Por Cleber Aguiar – Brasileiro joga por país onde não pisou!

Fonte: Folha de São Paulo

ADRIANO WILKSON
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

O goleiro Nilson Corrêa, 35, nasceu no Espírito Santo, profissionalizou-se na Bahia, virou ídolo em Pernambuco e joga em Portugal, onde pretende encerrar sua carreira.

A partir de amanhã, porém, defenderá a seleção de Burkina Fasso, um pequeno país africano com o qual ele nunca teve nenhuma ligação e onde nunca sequer esteve.

Miguel Riopa – 11.abr.2011/France Presse
Nilson Corrêa olha a bola em partida do Vitória de Guimarães
Nilson Corrêa olha a bola em partida do Vitória de Guimarães

Depois de um convite feito pela federação de futebol local, Nilson se naturalizou cidadão burquinense e agora é o goleiro titular da seleção.

De Portugal, carregando um forte sotaque lusitano –ele está no país desde 2005–, Nilson explicou à Folha, por telefone, seus planos para a nação que adotou.

“Quero ir em breve com a família até lá, conhecer o país, a cultura, aprender a ‘parlez français'”, disse.

Editoria de Arte / Folhapress

Da língua oficial de Burkina Fasso, o francês, Nilson conhece apenas o básico.

Quem explica a história insólita é o técnico da seleção daquele país, o português Paulo Duarte. Ao assumir o time, ele percebeu que em Burkina Fasso havia carência de goleiros qualificados.

Como conhecia o trabalho de Nilson, um dos destaques da liga portuguesa na posição, resolveu chamá-lo.

“Não há escola de goleiros na África. Eles fazem o mesmo treino dos demais atletas, o que é ridículo. Não há uma preparação especifica. É difícil haver bons goleiros na África”, afirma o treinador.

Antes do convite, veio a pergunta. “Ele quis saber se eu ainda sonhava em jogar na seleção brasileira. Eu disse que meu tempo tinha passado”, lembra o goleiro, que atuou pela equipe nacional sub-20. Em 1995, foi vice-campeão mundial na base.

Ele diz não temer possível rejeição da torcida por não ter identificação com o país. Na seleção, há outros dois naturalizados, oriundos de Camarões e Costa do Marfim.

O goleiro explica a opção de jogar por uma equipe que está no 44º lugar no ranking Fifa, cujo melhor resultado foi chegar a uma semifinal de Copa Africana de Nações.

“Vou ganhar 5.000 de euros (R$ 11,5 mil) por convocação, fora premiações por alcançar objetivos. Também vou conhecer uma cultura nova, fazer contatos, ganhar experiência”, afirma o jogador.

Ele jamais tinha assistido a um jogo do país africano antes do convite para se naturalizar. “Depois, vi dois jogos deles, em um DVD que o treinador me mandou.”

Com passagens por Vitória da Bahia –era reserva de Dida–, Náutico e Santa Cruz, Nilson é o jogador que está há mais tempo no Vitória de Guimarães, clube português que defende desde 2005.

O goleiro treinou durante a semana e amanhã pretende estrear contra Namíbia, nas eliminatórias para a Copa Africana de Nações.

Mas, como o jogo será fora de casa, Nilson se tornará um raríssimo caso de atleta que defende uma seleção sem nunca ter pisado no país.

Para defender um time de outro país, um atleta precisa viver nele por pelo menos cinco anos. Procurada, a Fifa não respondeu se o jogador está irregular. Duarte diz que também questionou a entidade, sem resposta.

Sem tradição, seleções atraem desconhecido

ADRIANO WILKSON
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

A história do goleiro Nilson tem precedentes no Brasil. Em 2003, o volante alagoano Hamilton, que hoje defende o Sport, viveu situação parecida.

Por influência do técnico brasileiro Toninho Dumas, que treinava Togo, ele foi naturalizado para defender a seleção local.

Com a saída do brasileiro do comando da equipe, Hamilton perdeu espaço.

Outros brasileiros que já defenderam um país africano, como Daniel Martins e André Neles, em Guiné Equatorial, tinham antepassados do local.

Nos casos mais famosos de naturalização de brasileiros –Deco, Liedson e Túlio Tanaka, por exemplo–, os atletas têm ascendência no país ou jogaram por algum tempo nele.

A regulamentação da prática é difícil porque a naturalização de estrangeiros depende das regras internas de cada país. Até 2004, a Fifa permitia que, tendo um passaporte válido, o jogador defendesse uma seleção nacional.

Mas, quando o Qatar tentou naturalizar o atacante Ailton, a entidade endureceu a regra.

O presidente Joseph Blatter chegou a dizer que temia ver uma Copa do Mundo com seleções cheias de brasileiros naturalizados.

Por Cleber Aguiar – Vereador está com medo do Palmeiras acabar !

Fonte: Folha Online

Temendo’ pelo Palmeiras, vereador quer tombar dérbi paulista

Dizendo-se motivado pelo enfraquecimento do Palmeiras a cada ano, o vereador Juscelino Gadelha –que em abril deixou o PSDB– enviou ofício ao Conselho de Patrimônio Histórico de São Paulo pedindo tombamento como bem material do clássico entre Corinthians e Palmeiras.

A informação é da coluna Painel FC, assinada por Bernardo Itri e Eduardo Ohata e publicada na edição desta sexta-feira na Folha.

Ele afirma que, nos últimos tempos, o clássico ficou enfraquecido, dado ao baixo nível técnico do Palmeiras nas disputas. E afirma que esse dérbi não pode cair no esquecimento. Se o processo formulado nesta quinta for aceito, deve ser criado um livro de registros históricos dos confrontos.

Veja íntegra do Painel FC sobre o assunto !

Quem não faz… Dizendo-se motivado pelo enfraquecimento do Palmeiras a cada ano, o vereador Juscelino Gadelha enviou ofício, ontem, ao Conselho de Patrimônio Histórico de São Paulo pedindo tombamento como bem material do clássico Corinthians e Palmeiras.

…toma. Ele afirma que, nos últimos tempos, o clássico ficou enfraquecido, dado ao baixo nível técnico do Palmeiras nas disputas. E afirma que esse dérbi não pode cair no esquecimento. Se o processo for aceito, deve ser criado um livro de registros históricos dos confrontos.

Por Cezar Alvarenga – Férias forçcadas de Fábio Costa é melhor que muitos na ativa.

Fonte: UOL Esportes

Um goleiro experiente, com títulos na carreira, mas com histórico de problemas e caro. Fábio Costa deixou o cenário do futebol há mais de cinco meses, encontra dificuldades no mercado, e sobrevive tranquilamente graças ao volumoso ordenado de cerca de R$ 155 mil que ainda recebe de Santos e Atlético-MG.

O goleiro está de férias forçadas desde janeiro já que é rejeitado pelos clubes. Morando em uma praia do Litoral Norte de São Paulo, Fábio Costa não quer mais a atenção da mídia, se nega a dar entrevistas, e vive a rotina de um ex-jogador, embora ainda tenha vínculo com o Santos até o fim de 2013, e seja atleta do Atlético-MG até o fim do ano por empréstimo.

“A situação dele eu não considero dramática, pois ele tem um salário elevado, um contrato em vigência e longo. Ficar parado e ganhando o que ele ganha eu também gostaria de ficar”, cutucou o presidente santista Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro.

“O Atlético paga metade do salário para o Fábio Costa, e o Santos paga o restante, em dia, respeitando o acordo, cumprindo com as suas obrigações. Mas o jogador não faz parte do elenco do Atlético”, destacou o diretor de futebol do Atlético-MG, Eduardo Maluf.

Cumprindo os compromissos contratuais, Santos e Atlético-MG já desembolsaram juntos cerca de R$ 800 mil para pagar Fábio Costa desde o início do ano. O goleiro vive uma situação cômoda, e não se desespera na procura de um novo clube.
“Ele não vai para qualquer clube. A situação profissional é triste, mas o Fábio Costa sabe que as coisas no futebol mudam de uma maneira muito rápida. Não existem cinco goleiros no Brasil melhor que ele atualmente. A qualquer momento alguém pode precisar do Fábio”, opinou o empresário do goleiro, Marcelo Robalinho.

Clubes da Série B não são vistos com bons olhos. E a dificuldade maior é encontrar algum interessado em pagar cerca de R$ 75 mil mensais, assumindo a quantia gasta pelo Atlético-MG no momento.

No Santos, Fábio Costa vai se tornar um peso maior na virada do ano, ao fim do empréstimo com o Atlético-MG. O time da Vila terá que arcar sozinho com os cerca de R$ 155 mil por mais 24 meses. Isso se nenhum clube surgir com interessado. “O Fábio Costa não tem uma rejeição técnica no mercado. E sim por ter sido um goleiro que vestiu bastante a camisa do Santos, e arranjou muito problema em nome do clube”, destacou Robalinho.

A amizade declarada com o ex-presidente Marcelo Teixeira, e a idolatria do mesmo pelo goleiro, fizeram com que Fábio Costa jamais tivesse uma oportunidade no Santos após a antiga oposição tomar posse do clube.

Por Alisson Tiago – No cinema, torcedor alviverde revive emoção com histórias sobre Palestra

Fonte: Gazetaesportiva.net

Marcelo Belpiede São Paulo (SP)
Fernando Dantas/Gazeta Press

Para alguns torcedores do Palmeiras, a noite desta quinta-feira foi reservada para pegar a camisa do time de coração e ir ao Pacaembu. Jogo do Verdão no Campeonato Brasileiro? Na verdade, a bola rolou apenas na tela do cinema. A abertura da versão paulista do Cinefoot-2011 teve a exibição do documentário Primeiro Tempo, que conta a história do Palestra Itália – a verdadeira casa do clube – que foi fechado para reforma.

Na apresentação realizada no Museu do Futebol, ficou claro que o palmeirense está órfão de sua casa, fechada em julho do ano passado após amistoso contra o Boca Juniors, da Argentina, para o início de um processo de modernização. Aliás, muitos relataram a emoção ao fim da história. “Não adianta, não tem o mesmo gostinho. Eu ia sempre ao Palestra, é o lugar em que crescemos, e agora fui só umas três vezes ao Pacaembu”, comenta o torcedor Artur Rastelli, de 25 anos, que trajava uma camiseta com a estampa do Palestra Itália.

Fernando Dantas/Gazeta Press

Documentário teve até fila de espera

Ansiosos em reviver as lembranças de sua casa, os palmeirensesesgotaram os 180 lugares da sala de cinema do Museu do futebol com 25 minutos de antecedência – houve distribuição gratuita dos ingressos. Com a presença de muitas pessoas na fila de espera, a organização do Cinefoot realizou uma nova sessão logo em seguida.

Com duração de 45 minutos mais dois de acréscimo, o Primeiro Tempo tem como base a despedida do Palestra Itália em jogos oficiais, no dia 22 de maio, contra o Grêmio, em partida do Campeonato Brasileiro do ano passado. “Tivemos a ideia e fomos fazer, foi tudo em cima da hora. Juntamos 25 pessoas e fomos lá. Foi pelo prazer de fazer, agora o que vier é lucro”, comenta o diretor do documentário, Rogério Zagallo, que já tinha experiência em produções relacionadas ao futebol – foi o responsável pela realização do “Juventus rumo a Tóquio”.

O conteúdo do Primeiro Tempo ainda foi recheado com depoimentos de nomes históricos do Verdão, como César Maluco, Marcos, Oberdan Cattani, Valdir Joaquim de Moraes, Ademir da Guia e Evair, que dão um tom de despedida ao antigo estádio. “Esse documentário procura fugir um pouco do padrão das produções normais sobre futebol, que apresentam títulos, gols”, explica Zagallo.

Fernando Dantas/Gazeta Press

Rogério Zagallo é o diretor da produção

O Primeiro Tempo teve a primeira sessão aberta ao público nesta quinta-feira e futuramente será passado em Ouro Preto (MG). Anteriormente, havia sido exibido apenas a convidados. Na verdade, a produção enfrentou alguns problemas em função da demora do presidente Arnaldo Tirone em assinar o licenciamento da parte do Palmeiras.

Sem patrocinadores, o Primeiro Tempo ainda não é um projeto rentável aos seus realizadores. Nem mesmo o Palmeiras colocou-se à disposição para contribuir com a sua realização, mas por ceder o licenciamento poderá receber parte dos lucros. Haverá ressarcimento dos investimentos apenas a partir do segundo semestre, quando será vendido em um DVD.

Ainda assim, Rogério Zagallo prefere pensar na segunda parte do documentário, o Segundo Tempo, que irá contar a caminhada das obras da futura Arena Palestra Itália e já tem o final pré-definido. No futuro, as duas produções vão virar um longa-metragem. “O encerramento desta história será em abril de 2013, com o pontapé inicial do jogo de abertura do novo estádio”, admite.

Frutos do Mundial – A exibição do documentário Primeiro Tempo foi apenas a abertura do Cinefoot, um festival de cinema exclusivamente sobre futebol que está na segunda edição, teve origem no Rio de Janeiro e se expandiu para São Paulo. Diretor do evento, Antônio Leal acredita que as produções sobre o esporte mais popular do país irão crescer com a Copa do Mundo de 2014.

Fernando Dantas/Gazeta Press

Público conta com outras produções no festival

“A nossa intenção é formar uma plateia deste segmento”, conta o responsável pelo festival, que também encontra dificuldades em viabilizar os projetos. “Por enquanto, não temos patrocinadores, somente a ajuda de locais como o Museu do Futebol. Mas queremos tornar esse projeto sustentável e confiamos no crescimento até 2014”, emenda Antônio Leal, que está disposto a trazer produções internacionais nos próximos anos.

O Cinefoot estará em cartaz até o próximo domingo no complexo do estádio do Pacaembu e ainda irá apresentar outras produções, como o Soberano – Seis Vezes São Paulo e Futebol de Várzea. A programação completa pode ser vista no site http://www.cinefoot.org.

Veja o trailer do documentário Primeiro Tempo:

ICFUT – Metrossexuais da bola vão de cabelos exóticos a cremes e sobrancelhas perfeitas

Fonte: Portal Uol

Estrelas do futebol brasileiro mostram vaidade e assume cuidados pela beleza

Estrelas do futebol brasileiro mostram vaidade e assume cuidados pela beleza

Do UOL Esporte
Em São Paulo

As pesquisas das principais indústrias de cosméticos do mundo indicam que, quando o assunto é beleza, a maior preocupação das mulheres brasileiras é o cabelo. No futebol, entre os homens, não é diferente. Os penteados tomam o tempo e são o melhor termômetro para medir o grau de vaidade dos boleiros, mas não o único. Muitos também não dispensam cremes, perfumes e até fazem a sobrancelha no melhor estilo metrossexual.

Se a juba é prioridade, vale tudo para deixá-la intacta. Cortes com topetes, raspados ou arrepiados, milimetricamente alinhados (ou desalinhados) com ajuda de sprays, gel, pomadas e cremes. Um verdadeiro arsenal de produtos com promessas cada vez mais mirabolantes.

O moicano tem dominado a cabeça dos jogadores pelos gramados do país. O corte de cabelo indígena, popularizado com o movimento punk na década de 80, caiu nas graças dos boleiros impulsionado pelo inglês David Beckham, vaidoso nato que lançou moda na Copa de 2002. Hoje o estilo é imortalizado por Neymar.

OS VAIDOSOS DO FUTEBOL BRASILEIRO

OS DEMORADOS OS PERFUMADOS SOBRANCELHAS PERFEITAS
No Santos, Neymar não dá entrevistas sem tomar banho, enquanto Diguinho é o último a deixar o vestiário do Fluminense. Richarlyson também fica ‘horas’ se produzindo da Cidade do Galo. No Cruzeiro, Fabrício e Thiago Ribeiro são campeões no chá de cadeira Luan, do Palmeiras, Richarlyson, do Atlético-MG, e Fred, do Fluminense, admitem quem gostam de cremes e perfumes importados. Neymar e o são-paulino Bruno Uvini usam até cremes da famosa marca Victoria’s Secret. É um dos temas mais polêmicos entre os boleiros vaidosos. Poucos admitem a prática considerada feminina, mas muitos exibem traços milimetricamente perfeitos na sobrancelha. É o caso de Fernandinho e Casemiro, do São Paulo, Leandro, do Grêmio, e Fred, do Flu

A maior joia do futebol nacional adotou o corte aconselhado por um amigo e nunca mais se desvencilhou dele. Já fez até suas adaptações e criou o “moicatrança”. O jovem é copiado por milhares de crianças, adolescentes e até colegas de profissão. O atacante Leandro, do Grêmio, admite que vai ao cabeleireiro semanalmente só para ficar parecido com o santista.

Neymar também é a maior prova de que a preocupação dos jogadores em ficarem bonitos nas fotos e atraentes para as mulheres superam o cabelo. Antes discreto, com o visual básico da cabeça raspada, ele já usa tatuagem falsa em treinos, roupas de grife, acessórios chamativos e até cremes hidratantes da marca Victoria’s Secret, há pouco tempo popular só entre as mulheres.

O santista faz parte do grupo que costuma dar chá de cadeira nos jornalistas depois dos treinos. Afinal, se recusa a conceder entrevistas antes de tomar um longo banho. Outro que não pode reclamar da demora de sua esposa é o cruzeirense Thiago Ribeiro, que tem trabalho para deixar seu cabelo em um arrepiado perfeito. O ritual se repete com Richarlyson no Atlético-MG.

Por Cleber Aguiar – Túlio reivindica média melhor que a de Pelé e analisa camisas 9 de Mano.

Fonte: Uol.com

Ainda em busca do milésimo gol, Túlio Maravilha exerce mandato de vereador

Ainda em busca do milésimo gol, Túlio Maravilha exerce mandato de vereador

Bruno Freitas
Em Goiânia

Ainda em busca de um camisa 9 que tome conta de vez da posição, a seleção realiza partida amistosa no sábado contra a Holanda em Goiânia. Justamente na terra de um dos maiores artilheiros do país, Túlio Maravilha, que deve estar presente ao estádio Serra Dourada para ver de perto a disputa pelo posto que já foi seu.

VEJA O QUE TÚLIO ACHA DOS ATACANTES

FRED
“É um centroavante típico, tem presença de área, protege bem a bola. Apesar de ter muita velocidade, é muito técnico, tem raciocínio. Não é à toa que é o atual campeão brasileiro. Por ter disputado uma Copa do Mundo, tem uma certa experiência a mais”
LEANDRO DAMIÃO
“É uma jovem promessa, está bem no Internacional, fazendo gols. Tem estatura, a bola aérea é o seu forte. Tem um jeito gaúcho de jogar, brigador, se assemelha ao estilo europeu. É uma promessa do Mano, quem sabe estará lapidado até 2014”
PATO
“É o mais famosos dos três, é campeão italiano, tem toda a pompa de super-astro, mas na seleção ainda não se firmou. Ainda não chegou a ser aquele Alexandre Pato matador. Tem um estilo mais leve, parecido com o Neymar, cai pelos lados. Desses três, hoje é que tem a preferência para começar os amistosos e a Copa América”

Apesar de exercer o mandato de vereador em Goiânia, Túlio ainda persegue a marca de mil gols. Nas suas contas, tem atualmente 958. Mas pela seleção o atacante afirma que já é um recordista histórico.

“Você sabia que eu tenho a melhor média de gols da história da seleção? Pode pesquisar aí. Foram 14 jogos e 13 gols, quase média de um por jogo. Nem Pelé tem isso”, diz Túlio, acompanhado de seu folclórico humor auto-referente.

Para atestar a marca de Túlio, seria preciso revirar os arquivos da CBF, levando em consideração jogadores com poucos jogos pelo Brasil. Mas, de fato, a história mostra que o atacante goiano (0,92 gol por partida) está à frente de ídolos como Pelé (0,83), Zico (0,75), Romário (0,74) e Ronaldo (0,63).

Sobre o mais especial dos gols pela seleção, Túlio responde sem hesitar, lembrando de um polêmico lance na Copa América de 1995, quando ajeitou com a mão antes de marcar contra um famoso rival. “Foi aquele contra a Argentina. Eles ficaram na bronca, né?”, diz.

A pedido da reportagem do UOL Esporte, Túlio analisou as três opções de centroavante definidor convocadas por Mano Menezes. Na avaliação, o veterano atacante de 42 anos foi pela linha da diplomacia, sem críticas. O vereador do PMDB em Goiânia teceu elogios a Fred, Leandro Damião e Alexandre Pato e disse ver o jogador do Milan em vantagem pela posição.

Apesar de convocado, Pato não está em Goiânia, pois se recupera de uma lesão no ombro esquerdo. Mesmo assim, corre contra o tempo para poder figurar no grupo brasileiro que disputará a Copa América na Argentina.

Por Rogerinho – Que pena! Maria, ex-BBB, rejeita fazer ensaio em revista do São Paulo

Fonte: Futebolinterior.com.br

Vencedora do BBB 11, Maria recusou a oferta alegando compromissos mais importantes

Vencedora da edição 11 do Big Brother Brasil e torcedora do São Paulo, Maria Mellilo recebeu uma proposta para fazer um ensaio sensual a revista oficial do Tricolor do Morumbi. No entanto, a diretoria são-paulina acabou recebendo um sonoro “não” da milionária modelo.

O motivo alegado pela ex-BBB foi compromissos profissionais já assumidos anteriormente. Ela está fazendo matérias para o programa Mais Você, da Rede Globo. Além disso, Maria tem um contrato para fazer um ensaio nu na revista Playboy, que .Outras ex-BBB’s já foram capas da revista do São Paulo. Cacau, participante da edição 10 do programa, e Michely, que assim como Maria participou do BBB 11, tfizeram ensaios para a revista tricolor após posarem para a Playboy.

Para não deixar o internauta na mão, o Portal Futebol Interior traz na galeria de fotos tudo o quer a revista do São Paulo deixará de publicar.