Por Eder – Carta do diretor de Negócios Jurídico do CORINTHIANS

DE NOVO “ESSA GENTE DIFERENCIADA”?

O verdadeiro patrulhamento que tem se visto a respeito do estádio de futebol que o Corinthians pretende construir no distante Itaquera parece assemelhar-se com a demonstração de preconceito contra “gente diferenciada” que, recentemente, se manifestou no próximo Higienópolis, em episódio que, de tão recente e notório, dispensa rememoração. 

A origem de parte das manifestações contrárias à construção do estádio, lá, parece ser a mesma que motivou um abaixo-assinado de um pequeno grupo contra a construção de uma estação do metrô, aqui: preconceito contra a tal “gente diferenciada”. Assim deduzo por não encontrar qualquer outra explicação lógica. Evidentemente, não me refiro às manifestações motivadas por paixão/ódio clubístico. Essas só têm espaço nas discussões de boteco e não em discursos que se pretendem sérios. 

Refiro-me àqueles que se posicionam contrariamente adotando uma posição de guardiões do dinheiro público. Essa é a máscara a esconder a verdadeira motivação e a tentar emprestar um caráter respeitável à indignação. Na imensa maioria dos casos, porém, não sabem nem do que se fala. Em pouquíssimos, mesmo sabendo-se, o preconceito parece falar mais alto. Segundo o planejamento, a receita para a construção do estádio vem de duas fontes: financiamento do BNDES e incentivos fiscais. 

Pois bem. Financiamento é como um empréstimo. Ou seja, o Corinthians terá que pagar cada centavo desse dinheiro emprestado, e com juros. E essa não é uma possibilidade concedida exclusivamente ao Corinthians, mas também, e não apenas, aos 12 estádios que sediarão partidas da Copa do Mundo. Aos interessados: basta entrar no site do BNDES para ver se atendem aos requisitos, que são públicos. A coisa é tão óbvia que, quanto a esse ponto, a gritaria tem sido pequena, restrita apenas aos totalmente ignorantes. 

O ponto que tem gerado maior barulho dos zeladores do dinheiro público é o do incentivo fiscal. Incentivo fiscal, genericamente falando, é mais um corolário da própria garantia da igualdade, assegurada pela Constituição Federal. É mais um instrumento voltado à distribuição de renda e atenuação das desigualdades. 

No modo de produção capitalista, os ideais de igualdade e distribuição de renda passam, obrigatoriamente, pelo desenvolvimento econômico. Cabe ao Estado, consoante orientação Constitucional, agir de forma proativa, fomentando o desenvolvimento em áreas carentes. Nesse contexto se insere o incentivo fiscal, seduzindo particulares a investirem em lugares, até então, pouco atrativos. 

É fácil deduzir que não há aporte de dinheiro público. Há o aporte de dinheiro particular, com benefícios fiscais. E uma grande parte dos detratores do projeto não alcança sequer essa obviedade. 
Os zeladores um pouquinho mais preparados argumentam que isso seria um sofisma. Não haveria aporte de dinheiro público, mas haveria redução de receita. Ou seja, dinheiro público não sairia, mas deixaria de entrar o que, nessa visão míope, seria a mesma coisa. 

Mas não é. Esse raciocínio, sim, e que é um sofisma. Ignora uma questão evidente: o que deixa de entrar, na verdade, não entraria mesmo. Sem o incentivo fiscal, o particular simplesmente deixaria de investir no local, desinteressante economicamente que seria. 
Esse é o ponto: o incentivo visa, essencialmente, desenvolver Itaquera, bairro que, é fácil constatar, não é daqueles tratados, historicamente, com mais carinho pelo Poder Público. 

O Corinthians beneficia-se com esse incentivo? Sim, claro. Nada mais justo, aliás, já que, não fosse o estádio, a região continuaria pouco atrativa aos olhos de novos investidores, mesmo com incentivos fiscais. É a soma “estádio + incentivo” que levará dinheiro novo e o conseqüente desenvolvimento à região. E quem se beneficiará, em última instância, é o morador de Itaquera, seja ele corinthiano ou não.

Ora, não é legítimo que os habitantes de Itaquera tenham direito a uma moderna praça de esportes e lazer? O lazer é um direito social reconhecido desde a Declaração Universal dos Direitos dos Homens de 1948 (artigo XXIV). E, hoje, tem expressa previsão Constitucional (Art. 6º). Deve ele ficar restrito aos bairros mais nobres? 

Não se pode ignorar, também, os reflexos indiretos da construção do estádio e do aumento de investidores no local. Surgirão incontáveis novos empregos e, reflexamente, novos impostos serão arrecadados. Há minucioso estudo elaborado por respeitadíssima consultoria internacional apontando que acabará se arrecadando muito mais do que se deixará de arrecadar com o incentivo. Isso sem falar na melhoria de trânsito na cidade como um todo, em função dos locais que permanecerão no bairro. E isso sem falar no legado da visibilidade internacional, com claros reflexos no turismo e negócios em geral, que São Paulo ganhará por hospedar a abertura da Copa do Mundo. 

Os guardas do dinheiro público, provavelmente até inconscientemente, não se preocupam com Itaquera. Preferiam que esse dinheiro entrasse no cofre central – não entendem que não entraria – para ser aproveitado em outros bairros, mais próximos. O “pessoal diferenciado” não merece esse luxo, devem pensar. Não atinam que o aumento significativo no número de empregos na região segurará grande parcela dos “diferenciados” em Itaquera, mesmo. Ou seja, bem longe, como parecem querer. 

Quem sabe, assim, aquele pequeno grupo não concorde com o metrô em Higienópolis? 

Sérgio Eduardo Mendonça de Alvarenga 
Diretor de Negócios Jurídicos do Sport Club Corinthians Paulista

COMENTÁRIO: Antes de criticar á respeito do estádio do CORINTHIANS, é importante conhecer um ponto de vista que não é mencionado pela mídia, esta carta está direcionada a todos, independente do time que torce.

ICFUT – Palmeiras goleia Avaí.

Fonte: Gazetaesportiva.net

Liderado por Luan, Verdão atropela Avaí no Canindé: 5 a 0

Marcelo Belpiede São Paulo (SP)
 
Se o torcedor do Palmeiras reclamava da falta de gols na temporada, a recompensa veio neste domingo. Diante do lanterna Avaí, a equipe do técnico Luiz Felipe Scolari foi envolvente e marcou com naturalidade o placar de 5 a 0 no estádio do Canindé, pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro.

O domingo proporcionou mais uma boa atuação de Luan, um constante alvo de críticas dos torcedores do Palmeiras desde o ano passado. No ataque, ele marcou duas vezes. Na defesa, ajudou como sempre o lateral esquerdo. Assim, ouviu o seu nome cantado em coro. Lincoln e Kleber (2) completaram a goleada.

Para a torcida, a festa seria ainda mais gostosa caso o goleiro Marcos aceitasse o pedido vindo das arquibancadas para cobrar o pênalti que gerou o quinto gol no segundo tempo. Contudo, o arqueiro sinalizou que continuaria em sua área.

O resultado leva o Palmeiras a 11 pontos e mantém o planejamento da comissão técnica na briga pelas principais colocações do Campeonato Brasileiro. O Avaí, em contrapartida, segue com somente um ponto e em crise.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro, as duas agremiações atuam no domingo da semana que vem, às 16 horas. O Palmeiras visita o Ceará, enquanto o Avaí recebe o instável Fluminense.

O Jogo – O Palmeiras entrou em campo disposto a ter paciência para tocar a bola e buscar brechas na zaga adversária. O time sofria com a falta de velocidade, porém o início não refletiu o que ocorreria em campo.

A primeira chance concreta palmeirense demorou a ser registrada, mas foi decisiva. Aos 18 minutos, Marcos Assunção cobrou escanteio da direita, a bola passou pelo meio da área e, após disputa entre Lincoln e George Lucas, caiu nas redes. A partir daí, houve uma avalanche alviverde.

O Avaí sentiu o gol. Quatro minutos depois, o Palmeiras ampliou através de uma jogada de velocidade. Após cruzamento de Cicinho na direita, a bola passou por Lincoln e Kleber, mas sobrou para Luan completar de perna esquerda: 2 a 0.

Sem alternativas, o Avaí se lançou ao ataque em busca de uma reação. Em duas ocasiões, criadas por Pedro Ken e Robinho, os catarinenses assustaram. Só que o Palmeiras era mais perigoso no contra-ataque. Aos 33, Lincoln, na cara do gol, chutou por cima.

Extremamente superior, o Palmeiras construiu uma goleada ainda no primeiro tempo. Aos 41 minutos, Luan driblou George Lucas com facilidade e fez o terceiro com um chute cruzado. Dois minutos depois, Kleber foi autor de uma pintura, com um chute que encobriu Aleks e deu fim ao melhor primeiro tempo alviverde na temporada.

Para a etapa final, o Avaí retornou com duas alterações. Estrada e Fábio Santos substituíram George Lucas e Robinho. No esquema com três zagueiros, os catarinenses acertaram o poste esquerdo de Marcos no chute de Estrada.

Preocupado com o crescimento do Avaí, Felipão reforçou a marcação com a entrada de Chico na vaga de Wellington Paulista. A alteração acabou com qualquer perigo de reação por parte dos catarinenses.

Naturalmente, o Palmeiras ainda conseguiu o quinto. Aos 25 minutos, Acleisson cometeu pênalti em Lincoln. Imediatamente, começou o coro em todo o estádio para Marcos realizar a cobrança. O arqueiro chegou a ser encorajado por alguns companheiros, mas não quis efetuar o chute. No fim das contas, Kleber converteu e deu números finais: 5 a 0.

ICFUT – 100 % Lider !

Fonte: Globo.com

Ceni pega pênalti, Lucas faz golaço, e líder São Paulo vence o Ceará: 2 a 0

Com grande atuação do goleiro, Tricolor quebra o recorde de triunfos nos pontos corridos e dispara na primeira posição. Vozão se afunda na crise

por Carlos Augusto Ferrari

A molecada do São Paulo fez história no Campeonato Brasileiro neste domingo. Com sete desfalques por problemas físicos e oito jogadores vindos das categorias de base, o Tricolor superou a pressão de atuar no estádio Presidente Vargas e venceu o Ceará por 2 a 0, em Fortaleza, mantendo 100% de aproveitamento e ampliando sua vantagem na liderança.Principal joia da nova geração do clube, Lucas fechou o placar com um golaço driblando até o goleiro Fernando Henrique. Marlos fez o outro. Destaque também para Rogério Ceni por defender um pênalti ainda no primeiro tempo e realizar defesas milagrosas na etapa final.O triunfo no Nordeste não só confirma a reação do São Paulo após o frcasso na Copa do Brasil como dá ao clube um feito inédito. Desde 2003, quando o sistema de pontos corridos foi adotado, nenhuma equipe havia obtido cinco vitórias consecutivas nas cinco primeiras rodadas. Com o ótimo início no torneio, o Tricolor dispara na ponta da classificação, agora com 15 pontos, quatro a mais que o Palmeiras, vice-líder. Na próxima rodada, os são-paulinos terão o clássico contra o Corinthians, domingo, às 16h, no Pacaembu.

Lucas, aliás, vai desfalcar a equipe diante do rival paulista. O jogador se apresentará ainda nesta semana à Seleção Brasileira para disputar a Copa América, na Argentina. O Tricolor perderá também, a partir de 7 de julho, Bruno Uvini, Casemiro, Henrique e Willian José, chamados para o Mundial Sub-20.

Já o Ceará entra em desespero com a má campanha. O Vozão, goleado pelo Atlético-GO na rodada anterior, segue sem vencer em casa, estaciona nos quatro pontos e começa a flertar com a zona do rebaixamento. O técnico Vágner Mancini, muito criticado pela torcida, pode perder o emprego nos próximos dias. Na próxima rodada, os cearenses receberão o Palmeiras no PV, domingo, às 16h.

Rogério Ceni pega pênalti, e Marlos marca

A necessidade de se recuperar no Campeonato Brasileiro fez o Ceará transformar o estádio Presidente Vargas em um caldeirão. A torcida compareceu em peso, e o técnico Mancini lançou o time ao ataque. Apostando na velocidade, o Vozão optou por uma marcação pressão nos primeiros minutos e confundiu a saída de bola do São Paulo.

Casemiro e Lucas, encarregados de levar o Tricolor ao campo de ataque, erraram bastante e praticamente não acionaram Henrique e Marlos. Os laterais Jean e Juan também esbarraram na boa marcação adversária e ficaram presos na defesa. Melhor para os cearenses, que criaram (mas perderam) boas chances de marcar com Iarley, lento para finalizar, e Osvaldo, parado por boa defesa de Rogério Ceni.

A partir doa 15 minutos, a pressão diminuiu e o São Paulo conseguiu tocar a bola com mais tranquilidade. Casemiro só não fez de cabeça por causa de grande defesa de Fernando Henrique. No contra-ataque, Xandão cometeu um pênalti infantil em Osvaldo. Do banco de reservas, Mancini determinou que Iarley batesse. Osvaldo, porém, pegou a bola, cobrou e Rogério Ceni espalmou no canto direito, salvando o Tricolor de sofrer o seu segundo gol no Brasileirão.

O erro acabou com a empolgação do Ceará e deu mais calma ao São Paulo, principalmente para organizar o meio-campo e procurar o ataque. Destaque na vitória sobre o Grêmio, Marlos acordou e colocou o Tricolor em vantagem, aos 35 minutos. Em boa jogada pela esquerda, ele passou por um marcador, invadiu a área e tocou rasteiro no canto direito de Fernando Henrique.

Wellington osvaldo ceará  x são paulo (Foto: Futura Press)O volante tricolor Wellington cerca o atacante Osvaldo no jogo em Fortaleza (Foto: Futura Press)

Lucas faz golaço e garante a vitória

Como ocorreu no primeiro tempo, o Ceará apostou na pressão para tentar empatar. A igualdade só não veio aos quatro minutos por um milagre. Livre na área, Iarley chutou e a bola explodiu na zaga quase em cima da linha. No rebote, Thiago Humberto mandou outra bomba que novamente acertou a defesa.

Paulo César Carpegiani tratou de reforçar ainda mais o sistema defensivo do São Paulo com a mesma estratégia que usou na vitória por 1 a 0 sobre o Atlético-MG. O treinador sacou Marlos para a entrada do zagueiro Bruno Uvini e liberou Juan para atuar mais próximo da armação. Mesmo assim, o Ceará continuou melhor, mas parou em Rogério Ceni, que fez duas lindas defesas em chutes do veloz Osvaldo.

A tática do contra-ataque deu certo para o São Paulo. Aos 21, o Tricolor pegou a defesa do Ceará aberta e ampliou o placar com um golaço de Lucas. Ele recebeu na entrada da área, passou por um marcador, pelo goleiro Fernando Henrique e tocou para a meta vazia.

Aproveitando o desânimo cearense, os paulistas estiveram próximos de fazer o terceiro, com Jean acertando a trave em cobrança de falta ensaiada. No desespero, O Vozão ainda tentou reagir nos minutos finais, mas Rogério Ceni e a trave, em cabeçada de Washington, garantiram o São Paulo ainda mais líder do Brasileirão.


 

CEARÁ 0 X 2 SÃO PAULO
Fernando Henrique, Diego Macedo (Sinho), Erivélton, Diego Sacoman e Vicente; Heleno, João Marcos, Eusébio (Washington) e Thiago Humberto; Osvaldo e Iarley (Diguinho). Rogério Ceni, Jean, Xandão, Luiz Eduardo e Juan; Rodrigo Souto, Wellington, Casemiro (Carlinhos Paraíba) e Lucas; Henrique (Rivaldo) e Marlos (Bruno Uvini).
Técnico: Vágner Mancini. Técnico: Paulo César Carpegiani
Gols: Marlos, aos 35 minutos do primeiro tempo. Lucas, aos 21 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: João Marcos (Ceará); Juan, Rodrigo Souto, Bruno Uvini (São Paulo)
Data: 19/06/201. Local: Estádio Presidente Vargas, em Fortaleza-CE. Árbitro: Edivaldo Elias da Silva-PR. Auxiliares: Roberto Braatz-PR e por Márcia Lopes Cateano-RO.

ICFUT – Cuca é demetido e entra Joel Santana

Novo treinador do Cruzeiro será apresentado nesta segunda, na Toca II

Por GLOBOESPORTE.COM Belo Horizonte

Joel Santana durante entrevista sobre o Flamengo (Foto: Thiago Correia / GLOBOESPORTE.COM)Joel Santana é o novo técnico do Cruzeiro
(Foto: Thiago Correia / Globoesporte.com)

O Cruzeiro tem novo treinador. Cuca não é mais o comandante da equipe celeste. Um dia após o empate com o América-MG, em 1 a 1, na Arena do Jacaré, em Sete Lagoas, Cuca pediu demissão do cargo. O técnico não conseguiu suportar a pressão e não segue à frente da equipe.

Na tarde deste domingo, o diretor de comunicação do Cruzeiro, Guilherme Mendes, postou no Twitter a seguinte informação.

– Cuca deixou o cargo de treinador hoje pela manhã. Joel Santana será apresentado amanhã à tarde.

À frente do Cruzeiro, Cuca conquistou o Campeonato Mineiro e o vice-campeonato brasileiro. Joel Santana chegará nesta segunda-feira a Belo Horizonte.

Guilherme Mendes disse que foram feitas duas reuniões. A primeira, após o jogo desse sábado, entre Cuca e Dimas Fonseca, diretor de futebol do clube. Cuca disse que o elenco precisava de uma mudança e, por isso mesmo, estaria entregando o cargo. Dimas pediu uma reflexão para o treinador e que voltariam a se encontrar neste domingo, pela manhã.

Hoje, na Toca da Raposa II, voltaram a se reunir, e Cuca estava certo da saída do cargo, mesmo após um apelo feito pelo clube. Dimas consultou o presidente do clube, Zezé Perrella, que concordou em liberar o treinador. Imediatamente, a diretoria fez contato com o empresário Léo Rabelo e acertou com Joel Santana, que será apresentado à imprensa na tarde desta segunda-feira, às 14h30m (de Brasília), e aos jogadores, às 15h30m. O contrato será até o fim do ano.

O último time de Joel Santana foi o Botafogo. No time carioca, o treinador esteve entre 2010 e 2011. Antes disso, foi o comandante da Seleção da África do Sul, na preparação para a Copa de 2010.

ICFUT – Últimas do Santos FC.

Fonte:Globo.com

Peñarol viajará com elenco completo para disputa da final contra o Santos

Diretoria de clube uruguaio decide premiar jogadores por classificação à decisão da Libertadores pela primeira vez após 24 anos

Por Agências de notícias Montevidéu, Uruguai

do Peñarol, formado por 26 jogadores, viajará nesta segunda-feira para São Paulo, onde disputará na próxima quarta a segunda partida da final da Taça Libertadores. A viagem é uma forma de os dirigentes do clube uruguaio premiarem os atletas por terem classificado o time para a decisão do torneio continental pela primeira vez em 24 anos.

Com o atacante Juan Manuel Olivera disposto a jogar mesmo que no sacrifício, o técnico Diego Aguirre deverá escalar a mesma equipe que ficou no empate sem gols no confronto de ida, na quarta-feira passada, no estádio Centenário, em Montevidéu.

Além dos 25 jogadores que estão inscritos na Libertadores, a delegação terá também a presença do zagueiro Gerardo Alcoba, que foi desfalque durante toda a competição por conta de uma ruptura de tendões no joelho direito, que o obrigou a passar por cirurgia.

Arouca deslancha em segunda chance com o técnico Muricy

Volante, que não foi muito aproveitado pelo comandante na época de São Paulo, agora é peça fundamental no Santos e mira Seleção Brasileira

Por Joanna de Assis e Marcos Guerra Santos, SP

Arouca no treino do Santos (Foto: Ricardo Saibun / Site Oficial do Santos)Arouca vive dias de felicidade no Santos
(Foto: Ricardo Saibun / Site Oficial do Santos)

A pedido do técnico Muricy Ramalho, Arouca foi parar no São Paulo em 2009. Apesar de ser indicação do treinador, o volante teve poucas oportunidades no Tricolor e acabou se tornando moeda de troca em um empréstimo depois da saída do comandante do Morumbi. Enquanto Rodrigo Souto deixou o Santos para treinar no São Paulo, Arouca desceu a serra e deslanchou no Peixe.

– Foi Deus que me tirou do São Paulo e me colocou no Santos para que hoje eu possa ter esse sucesso. Espero conquistar meu quarto título pelo Peixe na quarta-feira – comemora o volante.

O desafio do Santos na quarta, às 21h50m, é vencer o Peñarol no Pacaembu para se sagrar campeão da Taça Libertadores. Caso se concretize, essa será a quarta conquista de Arouca pelo Alvinegro praiano – antes, ele foi bicampeão do Paulista e também faturou a Copa do Brasil em 2010. Dessa vez, o título viria sob o comando de Muricy, de quem Arouca diz não ter guardado mágoas do período no São Paulo.

– Muitos perguntavam como seria a relação entre nós. Eu nunca tive problema com o Muricy. Era opção dele não me escalar e, quando fiquei sabendo da chegada dele, fiquei muito feliz. Eu sabia que daria liga, ainda mais com o elenco que o Santos tem.

Quando fiquei sabendo da chegada do Muricy, fiquei muito feliz. Eu sabia que daria liga”
Arouca

Muricy chegou ao Peixe e manteve Arouca como peça fundamental. A fase é tão boa que o volante espera chegar à Seleção Brasileira em um futuro não muito distante.

– É um sonho chegar à Seleção. Estou trabalhando forte e essa tem sido uma das minhas melhores fases. Vou buscar uma oportunidade e espero que seja em breve.

Por falar em sonho, aliás, Arouca sonhou que faria um gol na decisão do estadual contra o Corinthians. E não é que ele balançou a rede? Por enquanto, a previsão ainda não se repetiu para a final da Libertadores, mas o volante está se empenhando para isso.

– Estou dormindo bastante para ver se sonho novamente (risos). Mas eu poderia fazer o gol mesmo sem sonhar. Ficaria marcado não só para mim, mas para todos os santistas.

ICFUT – Links para os jogos de 13/06/2011 – Brasileirão Série-A

Videos

http://www.vertvonline.org/

http://www.futebolaovivo.net/tvonline.php

http://www.eugeniosvirtual.com/tevirtual/jogos_vivo.html

http://www.tvaovivogratis.net/

http://www.tvgol.org/

http://www.tvbr.rg3.net/

http://www.assistirtvgratis.net/

http://tvdenet.blogspot.com/

19/06 – 16h00 Figueirense-SC x Atlético-PR
19/06 – 16h00 Palmeiras-SP x Avaí-SC
19/06 – 16h00 Grêmio-RS x Vasco da Gama-RJ
19/06 – 18h30 Ceará-CE x São Paulo-SP
19/06 – 18h30 Flamengo-RJ x Botafogo-RJ

Por Cleber Aguiar – Drama, paixão e morte: o calvário do River Plate na visão da torcida

Fonte:Globo.com

Reportagem da GLOBOESPORTE.COM vê de perto a incredulidade dos torcedores da equipe de Buenos Aires durante a derrota para o Lanús

Por Marcos FelipeDireto de Buenos Aires, Argentina

Parecia dia de decisão. Estádio Monumental de Nuñez lotado para o jogo entre o anfitrião River Plate e o Lanús pela última rodada do Torneio Clausura do Campeonato Argentino. Mas não era uma final. Os visitantes apenas cumpriam tabela, enquanto os donos da casa precisavam de uma vitória para evitar a “promoción”, a temida repescagem contra uma equipe da Segundona para decidir quem seguiria na elite.

Os hinchas (torcedores) do River, entretanto, pouco se importavam com o caráter um tanto deprimente do duelo e, desde antes do apito final, apoiavam a equipe de maneira quase cega.

– Vamos, vamos milionários (apelido do River). Esta tarde, temos que ganhar – cantavam em uníssono os torcedores.

Os hinchas, por sinal, não vaiaram nenhum atleta quando seus nomes foram anunciados pelo sistema de som do estádio. O veterano Matías Almeyda, o goleiro Carrizo e o zagueiro Ferrari foram os mais aplaudidos. Por outro lado, o técnico Juan José Lopez escutou alguns pitos. O motivo?

– Ele não escalou Buenanotte – explicou um torcedor à reportagem do GLOBOESPORTE.COM, que estava no meio da galera, no setor centenário.

Torcida do River Plate no Monumental de Nunez (Foto: Marcos Felipe/GLOBOESPORTE.COM)A torcida do River Plate lotou o Monumental para jogo decisivo (Foto: Marcos Felipe/GLOBOESPORTE.COM)

Por sinal, Buenanotte, já vendido ao Málaga, foi ovacionado por todo o estádio antes da partida e recebeu uma placa da diretoria pelos serviços prestados ao clube.

Morte na arquibancada

Com a bola rolando, um misto de nervosismo e esperança movia as pessoas. Aplausos para um desarme de Almeyda. Vaias para o árbitro por não dar cartão amarelo ao adversário. Palavrões lamentando um gol perdido.

Nesse momento, quando o placar ainda marcava 0 a 0, policiais abrem caminho no meio da torcida. Logo atrás, paramédicos faziam massagem cardíaca em um idoso que era levado para fora do estádio em uma maca. Mas antes de chegar ao hospital, o senhor de 68 anos, torcedor do River, faleceu vítima de um infarto.

Depois, mais drama. Após bela troca de passes, Romero marca para o Lanús aos 30 do primeiro tempo. Silêncio? Nem tanto. Os cerca de mil torcedores rivais vibravam e imitavam galinhas, como não gostam de serem chamados os hinchas do River.

Torcida do River Plate no Monumental de Nunez (Foto: Marcos Felipe/GLOBOESPORTE.COM)Torcedores se desesperam com um dos gols do Lanús  (Foto: Marcos Felipe/GLOBOESPORTE.COM)

Após alguns minutos de lamentações, a torcida do River voltou a entoar cânticos de apoio que se transformaram em gritos de comemoração com o gol de Lamella logo aos dois do segundo tempo.

– Promoción é a p#$% que o pariu – berrou um torcedor, esperando que o River virasse a partida…

O que acabou não acontecendo. E, para piorar, Díaz, aos 48, anotou 2 a 1 para o Lanús. Após o encerramento da partida, a incredulidade com o resultado.

– Só sinto amargura. Não consigo acreditar – murmurou um torcedor, pouco se importando com as gozações dos rivais do Lanús e com a dificuldade para deixar as arquibancadas lotadas do Monumental.

– É o pior dia de nossa história – sentenciou ele, sem lembrar que a situação pode piorar caso o River não supere o Belgrano, quarto colocado da Segundona, na promoción. O primeiro jogo entre as duas equipes está marcado para a próxima quarta-feira, em Córdoba.