Por Cleber Aguiar – Santos de sem camisa para subir, para Campeão da Libertadores !

Por Cleber Aguiar Santista da Equipe ICFUT – Parabéns nação santista SOMOS TRI DA LIBERTADORES !

Parabéns para meu grande e querido primo Edgar Santista também dessa gradiosa equipe e W. Santista amigo das antigas e companheiro dos momentos complicados como foram os anos 90 do peixe. Nossa ganhamos a Libertadores com uma geração que lembra a geração vencedora que eu e muitos santista não vimos ou seja a ERA PELÉ, comandada por Neymar, Danilo,Rafael,o jovem experiente Léo , Durval o xerife, Dracena o capitão entre outros.Reconquistamos a América tão deseja por corinthianos e Sãopaulinos.

Aliás os Sãopaulino foram tricampeões isso é indiscutivel, porém a repercussão do Santos Futebol Clube para o mundo não tem igual e o Rogerinho ( da equipe ICFUT ) e todos os delicados do mundo tricolor terão que engolir .Em dezembro vamos tomar um posto que por décadas foi do alvinegro praiano o 3 mundial e reconquistar o reinado do futebol santista para o Brasil .

Então Senhores do TRIO-DE-LATA PAULISTA somos viúvas do que mesmo ???, vocês são um bando de lixo e arrogantes que comem resto de tudo que o Santos conquistou e arrotam caviar, não suportam que um  time de uma cidade litorânea seja o maior clube do mundo e o maior celeiro de craques do mundo, rasguen seus cotovelos de raiva por não terem craques como Pelé, Robinho e Neymar em suas histórias.

Farão  diversos centenários porém nuncam serão um Santos Futebol Clube, ou seja vocês estão a sombra do glorioso alvinegro, então seus coitados ficam o sobra de nossas conquistas.O pior que o chamado TRIO-DE-LATA o que podem ensinar para o PEIXE ? Ah…sim como disputar a segunda divisão do Paulistão e do Brasileirão …kkkkkk .Grande clube não disputa segundona e vocês são a VERGONHA DO FUTEBOL PAULISTA.

Para fechar CHUPA MARCELO TEIXEIRA segundona o Santos nunca estará !!!

NASCER,VIVER E NO SANTOS MORRER !!!

Por Cezar Alvarenga – Ronaldinho Gaúcho já cogita aposentadoria.

Fonte: UOL Esportes

O contrato de Ronaldinho com o Flamengo vai até dezembro de 2014, mas não será surpresa se a separação ocorrer antes do previsto. A parceria com a Traffic, empresa de marketing esportivo, viabilizou o sonho da presidente Patricia Amorim em ver o astro vestindo a camisa rubro-negra. O momento “lua de mel” passou e uma série de acontecimentos contribui para que o craque, eleito duas vezes o melhor jogador do mundo pela Fifa, repense a data na qual irá parar de jogar futebol.

O patrulhamento da sua vida pessoal e a cobrança cada vez mais intensa são os principais motivos. Segundo apurou o UOL Esporte, aposentar-se ao final deste ano já foi uma hipótese cogitada por Ronaldinho e revelada em conversas recentes com amigos. O jogador afirmou estar “cansando da bola e sua rotina”. Realizado financeiramente, ele dificilmente terá espaço na seleção do técnico Mano Menezes e estuda como dar um novo rumo na carreira.

No entanto, “parar por cima” é uma obsessão do camisa 10. Apesar do mau momento, Ronaldinho, aos 31 anos, tem em mente levar o Flamengo ao título brasileiro. Ele sabe que sua contratação foi baseada na esperança de conquistas expressivas. Caso aconteça, poderá renegociar os seus compromissos e se retirar do futebol.

Por mais que seja um desejo futuro, desvincular-se não será tão simples assim. A Traffic precisa ver retorno no investimento e só com Ronaldinho em campo reúne condições para resolver a questão. Por outro lado, a família é dependente de suas finanças e não faz parte dos planos abrir mão do salário de R$ 1 milhão recebido no Flamengo.

O clube tenta blindá-lo de todas as formas. Antes, as noitadas não incomodavam ao técnico Vanderlei Luxemburgo e diretoria. Agora, uma conversa com Assis, irmão e empresário, já foi realizada para tentar contornar a situação. A importância de Ronaldinho no Flamengo atual vem sendo discutida pelos dirigentes. Alguns acreditam que precisa existir um comprometimento absoluto com o clube, já que além da dependência dentro das quatro linhas, questões de mercado estão ligadas ao nome do craque. No momento, as principais são: a negociação de um patrocinador master e a venda de produtos licenciados.

Luiz Augusto Veloso, diretor executivo de futebol do Flamengo, convive diariamente com Ronaldinho. O dirigente não imagina uma aposentadoria precoce. Entretanto, reconhece que uma pressão exagerada pode desmotivar o jogador aos poucos.

“Nunca parei para pensar nisso (aposentadoria de Ronaldinho). Não sei o que pode acontecer. A impressão de vestiário que ele passa é muito positiva. Será que o Ronaldinho estaria preparado para perder o futebol? Hoje, o Romário já é outro cara mesmo com toda a personalidade. Continua popular, mas não é o centro das atenções como era quando jogava. O Ronaldinho é isso atualmente. Tudo gira em torno dele e contribui para enorme repercussão. Pode ser que esse controle todo em cima o desmotive. Mas não acho que ele abriria mão do que ganha por ano em todos os contratos. Não tenho condições de imaginar essa situação no momento”, comentou o dirigente.

A reportagem procurou Assis, irmão e empresário de Ronaldinho, para falar sobre o caso. Mas ele não atendeu e nem retornou às ligações em seu telefone celular.

Por Cleber Aguiar – Maikon Leite para torcida Palmeirense !

MAIKON LEITE ( PALMEIRAS )

Nome completo Maikon Fernando Souza Leite
Clube atual Palmeiras
Posição Atacante
Data de nascimento 03/08/1988
Nacionalidade Brasileira
Local de nascimento Mogi das Cruzes (SP)
Altura 1,68m
Peso 62kg

História

  • Santo André (SP): 2006-2008
  • Santos (SP): 2008-2010
  • Atlético-PR (PR): 2010
  • Santos (SP): 2011

Titulos

  • Campeonato Paulista Série A2 – 2006 – Santo André
  • Campeonato Paulista – 2010 – Santos
  • Copa do Brasil 2010 – Santos
  • Campeonato Paulista – 2011 – Santos
  • Taça Libertadores 2011 – Santos

Video do Craque :

Por Cleber Aguiar – Ganso para o Mundial de Clubes !

Fonte: Portal Uol

Ganso diz a jornal italiano que desembarca no Milan em janeiro

Do UOL Esporte
Em São Paulo

  • Jogador reafirma seu desejo de deixar o clube no final do anoJogador reafirma seu desejo de deixar o clube no final do ano

Não será tarefa fácil segurar o meia Paulo Henrique Ganso no Santos mesmo com a conquista da Libertadores. O camisa 10 afirmou em entrevista à Gazzetta dello Sport que vai se transferir para o Milan no início de 2012.

“Meu sonho agora é bater o Barcelona de Messi no Mundial de clubes e em janeiro poderei me juntar ao Milan”, disse o jogador.

Ainda no Pacaembu logo após a conquista do título, Ganso foi evasivo ao falar do seu futuro. Questionado se permaneceria na Vila Belmiro ou se iria embora, o jogador disse apenas que não havia nada certo. As declarações ao menos mostram que seu desejo é ficar até dezembro para encarar o Barcelona.

Ciente do desejo do atleta em se transferir, o presidente Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro já não sustenta mais o discurso de que só liberará Ganso mediante o pagamento integral da multa de 50 milhões de euros.

O temor é que o jogador use um clube brasileiro como ponte para se transferir para a Europa. No Brasil, o valor da multa é de R$ 59,4 milhões. O Corinthians foi especulado como candidato a receber o jogador antes de uma eventual transferência para o velho continente.

Por Cleber Aguiar – DIS põe na vitrine herói da Libertadores

Fonte: Lancenet.com.br

Danilo, do Santos (Foto: Ivan Storti) Danilo, do Santos (Foto: Ivan Storti)

O gol de Danilo na final da Libertadores quase dobrou o preço para sua saída a um clube europeu. A DIS o considera mais valorizado do que Wesley, negociado por R$ 23,3 milhões para o Weder Bremen (ALE) em 2010, e aposta em novas tratativas com o Benfica (POR).

Além de mais jovem, 19 anos, Danilo jogou pelas seleções brasileiras de base. A investidora detém 37,5% dos direitos econômicos, tal como o Alvinegro praiano. O América-MG tem outros 25%.

Por Cleber Aguiar – Entrevista com Muricy Ramalho !

Fonte: Lancenet.com.br

Exclusivo! Muricy já fala sobre o Barça: ‘Vamos para cima deles!’

Campeão da Libertadores, técnico conversa com o LANCENET! e espera a permanência de Ganso e Neymar

Muricy Ramalho (Foto: Eduardo Viana) Muricy comemora o título no Pacaembu (Foto: Eduardo Viana)

Alessandro Abate e Luiz Paulo Montes

Após a conquista do Santos na Copa Santander Libertadores sobre o Peñarol, no Pacaembu, muita festa e comemoração, estendidas pela madrugada de ontem com a chegada do time à Vila Belmiro. Festa, porém, somente para os jogadores. O técnico Muricy Ramalho, tratou de se recolher em Ibiúna, no interior de São Paulo, para curtir os momentos iniciais de sua primeira conquista da América.

O tão cobiçado título serviu para apagar as cinco eliminações na Libertadores que havia sofrido. Mas, segundo o comandante, que jamais o incomodaram.

Em seu refúgio campestre, ainda cansado em virtude das poucas horas de sono, Muricy atendeu ao LANCENET! para essa entrevista exclusiva. O treinador falou sobre o título continental, as dificuldades, os “diferenciados” Neymar e Ganso e projetou um duelo contra o supertime do Barcelona no Mundial de Clubes, em dezembro, prometendo enfrentá-lo em igualdade, sem retranca.

LANCENET: Como você se sente algumas horas depois de conquistar sua primeira Libertadores?
Muricy Ramalho: Como sempre, procuro ficar em um lugar tranquilo. Não fui para Santos, acho que isso é para os jogadores. Vim para o lugar que eu gosto, que é Ibiúna. Não dormi nada. Estou feliz, mas controlado no que diz respeito à emoção.

L!: E como foi ser reverenciado por Pelé após a conquista do título?
M.R.: Tenho um apartamento no Guarujá e temos amigo em comum, o Hugo. Tive a oportunidade de conhecer o Pelé em sua intimidade. Ele tem uma coisa de rei, você sente isso, é impressionante. Ele esteve no Santos, foi abraçar os jogadores, dar força. Cada vez que você vê ele você sente algo estranho, coisa que sente quando vê um rei mesmo. Quando me abraçou senti essa energia, de estar abraçando um rei do futebol. Foi excepcional!

L!: Pelo São Paulo, certa vez você disse que não havia conquistado a Libertadores por falta de sorte. Agora, no Santos, em que momento você teve sorte?
M.R.: Eu acho que contra o América, no México (empate em 0 a 0, no dia 3 de maio). A gente sabia que ia sofrer muito, e nos portamos muito bem para conseguirmos a classificação. Naquele jogo, começamos a sonhar com o título.

L!: Quando você chegou, o Santos corria até riscos de não classificar na Libertadores. Mesmo assim, acreditava no título?
M.R.: Você tem de ter convicção do que está fazendo. Quando assumi teríamos um jogo complicado, contra o Cerro Porteño, fora de casa, e a gente não poderia nem empatar. E ainda estávamos desfalcados. Poderia não ter assumido e deixado para vir no Brasileiro. Mas tenho confiança no meu trabalho, mostrei força para os jogadores, organizei o time, pus na cabeça deles que tinham de jogar e não brigar. Claro que teria o lado individual de alguns, mas mostrei a eles que todos tinham de participar. Eles compraram a ideia e o time mudou muito, dentro e fora de campo.

L!:Esse grupo do Santos é o melhor com o qual você já trabalhou nesses anos de carreira?
M.R.: Eu trabalhei com grandes grupos, mas esse tem dois jogadores diferenciados, que são o Neymar e Ganso. O São Paulo também tinha o melhor goleiro do mundo (Rogério Ceni). Com certeza o Santos é um dos melhores times pelo lado individual desses dois craques. O São Paulo e esse Santos são os melhores que eu já trabalhei.

L!: O Neymar, por ter 19 anos, parecia estar realizando sonho nessa final. Você acha que por esse jeito ele não tinha noção da dimensão de uma Libertadores e, por isso, não sentiu a pressão?
M.R.: O Neymar foi o jogador com o qual eu mais conversei. Disse que ele não devia mudar a característica dele, não importa se é Libertadores ou não. Tinha que se divertir, ir para cima. Só pedi para tomar cuidado com arbitragem, que já estava o marcando, e com o adversário, que ia bater muito. Mas não queria que perdesse o que tem de melhor, que é jogar futebol, gostar de jogar.

L!: Acredita que, com esse título, vai acabar o seu rótulo de ser um “técnico de pontos corridos”?
M.R.: Isso não era uma verdade. A maioria dos meus títulos é no mata-mata. O que não tinha ganhado era a Libertadores, mas tem muito técnico bom que não ganhou a Libertadores. Não sou treinador de mata-mata ou de pontos corridos. Sou treinador de futebol. Acho que são rótulos que as pessoas dão. Quem é o fera do mata-mata? Por que esse fera não repete isso na Libertadores? Eu sou fera em pontos corridos! Já ganhei quatro vezes. Mas nunca tirei proveito disso.

L!: O que faltou para você ser campeão no São Paulo que, no Santos, você aprendeu e fez diferente para vencer a competição continental?
M.R.: Fiz no Santos o que fiz no São Paulo e faço sempre. Trabalho sério, duro. São coisas do futebol. No São Paulo, naquela final em 2006, aconteceram coisas que eu não tinha como resolver. Perdemos Josué expulso e Mineiro lesionado, duas feras do time. É difícil de explicar.

L!: Você sempre foi reconhecido por trabalhar muito com o esquema 3-5-2. No Santos, ganhou o Paulista e a Libertadores com o 4-4-2. É sua preferência agora?
M.R.: Não tenho esquema de preferência. Respeito as características do time. No São Paulo, tinha três zagueiros que eram os melhores do país e dava para ter liberdade de todo mundo atacar. Tem de ver se o time se organiza com ou sem a bola. No Brasil, três zagueiros significa time defensivo, três atacantes é time ofensivo. Mas não existe isso. A parte tática no Brasil a gente é muito ruim para analisar. Por isso, faço o que eu acho e sempre dá certo.

L!: Havia a expectativa se o Ganso seria ou não escalado e você o colocou como titular. Como trabalhou para essa última partida?
M.R.: Se eu tenho tantos bons jogadores, tenho de achar um jeito de colocar ele para jogar. Quem ganha jogo são os jogadores, então você tem de escalar os melhores. Se eu perguntei para o preparador físico, para o fisiologista, e eles disseram que o Ganso podia jogar, por que colocaria no segundo tempo e não no primeiro? Estava sem ritmo? E vai ganhar ritmo quando? Como vou olhar para o banco e ver o Ganso do meu lado? Isso não existe. Ele tem de estar em campo sempre, mesmo cansado. Entrou em campo e deu espetáculo, deu de calcanhar…

L!: A partir de agora, como planeja o Santos no Brasileirão?
M.R.: Já faz um mês que converso com a diretoria sobre isso. Não sabemos quantos jogadores vamos perder (para a Seleção Brasileira e Sub-20 são sete atletas). Vamos procurar jogadores, e os que eu quero têm de ser diferenciados. Vamos sofrer na retomada do Brasileiro. Vamos esperar que cheguem jogadores.

L!: Além de Zé Eduardo (Genoa) e Maikon Leite (Palmeiras), acha que vai perder mais atletas?
M.R.: Não tenha dúvidas. É muita gente em cima dos nossos jogadores. É coisa de time que é campeão, não tem como fugir. Temos de pensar na reposição desses jogadores.

L!: Você ouviria conselhos do José Mourinho (técnico do Real Madri) para saber como superar o Barcelona no Mundial?
M.R.: Não, iam dizer que sou retranqueiro… (risos) Ele só ganhou do Barcelona na retranca (Copa do Rei). Mas ele é o Mourinho, não é? Se eu fizesse o que ele fez, iam dizer que eu sou louco.

L!: Você acha que os técnicos no Brasil são menos reconhecidos então?
M.R.: No Brasil, temos uma dificuldade maior em reconhecer o treinador. Queria ver o Mourinho aqui, ser campeão aqui. Queria ver o treinador do Chelsea, ou aquele cara que está há 40 anos no time de vermelho, aqui no Brasil… Aí eu daria 10 pra eles, mas, enquanto não vierem, eu dou 7 (risos).
Nota da redação: O “cara no time de  vermelho” é  Sir Alex Ferguson, técnico do Manchester United (ING) desde 1986, 12 vezes campeão da Inglaterra e bi da Liga dos Campeões da Europa, entre outros.

L!: Em um eventual jogo contra o Barcelona, então, o Santos não vai entrar na retranca?
M.R.: Não tem como, nosso time não tem essas características. Tem de respeitar o que temos, vamos partir para cima. O que eu tenho de fazer? Ter um sistema que libere os que não ficam atrás, mas que tenha jogadores que sustentem atrás quando os outros saiam. Mas, antes, temos de passar pela eliminatória, se não ficamos que nem o Internacional, contra o Mazembe, em 2010. Se chegar à final, não tem como mudar. O Santos é ofensivo, agressivo, vamos para cima deles… Mas hoje é mais organizado, sofre menos.

L!: Conta com Neymar e Ganso no Mundial?
M.R.: Todo mundo quer contar com eles, mas não sou dono do Santos nem deles. Tem de ver o que é melhor, às vezes é o sonho dos caras. Para mim, tinham de ficar, porque iam se valorizar mais.