ICFUT – Jonathan apresenta oferta do Inter de Milão, e presidente admite vendê-lo

Presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro confirma conversa com o lateral, que manifestou sua vontade de trocar o Santos pelo clube italiano

Por GLOBOESPORTE.COM

Jonathan treino Santos (Foto: Flickr do Santos)Jonathan chegou no início do ano e já pode estar de
malas prontas para a Itália (Foto: Flickr do Santos)

Depois de Alan Patrick e Maikon Leite, Jonathan deve ser o próximo jogador a deixar o Santos após a conquista do tricampeonato da Libertadores. O lateral-direito procurou o presidente do clube, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, na última segunda-feira e revelou ter uma proposta irrecusável do Inter de Milão.

Laor confirmou ao Globoesporte.com que teve uma conversa com o atleta, mas negou que o jogador já tenha sido vendido. Segundo o mandatário, ele sequer levou o papo adiante, pois o foco nos últimos dias foi a final do torneio sul-americano.

– Não é verdade (que ele foi vendido). Conversei com o jogador na segunda-feira, antes da partida pela Libertadores. Ele me disse que foi sondado, que tinha uma proposta irrecusável do Inter e que tinha vontade de ir. Mas não tratei do assunto porque estávamos no meio de uma decisão.

Luis Alvaro está de folga no final de semana e aguarda um novo encontro com o jogador, a partir de segunda-feira. O presidente lembra, porém, que nenhum dirigente ou representante do clube italiano o procurou até o momento.

– Nunca vi um papel do Inter de Milão. Falei ao Jonathan que não trataria da negociação até o fim da Libertadores. Também não tratei ontem e nem vou tratar hoje ou amanhã. Se realmente houver uma proposta e for da vontade dele sair, podemos conversar a partir da próxima semana.

Neste sábado, o jornal italiano “La Gazzetta Dello Sport” informou que o jogador teria uma proposta de € 5,5 milhões (R$ 12,4 milhões) do Inter de Milão, que o vê como o substituto de Maicon. Jonathan chegou ao Santos no início de 2011, a pedido de Adilson Batista, então técnico do time. O Peixe pagou € 2 milhões ao Cruzeiro (R$ 4,5 milhões) por 50% de seus direitos econômicos. O clube mineiro manteve a outra metade e lucrará em uma eventual negociação.

Por Edgar Santista – Em site oficial, Barcelona relembra encontros históricos com o Santos

Catalães mostram que também estão ansiosos com o possível duelo na final do Mundial de Clubes da Fifa. Nos números, eles levam vantagem

Por GLOBOESPORTE.COM São Paulo

Pelé, do Santos, em ação contra o Barcelona (Foto: Divulgação / Site do Barcelona)Pelé, do Santos, em ação contra o Barcelona
(Foto: Divulgação / Site do Barcelona)

Não é só o Santos que espera ansiosamente por uma final do Mundial de Clubes da Fifa contra o Barcelona, em dezembro. Os espanhois também parecem empolgados. Nesta sexta-feira, o site oficial do Barça publicou uma reportagem lembrando cinco encontros memoráveis entre os dois times. A vantagem é do Barcelona: foram três vitórias dos catalães, contra uma do Santos e um empate.

O primeiro duelo foi em 28 de junho de 1959, em amistoso no Camp Nou. O Barcelona havia acabado de conquistar o Campeonato Espanhol e a Copa do Rei. Mas foi atropelado pelo Santos: 5 a 1, com dois gols de Pelé, dois de Dorval e um de Coutinho. O brasileiro Evaristo de Macedo descontou para o time catalão. Depois da partida, o técnico do Santos, Lula, disse que Pelé tinha jogado “só 20% do que poderia jogar.”

No ano seguinte, a história foi diferente. Em 3 de julho de 1960, o Santos voltou a visitar o Barça no Camp Nou. No intervalo, o time local já vencia por 4 a 0, com dois gols de Suárez, um de Villaverde e outro de Kubala. O Santos acordou no segundo tempo e fez três gols (dois de Pepe e um de Pelé), mas não conseguiu evitar a derrota.

Pelé Santos x Barcelona (Foto: site oficial do Barcelona)Cartaz da partida de 1963 destaca o Rei Pelé
(Foto: site oficial do Barcelona)

Em 12 de junho de 1963, nova vitória do Barcelona no Camp Nou, desta vez por 2 a 0, gols de Pereda e Zaballa. O jogo foi cercado de expectativa, já que o Santos era a base da Seleção Brasileira bicampeã mundial no Chile, um ano antes.

Em 1974, os dois times se enfrentaram no torneio Ramon de Carranza, em Cádiz. O jogo foi pelo terceiro lugar – o Barça havia perdido na semifinal para o Palmeiras (2 a 0), mesmo placar imposto pelo Espanyol ao Peixe. Assim, era de se esperar que a partida não tivesse nenhum grande atrativo, certo? Errado. O jogo marcou o encontro histórico entre Pelé, a poucos meses de se aposentar do Santos, e o holandês Johann Cruyff, maior ídolo do Barcelona. O time espanhol logo abriu 4 a 0, com gols de Neeskens (2), Marcial e Asensi. A três minutos do fim, porém, Pelé cavou um pênalti. Ele mesmo converteu e deu números finais ao placar.

O último capítulo foi escrito em 1998, na disputa do torneio amistoso Joan Gamper, em 25 de agosto de 1998, e terminou empatado em 2 a 2. O texto no site do Barça informa que os gols do time catalão foram marcados por Luis Enrique e Figo, mas ignora quem marcou pelo Peixe (Anderson Lima e Adiel) – a foto que ilustra a matéria mostra o ex-meia Jorginho, na época o capitão do Santos e hoje técnico da Portuguesa, ao lado de Luis Figo e do trio de arbitragem. O time catalão acabou vencendo a disputa nos pênaltis, por 5 a 4.