro ou cinco anos, a depender da empresa. O objetivo da Aneel é introduzir, na fixação dos parâmetros para cálculo das tarifas, ganhos de produtividade do setor e também da economia brasileira (cujo risco de crédito, por exemplo, caiu de forma significativa nos últimos anos), levando em conta as taxas de retorno para o investimento.

O custo médio ponderado do capital, conhecido pela sigla WACC e que indica em linhas gerais a taxa de retorno da concessão, chegava a 11,25% no primeiro ciclo. No segundo ciclo de revisão tarifária, para o período entre 2007 e 2010, essa taxa caiu para 9,95%. Ao apresentar as regras do terceiro ciclo, a Aneel sugeriu um índice de retorno regulatório de 7,15% e, depois, elevou-o para 7,57%.

As empresas concordam que o novo índice seja menor que o anterior, mas acham que a Aneel não está considerando a existência de risco regulatório. Em estudo encomendado pela Abradee, entidade que reúne as distribuidoras, a LCA Consultores estima o risco regulatório em 0,9%. Isso já elevaria o WACC imediatamente em 0,43 ponto percentual. A Aneel teria utilizado, em seus parâmetros, o melhor rating do setor elétrico para o cálculo do custo de captação, desconsiderando as taxas pagas individualmente pelas distribuidoras ao buscar crédito.

As distribuidoras alegam que essas regras inviabilizam o levantamento dos recursos necessários aos investimentos para a Copa. Provavelmente, trata-se de um exagero, afinal, essas companhias, com exceção das federalizadas pela Eletrobrás, acumularam desde a privatização taxas anuais de retorno superiores a 10% ao ano. Em geral, estão capitalizadas e prontas para atender a demanda por investimentos. Apesar disso, cabe ao governo e à Aneel analisar as reivindicações para evitar surpresas no futuro.

Por Cleber Aguiar – Manchester pode inspirar onda de IPOs no futebol

Fonte: Folha de São Paulo

O exemplo do Manchester United, que deve fazer seu IPO na Bolsa de Cingapura até o fim de 2011, pode gerar uma onda de profissionalização e abertura de capital no futebol? Apesar da resistência de boleiros ao mercado financeiro, especialistas defendem um placar diferente.
“Seria uma solução para os clubes profissionalizarem a gestão e implantarem uma boa governança”, diz Marcelo Kayath, corresponsável pelo banco de investimento do Credit Suisse no Brasil. O banco é o coordenador global da operação do Manchester.
Um candidato a presidente de um dos 12 grandes times do país pretendia fazer o IPO do departamento de futebol, mas não se elegeu. Como a receita com a venda de jogadores varia muito, seriam usadas fontes mais estáveis, como a comercialização de ingressos e produtos do time.
Antes do IPO, clubes têm de fazer uma reformulação jurídica e societária, o que não é bem-visto por sócios, diz Eduardo Carlezzo, especialista em direito esportivo.
“Seria uma nova via de investimento para o torcedor, mas a ideia nunca passa no Conselho Deliberativo.”
Especialistas dizem que o IPO desagrada pessoas que estão no poder nos clubes, mas que essa dificuldade pode ser contornada.
“O dirigente pode manter o controle, com 51% do capital e 49% na Bolsa. E a operação deve ser ‘à la Vale’, em que sócios compram com desconto”, diz Kayath.

Por Cleber Aguiar – Curiosidades dos distintivos de SP

Fonte: O Estado de São Paulo

Por que o uniforme do Juventus (reproduzido ao lado) é grená? Por que o distintivo da Portuguesa de Desportos ostenta uma cruz? Quem desenhou o escudo do Corinthians? Qual a explicação para as oito estrelas do símbolo do Palmeiras? E as duas estrelas amarelas no topo do distintivo do São Paulo?

Esses cinco clubes paulistanos – e suas histórias – estão entre os 358 presentes no recém-lançado livro Os Distintivos de Futebol Mais Curiosos do Mundo, de autoria do geógrafo Luiz Fernando Bindi e do engenheiro e jornalista José Renato S. Santiago Jr.

Vamos às explicações. O clube da Mooca foi fundado pela empresa de um imigrante italiano, Rodolfo Crespi. A ideia era homenagear a cidade de Turim – por isso, Juventus: homônimo de um grande clube de lá. A cor grená homenageia o outro time da cidade italiana, o Torino. A cruz verde no centro do distintivo da Portuguesa é o símbolo de uma ordem de cavaleiros portugueses – a Ordem de São Bento de Avis. O escudo do Corinthians foi desenhado pelo ex-jogador (e artista plástico) Francisco Rebolo Gonsales.

As oito estrelas do Palmeiras aludem ao mês de agosto, quando o clube foi fundado. As duas estrelas amarelas do distintivo do São Paulo homenageiam os recordes mundiais no salto triplo do paulistano Adhemar Ferreira da Silva.

Por Cleber Aguiar – Vá jogar assim lá no campinho da várzea

Fonte: O Estado de São Paulo

Os peladeiros se profissionalizaram. E a Copa Kaiser movimenta hoje até 100 campos da metrópole e mil times. Conheça a história de quatro deles, de norte a sul da cidade

Flávia Tavares – O Estado de S.Paulo

Eram 9h de um domingo sem graça e chuvoso e a laje do Sérgio, na periférica Vila Guacuri, já estava repleta. A movimentação e a ansiedade da diretoria se justificavam: o jogo das 13h era decisivo. O Pioneer (a pronúncia é piôner), campeão invicto de 2010, enfrentaria o Jardim das Palmas no campo do Anhanguera, em Santo Amaro, para permanecer na disputa do título da Copa Kaiser. Pode parecer banal para quem está acostumado com Paulistão, Brasileirão, Libertadores, Mundial, mas o campeonato, em sua 14.ª edição, movimenta até 100 campinhos de várzea por fim de semana e quase mil times entre a série A, a B e o acesso. Esse universo da bola que não dá manchete virou alvo da Expedição Metrópole.

 - Epitacio Pessoa/AE
Epitacio Pessoa/AE

A garoa e o friozinho não esvaziaram o campo do Anhanguera. Senhores, homens, meninos e algumas poucas mulheres – as que não quiseram ficar em casa zangadas com seus maridos – tomavam sua cervejinha enquanto esperavam pelo jogo. Na casa de Sérgio Ricardo Silva, de 34 anos, presidente do Pioneer há 15, no limite com Diadema, a diretoria cuidava dos últimos preparativos. (A laje de Sérgio nem é a sede do Pioneer, que fica no Bar do Bagaço e tem sua subsede no Samba da Biquinha.)

Diretoria peculiar a dos times de várzea. No Pioneer, que completou 30 anos em junho, são 17 dirigentes. Fu e Bigode são diretores dos kit-lanche, distribuídos aos jogadores, com bombons, uma mexerica e bolachas, consumidos antes mesmo de o jogo começar. Axé e Fu são também responsáveis pelo busão que leva a torcida da comunidade ao campo e pelos cartazes no alambrado.

Silva é o cartola-mor. Extracampo, ele é sócio de uma empresa que administra restaurantes de museus e teatros de São Paulo, como o Masp, a Sala São Paulo e o Teatro Municipal. É daí, garante, que sai a verba para sustentar o Pioneer, hoje um dos times com mais estrutura da várzea paulistana. “Para sermos campeões em 2010, investi, por baixo, R$ 150 mil.” Campeões invictos e ainda levaram o título nacional, disputado em Belo Horizonte. “Decidi que seríamos campeões e corri atrás”, diz Sérgio, corintiano pleonasticamente fanático.

Da extrema zona sul à norte, num boteco sem nome na Freguesia do Ó, o miúdo seu Juca vende pacotinhos de Ebicen e doses de Cynar e quase desaparece entre os troféus do Danubio, um dos mais tradicionais da cidade. Seu Juca, ou Joaquim Marques, de 70 anos, é o presidente de honra do clube. Nascido em Pera do Moço, na Guarda, em Portugal, veio para o Brasil em 1950, aos 11 anos, e mudou-se com a família para a Freguesia. Quando o Danubio foi fundado, em 1968, passou a jogar pelo clube.

Seus filhos, Renato, Ricardo, Ronaldo e Rogério, comandam o clube, que foi campeão da série A em 2007 e da B em 2010. Os quatro trabalham em uma empresa de ônibus e investem até R$ 10 mil por mês na várzea. “Distribuímos 300 lanchinhos por jogo, tanto para os jogadores quanto para a comunidade”, conta seu Juca, que, patrioticamente, torce para a Portuguesa. A grana vem também da venda das camisas azul e branca, a R$ 50. A grande rivalidade é com o Vida Lôka, do Jd. São Luís, zona sul. Ao contrário de quando seu Juca começou, o Danubio hoje tem apenas quatro jogadores da vizinhança – os outros são contratados e recebem entre R$50 e R$100 por partida. “A várzea hoje é muito disputada, a gente teve de se profissionalizar”, justifica seu Juca, no balcão que é ponto de encontro da vizinhança.

A Copa Kaiser premia com latinhas de cerveja e divide os times por zonas em suas primeiras fases. Pioneer segue na briga pela zona sul; Danubio já caiu pela oeste. E lá num canto da leste, num terrão desses que ilustrariam o termo num dicionário, cercado por favelas, o Boa Esperança, bicampeão da série A em 1996 e 2000 e campeão da B em 2009, já foi eliminado e segue o ano apenas mantendo sua escolinha para 120 meninos da comunidade. “Somos um time operário. Pago a chuteira de uns jogadores, a gasolina de outros, é tudo no amor”, explica Alberto de Almeida Sena, o Betão, de 37 anos, técnico do clube desde 1996.

Eles perderam seu campo para uma Cohab que será construída na área e ganharam outro da Prefeitura ao lado de um córrego e ainda sem alambrado. Com pouco dinheiro e, por isso, com um time com 50% dos jogadores da região, ficou difícil. “Levantamos a cabeça e vamos esperar as próximas copas”, diz Betão, também corintiano, assim como os fundadores do clube, criado em 1981.

Verba. É delicado falar em patrocínio e verba na várzea. O senso comum é de que o tráfico de drogas alimenta vários clubes – e todo mundo já ouviu falar de algum que recebe dinheiro do crime, mas não o seu time. “Aqui não tem disso, não”, garante Nilton Amorim, de 39 anos, palmeirense, fundador e presidente do Leões da Geolândia, da zona norte, sentado sob a pichação “A boca é nossa” na parede de sua padaria. O Leões revelou jogadores como Elias (ex-Corinthians) e Vágner Love (ex-Palmeiras) e também já caiu fora da Copa Kaiser. É um dos caçulas da competição, foi fundado há 11 anos, depois que o médico recomendou a Nilton que jogasse futebol de salão para melhorar de sua bronquite. “Melhorei, fui para os campinhos e montei o Leões”, lembra.

O Leões é a prova de que aquela ideia de que na várzea estão os pernas de pau não é tão exata. Nem todos viram Elias ou Vágner Love, mas ela também tem seus craques. O Porpeta, goleiro do Danubio, foi o menos vazado em 2007 e 2010. O França, do Pioneer, é vice-artilheiro da atual edição. O Boa recentemente negociou o garoto Matheus, de 13 anos, cuja mãe é cega e o pai está desempregado. E assim vai.

Se é incontestável que a Copa Kaiser profissionalizou a várzea – muitos dos campinhos nem de terrão são mais -, é difícil imaginar que a efervescência entre os amadores diminua. “A várzea mesmo, aquela mais pegada, não morre, porque sempre vai ter um time que quer chegar à Copa Kaiser, brigando nos campeonatos regionais”, acredita Nilton. E porque, convenhamos, sempre vai haver um grupo de marmanjos dispostos a bater uma bola no fim de semana. Em tempo: o Pioneer venceu o jogo por 4 a 1.

ICFUT – Musa argentina afirma que argentino Tevez "é quase um símbolo sexual"

Fonte: futebolinterior

Em entrevista ao jornal argentino Olé, a musa disse que Tevez a encanta pelo jeito "macho"

Ex-atacante do Corinthians, o argentino Carlitos Tevez não vive boa fase dentro de campo, mas fora dele tem batido um bolão. Pelo menos com a musa argentina Vanina Escudero, modelo e atriz e casada com o humorista uruguaio Alvaro Navia. Em entrevista ao jornal argentino Olé, a musa afirma que Tevez a encanta pelo jeito "macho", e disse que o atacante é "quase um símbolo sexual".

"Não gosto de homem que faz uma superprodução e que olha no espelho mais do que eu. Se fosse meu marido, eu me preocuparia. O homem tem que ser macho, e ser macho não tem nada a ver com depilação. Hoje você vê um jogo e parece um salão de cabeleireiro. Tevez me encanta, ele melhorou sua imagem e quase se tornou um símbolo sexual, mas transcendeu a sua imagem porque tem coisas que vão além. Ele é um doce", declarou Vanina.

A musa ganhou destaque em seu país no ano passado ao participar do “Bailando por un Sueño”, o "Dança dos Famosos" portenho. Ela sofreu uma queda e bateu a cabeça indo parar no hospital, mas felizmente não teve nada mais grave. Vanina Escudero participou do programa novamente neste ano dançando ao lado de sua irmã, Silvina, com quem protagonizou um ensaio sensual.

0002047931833_img

0002047931831_img

Veja mais fotos

ICFUT – LNET! revela detalhes da festa do 1000º jogo de Ceni

Fonte: lancenet

Entre as atrações, brindes para os torcedores e camisa comemorativa. Se o São Paulo vencer, dormirá na liderança

Ingressos à venda para o milésimo jogo de Rogério Ceni Clube lançou logomarca em homenagem aos 1000 jogos (Foto: Divulgação)

Depois da vitória sobre o Figueirense, no sábado, o São Paulo viu neste domingo todos seus concorrentes ao título tropeçarem. Com isso, se manteve em segundo lugar. De quebra, se vencer o Atlético-MG na quarta-feira, vai dormir na liderança. Daí, é secar novamente Vasco e Corinthians, que só jogam no dia seguinte, para seguir na ponta.
E o confronto diante do Galo será especial para nação tricolor. Quando entrar em campo, Rogério Ceni, maior ídolo da história do clube, completará mil jogos com a camisa que lhe rendeu tantas glórias. Isso no mesmo dia em que fará 21 anos que foi contratado. Para que a festa seja perfeita, o departamento de comunicação e marketing tem se reunido constantemente. O útimo encontro será hoje à tarde. Mesmo assim, algumas atrações já estão confirmadas para o dia (veja mais detalhes no quadro abaixo).
A expectativa é que mais de 40 mil torcedores estejam no Morumbi para o duelo das 16h, marcado em um feriado nacional (Independência do Brasil). Anteriormente, a partida aconteceria na quinta, mas o clube pediu antecipação e foi atendido pela CBF. Ontem, 6.800 entradas foram comercializadas.
Mas Rogério não está só motivado pela festa. O capitão, após vitória sobre o Figueirense, deixou claro que é preciso vencer em casa.
– A festa significa muito, especialmente para o torcedor. São 21 anos no clube e é muito difícil de isso acontecer. Mas a festa só será completa com vitória, com os três pontos. Se não ganharmos, não vai adiantar nada. A torcida quer ver o Morumbi cheio – afirmou o camisa 1.
Para cada torcedor que for ao Morumbi, o São Paulo vai entregar uma réplica do ingresso, uma bandeira e uma faixa de capitão personalizada. Além disso, poderá acompanhar outras atrações e homenagens antes de a bola rolar. Se o foguetório pelo centésimo durou dez minutos em Barueri, quarta-feira será maior.
– Vai durar mais tempo ainda. Será uma homenagem emblemática, que todo mundo vai gostar. Mas temos que lembrar que é mais um jogo do Brasileiro, e precisamos vencer – afirmou o diretor de marketing do Sampa, Rogê David, ao LANCENET!.
A festa já está armada no Morumbi. Para que fique completa, o São Paulo precisa vencer o Atlético-MG. Rogério Ceni vai agradecer.
AS ATRAÇÕES DA FESTA
Início
A expectativa é que o estádio receba mais de 40 mil pessoas. As ações vão começar no Morumbi às 14h.
Recepção
Mil crianças vão recepcionar o ídolo dentro de campo. Elas vão acompanhar Rogério da saída do túnel do vestiário até o meio do campo.
Presente
Os torcedores serão presenteados. Além de uma réplica do ingresso, vão ganhar bandeira e braçadeira de capitão, personalizada com a logomarca do mil jogos.  
Camisa
Ceni pediu para Reebok e foi atendido. O goleiro vai usar uma camisa retrô, que levará seu nome, além de outros detalhes em homenagem aos mil jogos. A mesma, no dia seguinte, estará à venda.  
Telão
O clube estuda a possibilidade de divulgar imagens do capitão antes da partida, além de transmitir a festa.

ICFUT – Luis Alvaro e pai de Neymar negam acerto com Barcelona

Fonte: lancenet

Presidente do Santos garante que não negocia com time catalão e pai da Joia desmente rompimento com Wagner Ribeiro

Neymar - Santos (Foto: Ivan Storti) Segundo reportagem do JT, Barça estaria disposto a pagar R$139,5 milhões (Foto: Ivan Storti)

O presidente do Santos, Luis Alvaro Ribeiro, e o pai de Neymar negaram a informação de que o craque santista já acertou um contrato para defender o Barcelona (ESP) a partir de 2013, como publicou o Jornal da Tarde, neste domingo. De acordo com o diário, o valor da negociação seria de R$139,5 milhões.
– Isso não existe, é mentira. O Neymar é do Santos, não existe nenhum interesse em vendê-lo – afirmou o mandatário alvinegro.
– Ele continua respeitando o contrato com o Santos. O presente dele é no Brasil, no Santos. Não existe isso de fazer contrato para daqui um ano ou pré-contrato. Qualquer decisão seria precipitada. Ele vai respeitar o contrato com o Santos. Só vai sair para fazer história em outra grande equipe – disse Neymar da Silva Santos, pai do camisa 11 do Peixe, que está em Londres para acompanhar o filho no amistoso da Seleção Brasileira contra Gana, hoje, às 15h45.
Ele também negou que Neymar tenha rompido com o empresário Wagner Ribeiro, que, segundo a reportagem, foi deixado de lado na negociação com o clube catalão.

– O Wagner ainda é empresário do Neymar, que é jogador dele e meu filho. Nada mudou – garantiu.

ICFUT–BRASILEIRÃO SÉRIE A: Resultados 04/09/2011, Gols, Notícias e Classificação

Resultados

04/09/2011 16:00 (Dom) Coritiba 1 x 0 Corinthians Couto Pereira
04/09/2011 16:00 (Dom) Grêmio 4 x 0 Atlético-PR Olímpico
04/09/2011 16:00 (Dom) América-MG 4 x 1 Vasco Arena do Jacaré
04/09/2011 16:00 (Dom) Flamengo 1 x 3 Bahia Engenhão
04/09/2011 16:00 (Dom) Palmeiras 1 x 1 Cruzeiro Pacaembu
04/09/2011 18:00 (Dom) Ceará 1 x 1 Internacional-RS Presidente Vargas-CE

Gols

 

 

 

 

 

 

Notícias

Fonte: futebolinterior

Líderes tropeçam e deixam quente a briga pelo G4

Corinthians, Flamengo e Vasco perderam. Melhor para o São Paulo

Os líderes tropeçaram, neste domingo, pela 21.ª rodada do Campeonato Brasileiro e a disputa pelos primeiros lugares ficou ainda mais equilibrada. O Corinthians perdeu para o Coritiba, por 1 a 0, mas ainda lidera sozinho, com 40 pontos. O Flamengo perdeu outra vez, agora em casa para o Bahia, por 3 a 1, e caiu para a quinta posição, com 36 pontos. O Vasco da Gama foi goleado pelo lanterna América Mineiro, por 4 a 1, e desperdiçou a chance de assumir a liderança isolada.

O maior beneficiado da rodada foi o São Paulo, que assumiu a vice-liderança, com 38 pontos, após a vitória, no sábado, fora de casa, diante do Figueirense, por 2 a 1. O Vasco ficou em terceiro lugar, com 38 pontos, seguido pelo Botafogo, com 37 pontos, que agora tem um jogo a menos. Ele enfrentaria o Santos, em jogo transferido a pedido do Peixe, que cedeu três jogadores à Seleção Brasileira – Neymar, Elano e Ganso – que segunda-feira enfrenta Gana, na Europa.

Grandes irregulares
Atrás destes cinco times aparecerem outros dois clubes tradicionais, mas que apresentam altos e baixos na competição: o Palmeiras, com 33 e o Fluminense, com 31 pontos. O Palmeiras empatou por 1 a 1, com o Cruzeiro, no Pacaembu, e desperdiçou um pênalti em cima da hora – perdido por Marcos Assunção. Enquanto isso, no sábado, o Fluminense virou em cima do Atlético-GO, por 3 a 2.

Em Porto Alegre, no Estádio Olímpico, o Grêmio ganhou fôlego ao golear o Atlético Paranaense, por 4 a 0. O Furacão parece ter se abatido com a saída de Renato Gaúcho e com a volta do interminável Antônio Lopes, há muito tempo aposentado como delegado e que já merece também pendurar as chuteiras no futebol. Mas continua insistindo graças à incompetência dos cartolas.
No fechamento do domingo, à noite, em Fortaleza, Ceará e Internacional empataram por 1 a 1. O resultado foi justo, mas ruim em termos de posições para ambos. O Ceraá fica com 26 pontos, em 13.º lugar. O Colorado, com 29 pontos, é o décimo colocado.

Briga contra o descenso
Neste começo de returno, os quatro piores são os mesmos da fase inicial: América Mineiro (17 pontos), Atlético-PR (18), Avaí (20) e Atlético-MG (21). Estes parecem mesmo condenados ao descenso. O Atlético Mineiro tem mostrado alguma capacidade de recuperação, apesar de ter no banco de reservas o “perdedor por natureza” Cuca.

O Bahia, com 24 pontos, e o Ceará, com 26, também podem correr risco mais para frente, mesmo com a força de suas torcidas. O Atlético-GO, com 28 pontos, não tem um elenco tão forte para suportar o ritmo da competição e também pode se ver ameaçado nas próximas rodadas.

Classificação

  Clube PG JG VI EM DE GP GC SG %A
1  Corinthians-SP 40 21 12 4 5 33 21 12 63.5
2  São Paulo-SP 38 21 11 5 5 33 26 7 60.3
3  Vasco da Gama-RJ 38 21 11 5 5 30 26 4 60.3
4  Botafogo-RJ 37 20 11 4 5 32 20 12 61.7
5  Flamengo-RJ 36 21 9 9 3 36 27 9 57.1
6  Palmeiras-SP 33 21 8 9 4 27 18 9 52.4
7  Fluminense-RJ 31 21 10 1 10 27 25 2 49.2
8  Coritiba-PR 29 21 8 5 8 34 27 7 46.0
9  Figueirense-SC 29 21 8 5 8 26 28 -2 46.0
10  Internacional-RS 29 21 7 8 6 32 28 4 46.0
11  Cruzeiro-MG 28 21 8 4 9 29 25 4 44.4
12  Atlético-GO 28 21 8 4 9 27 25 2 44.4
13  Ceará-CE 26 21 7 5 9 29 32 -3 41.3
14  Grêmio-RS 24 20 6 6 8 24 26 -2 40.0
15  Bahia-BA 24 21 5 9 7 24 28 -4 38.1
16  Santos-SP 23 19 6 5 8 26 31 -5 40.4
17  Atlético-MG 21 21 6 3 12 27 38 -11 33.3
18  Avaí-SC 20 21 5 5 11 24 44 -20 31.7
19  Atlético-PR 18 21 4 6 11 20 33 -13 28.6
20  América-MG 17 21 3 8 10 26 38 -12 27.0

ICFUT–BRASILEIRÃO SÉRIE B: Classificação

  Clube PG JG VI EM DE GP GC SG %A
1  Portuguesa-SP 42 21 12 6 3 43 20 23 66.7
2  Ponte Preta-SP 39 21 11 6 4 38 24 14 61.9
3  Náutico-PE 38 21 10 8 3 26 19 7 60.3
4  Americana-SP 34 21 10 4 7 27 27 0 54.0
5  Sport-PE 33 21 9 6 6 33 26 7 52.4
6  Vitória-BA 31 21 9 4 8 29 25 4 49.2
7  Paraná-PR 31 21 9 4 8 28 24 4 49.2
8  Criciúma-SC 31 21 8 7 6 20 21 -1 49.2
9  Bragantino-SP 30 21 9 3 9 36 34 2 47.6
10  Boa Esporte-MG 29 21 8 5 8 23 20 3 46.0
11  Grêmio Barueri-SP 29 21 8 5 8 25 24 1 46.0
12  Goiás-GO 28 21 9 1 11 31 34 -3 44.4
13  ASA-AL 28 21 8 4 9 27 33 -6 44.4
14  ABC-RN 28 21 6 10 5 28 29 -1 44.4
15  Icasa-CE 27 21 6 9 6 32 31 1 42.9
16  Vila Nova-GO 24 21 6 6 9 18 22 -4 38.1
17  São Caetano-SP 24 21 5 9 7 29 34 -5 38.1
18  Guarani-SP 23 21 6 5 10 28 31 -3 36.5
19  Salgueiro-PE 16 21 4 4 13 21 37 -16 25.4
20  Duque de Caxias-RJ 9 21 1 6 14 16 43 -27 14.3