Por ICFUT – Gilmar: Ronaldo foi irresponsável ao negociar ida de Adriano para Timão

 

Deixado de lado na negociação, empresário lembra que apresentou um ao outro e confirma que não trabalha mais com o Imperador

 

gilmar rinaldi coletiva (Foto: Carlos Augusto Ferrari/Globoesporte.com)
Gilmar Rinaldi convoca coletiva para falar de Adriano

Gilmar Rinaldi desabafou nesta segunda-feira. Depois de dez anos cuidando da carreira de Adriano, o empresário anunciou oficialmente o que todos já sabiam desde o acerto com o Corinthians: ele não trabalha mais com o Imperador. Apesar do rompimento, o ex-goleiro pediu que o Timão cuide com carinho do goleador, mas não poupou críticas ao comportamento de Ronaldo, um dos responsáveis pelo acordo com o clube paulista.

Em uma entrevista de aproximadamente uma hora, em seu escritório, no bairro de Pinheiros, em São Paulo, Gilmar Rinaldi revelou que a crise com Adriano começou no processo de rompimento de contrato com o Roma-ITA e mostrou claramente que carrega uma mágoa por ter sido colocado para escanteio pelo centroavante nas últimas semanas.

Rompimento
“Falar de ídolo é complicado. Eu sei que isso dá desgaste, mas não posso deixar para lá. Eu tenho que me posicionar. Se eu não conhecesse o Adriano, poderia relevar. Minha preocupação não é deixar de ser o agente. Não fui avisado por ele e por ninguém que não sou. Agora, estou comunicando. Falei para a mãe dele, tentei ligar para ele, mas não atendeu. Não vou trabalhar mais para ele. Quando ele me chamar, se precisar, eu vou”.

Ronaldo na negociação
“Decepcionado não estou com ninguém. Se ele pensasse no bem do Adriano, eu seria a primeira pessoa a conversar. Eu acho que, de forma irresponsável, ele vem e convence o Adriano de que, talvez, não seja melhor fazer contrato via Gilmar. O Ronaldo não falou comigo, não perguntou como estava o Adriano. Ele sabe que sou o agente. Eu apresentei os dois. Parece fácil, uma grande jogada de marketing. Aqui não é o marketing que está importando. Estamos falando de um homem, pai de dois filhos, que vai continuar depois dessa aventura. A vida dele continua depois de Corinthians”.

O início da crise
“Claro que eu sabia que o Roma queria dispensá-lo. Na rescisão, não gostei do comportamento do Roma. O clube colocou o agente dele, Roberto Calenda, que não é sério. Ele cativou, conquistou a confiança do Adriano. Ele foi com o Adriano no Roma e assinou toda a
documentação. O Roma tinha pendências e uma promessa não cumprida de cuidar do Adriano. Eles assinaram e nem me avisaram. O Roma nem me comunicou que estava sendo feita a rescisão”.

Futuro e cuidados com Adriano
“Só peço ao presidente do Corinthians, ao Ronaldo e ao Joaquim Grava, que operou minha filha, que cuidem dele. Não só na parte física, porque nisso ele é um monstro. Confio muito na recuperação do Adriano, mas com acompanhamento. Vou torcer muito para que ele volte a ser
aquele grande jogador. Ele vai ser colocado em um dos maiores times do mundo e vai ser cobrado. Se isso tivesse passado por mim, não abriria mão. Eu exigiria acompanhamento nessa outra parte dele. Não é defeito. Todo mundo tem problemas e em algum momento precisa de ajuda especializada. Não consigo entender essa falta de comunicação. Ele nunca foi uma jogada de marketing. Espero que não pensem nisso”.

Alcoolismo e drogas
“Essa pergunta foi feita quando estivemos com o psiquiatra Adriano Sigal em São Paulo. Ele me garantiu que não. Isso tudo é consequência. O problema do Adriano é a dificuldade em lidar com os problemas da vida”.

Interesse do Corinthians
“Um dia fui ao CT para conhecer e encontrei muitos amigos, um deles o Joaquim Grava, que confio e conheço há muito tempo. Encontrei o Ronaldo fazendo fisioterapia. No momento, ele falou: “vamos trazer o menino para cá, não está bem lá”. Tudo bem, vamos conversar e ajudar.
Ele sabe dos problemas dele e podemos pensar. Fui à Itália, conversei e o Adriano não quis retornar ao Brasil.

O Corinthians realmente estava interessado, conversei com o presidente por telefone. Muitas vezes deixamos coisas avançadas e definidas. O presidente disse que o Ronaldo ajudaria muito, até porque o Ronaldo conhece bastante o Adriano.

Depois disso, teve a negociação do Fabio Santos. O Andrés perguntou se o Roma aceitaria uma proposta. Eu disse que tinha que esperar o momento certo, mas não era aquele. Depois, na Disney, me ligou o Duílio (Monteiro Alves, diretor do Corinthians) falando que o
Corinthians faria uma proposta oficial para o Roma. Eu disse que ele sairia sem custo nenhum. Liguei pro Duílio depois da rescisão do Adriano, mas ninguém atendeu”.

Outras propostas e quase acerto com o Palmeiras

“Fui procurado por muita gente (Botafogo, Vasco, Flamengo, Atlético-MG, Grêmio, Cruzeiro, um clube dos Estados Unidos e Sporting-POR) que queria contratar o Adriano, mas expliquei que ele não estava bem e que gostaria de um plano de recuperação. Estive com o Felipão antes das
eleições do Palmeiras. Coloquei o Felipão para falar com o Adriano na Itália e até com a mãe dele. Conversei muito com ele e torci para que pudesse evoluir”.

ICFUT – Pelo Brasileirão… Record pode fechar parceria com rival para bater Globo

Fonte: futebolinterior

Até o momento, 11 clubes já oficializaram acordo com a Globo oficialmente

Record + RedeTV! x Globo?

A disputa pelos direitos de transmissão do Campeonato Brasileiro, a partir de 2012, continua apimentada. Na edição desta segunda-feira, o jornal Folha de S. Paulo informou que a Rede Record deve ter uma reunião com a RedeTV!, nesta semana, para discutir uma possível parceria.

A emissora do bispo Edir Macedo estaria disposta a dar uma “ajuda financeira” à concorrente para também transmitir a competição. A ideia do canal paulista também é mostrar aos clubes que a argumentação da Rede Globo, que usou-se da visibilidade para atrair os clubes dissidentes, não compensa o valor menor que receberão. Vide o Flamengo, que mesmo tendo jogos transmitidos pelo canal do “Plim-Plim” ainda não tem patrocínio.

Até o momento, 11 clubes já oficializaram acordo com a Globo oficialmente. São eles: Grêmio, Goiás, Cruzeiro, Vitória, Coritiba, Corinthians, Vasco, Sport, Santos, Palmeiras e Bahia. Por outro lado, o Clube dos 13 assinou contrato com a RedeTV!, alegando ter procuração de 15 clubes.

Dos 20 clubes filiados ao C13, somente Corinthians, Fluminense, Palmeiras, Santos e Goiás não fazem parte do acordo. Já Flamengo, Botafogo, Vasco,Grêmio, Cruzeiro, Coritiba, Sport e Vitória entraram na lista por terem débitos financeiros com a entidade, o que forçaria esses clubes a manter o compromisso com o C13.

ICFUT–Entrevista com Rogério Ceni

Fonte: globo.com

Ceni exclusivo: ‘Treinei 15 mil faltas antes de arriscar a primeira num jogo’

Os pés e as mãos de Rogério Ceni, duas armas mortais (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)Pés e mãos: as armas mortais do são-paulino Rogério Ceni (Foto: Marcos Ribolli / Globoesporte.com)

GLOBOESPORTE.COM: Como surgiu a vontade de bater falta?
ROGÉRIO CENI:
Em 1996, o São Paulo não fazia gols de falta. Eu falava pro Zetti bater, mas ele não queria. Aí disse pra ele que eu ainda iria fazer um gol de falta pelo São Paulo ou por outro lugar. E comecei a treinar. Em 97, quando o Muricy (Ramalho) me liberou para tentar as cobranças, fiquei feliz. Achava que não sairia da fase de treinamentos, e ele me possibilitou bater nos jogos.
Quantas cobranças em média você treinava?
No início eu batia entre 2.500 e 3 mil faltas por mês nos treinos. Antes da minha primeira cobrança em um jogo cheguei a cobrar 15 mil nos treinamentos.
Você fez gol de pênalti, de falta, até de bola rolando. Qual o gol que não fez e gostaria ter feito?
Teve um lance em que a bola passou muito perto, em um jogo contra o Paysandu, no Brasileiro. Eu chuto, ela vai na barreira, volta, e pego de voleio. Ia entrar, mas ela resvala em um adversário e sai. Seria um gol diferente. Lógico que eu queria ter feito um driblando todo mundo, mas nunca vai acontecer.

Faz falta não ter marcado um gol pela Seleção Brasileira?
De maneira nenhuma. Nada me faz falta na Seleção. Foi um momemto bacana que vivi, não tão intensamente como no São Paulo, mas foi legal, conheci muita gente, aprendi muita coisa, vi como tudo funciona. Bati uma falta contra a Colômbia (em 2000), mas o zagueiro tirou na linha. Na cobrança, brinquei com o Rivaldo, que estava na bola comigo. Pedi: "deixa pra mim essa aí, você já está consagrado". Mas o zagueiro acabou tirando.

O que você leva em consideração quando bate uma falta?
O principal é a distância da barreira. Se o juiz a mantém na distância certa, dá para saber como arriscar. O número de jogadores nela também influencia. A cobrança muda se está chovendo ou está seco. Depende do vento, se ele contra preciso calcular a força.
Costuma estudar o goleiro adversário antes dos jogos?
Não estudo tanto, mas se a falta é mais longe, daquelas que eu não bato, eu presto atenção na movimentação do goleiro, se ele sai antes ou não, se toma gols no canto. Há uma porção de fatores que, naqueles dez segundos entre a armação da barreira, o apito do juiz e a batida, você desenvolve de forma automática: vê distância, vento, altura, posicionamento, gramado, chuva…
Você leva alguma vantagem por ser goleiro? Pois sabe como a bola chega para seu adversário…
O pênalti é muito mais calma e tranquilidade. Não pode haver ansiedade, isso conta muito mais do que a parte técnica. Tem goleiro que vai para um lado e para o outro. Você tenta induzir ao erro. Enfrenta um, tenta induzir, ele erra o canto, e na próxima vez aparece o jogo psicológico: ele acreditar que você vai repetir, ele tentar imaginar o que você fará.

O que te falta na carreira?
Não falta nada até hoje, mas amanhã faltará. A partir de amanhã preciso mostrar que posso ganhar, ser campeão, vencer o próximo jogo, o próximo campeonato. Se eu achar que tudo está bom as coisas não progridem mais. Quanto mais você conquistar, melhor. Não estou satisfeito com o que fiz, quero mais, quero ganhar o próximo.

Te incomoda quando há alguém no grupo que não tem essa postura?
Incomoda a todos. O futebol hoje é diferente. Há muito apego a quanto o atleta custou, quanto pode render ao ser vendido. Hoje se passa muito a mão na cabeça. O que manda no futebol é a parte financeira. Você tem que fazer de conta que não vê e tentar contornar. Antigamente as coisas eram mais resolvidas entre jogador e treinador, mas hoje não. Há todo um processo, o clube não pode ter perda. Mas a maioria dos profissionais atualmente é dedicada, de chegar na hora certa, é difícil ter aquele que atrasa ou falta ao treino. Antigamente isso ocorria mais e era natural, a pressão hoje é maior.

Quais foram os técnicos mais importantes na sua carreira?
Não sei quantos técnicos tive. Devo muito ao Telê, que é um mito no São Paulo pelos títulos e pela pessoa que era: um cara sério, duro, mas justo. Aí veio o Darío Pereyra, o Muricy, que depois voltou e foi um baita cara vencedor. Tive o Levir Culpi que adorava, o Nelsinho (Batista) foi fantástico, me ajudou muito, o Paulo (César Carpegiani), o Vadão, o Oswaldo de Oliveira… O São Paulo sempre contrata caras de bom caráter, como o Paulo Autuori e o Leão, que era mais duro, mas era o nome certo para aquele momento.
Chilavert já batia faltas, mas depois de você surgiram outros goleiros-artilheiros. Sente orgulho do legado?
Eu nunca tinha visto o Chilavert fazer gol de falta. Na década de 90 não tinha canal fechado de TV, era difícil ver Campeonato Argentino. O primeiro gol dele que eu vi foi na decisão da Libertadores em 94. Foi a primeira vez e não foi por isso que comecei. Comecei porque gostava. Mas hoje eu vejo que alguns batem e fico feliz. Não é uma necessidade para se tornar um grande goleiro. Mas é um ingrediente legal. O futebol é um jogo, um espetáculo, os torcedores vão pra ver coisas bacanas, vão pra ver o diferente.

Pode dar conselhos aos goleiros que decidirem seguir seu caminho?
Os do São Paulo observam mais. Às vezes antes de eles pedirem eu levanto e falo "a bola tem que rodar desse jeito". Mas cada um tem um estilo. O Leo (Leonardo) é o que bate mais semelhante ao meu jeito. Sei que lá em Cotia os meninos da base também treinam cobranças.
Tem algum goleiro que não tomou gol seu, mas você gostaria de ter feito?
Não penso no outro. Faço o gol pelo meu time e não por demérito ao adversário. Não quero dizer que sou melhor que ninguém.

Sofrer gol de outro goleiro é um desmerecimento?
Não, desde que não seja falha minha. O goleiro é um goleiro. O Chilavert bateu várias faltas em mim, mas fez um gol de pênalti em um 3 a 3 entre São Paulo x Velez na Argentina. Durante os 90 minutos foi o único que sofri, e foi uma pancada forte. Esperei, mas não peguei.
Rola provocação dos goleiros quando você vai arriscar um gol?
Eles brincam e dizem "pô, vai fazer gol em mim?" ou "chuta pra fora". Mas provocação nunca teve. Nunca tentaram fazer nada.

Toda vez que você vai tentar uma cobrança no campo do adversário sabe que corre o risco de ser surpreendido, o que já aconteceu duas vezes. Era um risco calculado?
Sim. O gol do Roger (São Paulo 4 x 3 Fluminense, pelo Rio-São Paulo de 2002) foi ilegal porque tínhamos quatro jogadores em posição irregular: três no círculo central e outro no campo deles. Não seria um gol. O França estava na bola, mas ficou desatento. Foi até bom porque foi um jogaço: fiz o 4 a 2, ele fez 4 a 3. Para a beleza do espetáculo foi um gol bacana, que gostei de tomar. Naquele dia o Gustavo Nery me deu uma gravata na hora da comemoração e eu não conseguia voltar pro gol. No jogo contra o Santos (São Paulo 1 x 2 Santos, pelo Brasileirão de 2005) o lance se originou em uma falta mal batida., que foi na barreira e voltou no Cicinho. Mas como veio forte ele não conseguiu dominar e ela escapou. Ai o Fabão recuou demais. O posicionamento correto seria ir no combate, aí já estaria antes da linha do meio-campo. Era para interpretar a regra com frieza. Se ele vai no cara, faz falta ou obriga o mesmo a tocar a bola para outro, que estaria impedido.

Em quem você se espelhou pra repor a bola com precisão?
No meu primeiro ano trabalhei com o Gilmar (Rinaldi), que estava no último ano dele. Ele tinha uma  reposição muito boa. O Alexandre, que faleceu em 92, tinha ótima reposição, e fui aprendendo. O Zetti estava aqui também. Todos treinavam diariamente, um repunha pro outro. Quando eu comecei, achei que jamais acertaria um cara a 50 metros de distância. Fui repetindo, e hoje é um movimento natural e os goleiros já começam uma jogada na reposição. Antes era só aquele balão pro alto.

No dia 7 de setembro você vai completar 21 anos de São Paulo e sabe o peso que isso tem para a torcida. É o último romântico do futebol?
Não me sinto assim, mas, se pra mim é importante estar aqui, imagino que pro torcedor, que é apaixonado pelo clube, também seja. A torcida brasileira sofre de uma carência relativamente grande de ídolos, apesar de o Brasil estar com a moeda fortalecida e trazendo gente de volta. Mas eu acho que é uma marca relativamente impressionante pelo tempo e pelo número de jogos. Eu me machuquei pouco, fiquei poucas partidas fora. Isso é legal pro torcedor. Aquele mais velho, que viveu as décadas de 50 e 60, sabia de cor os 11 titulares do time, que raramente mudava. Mas hoje não é assim. É um orgulho para o torcedor ter esse apego e essa identificação com determinados atletas.

O Raí diz que você é o maior ídolo da historia do São Paulo. Concorda?
O São Paulo é um clube com mais de 70 anos, e cada jogador foi importante para a sua época. Talvez uma pessoa de 80 anos possa ter outros ídolos como referência. Mas acho que faço parte de uma fatia de jogadores que são especiais no clube. O Raí é um deles. Para mim, ele é o maior jogador da década de 90 no São Paulo. Aí vamos buscar Pedro Rocha, Roberto Dias, Careca, cada época tem os seus. Não me considero o maior ídolo. Sempre via o Raí e pensava: "como vai ser quando ele parar?" e "teremos outro Raí?" Ele parou, e nós conseguimos ganhar Mundial, Libertadores e Brasileiro. Cada um tem seu tempo. Eu vou ficar marcado na memória do torcedor por essa ultima década, esses últimos dez ou 15 anos. Mas seria impossível responder quem é o maior. É muito abrangente. Faço parte de uma galeria de ídolos que escreveram a história do clube.

Aos 38 anos, a carreira está chegando ao fim. Está preparado?
Jogo mais quatro ou cinco anos, e aí tudo acaba (risos). Eu procuro não pensar. Sei que deveria, mas hoje prefiro viver dia após dia, ver se consigo fazer o São Paulo vencedor. Não quero viver hoje o que vai acontecer daqui a dois anos. Vai ser um momento muito complicado, é uma vida toda nessa profissão. Não é que vou mudar de empresa, eu vou mudar o que escolhi para a minha vida. Espero estar preparado e entender da melhor maneira possível. Mas acordar o dia seguinte vai ser uma experiência difícil.

ICFUT – Com críticas a Ronaldo, Gilmar Rinaldi anuncia que não é mais empresário de Adriano

Fonte: oglobo

Gilmar Rinaldi anunciou nesta segunda-feira que não é mais o empresário do atacante Adriano. Gilmar não gostou de ter sido deixado de lado na negociação com o Corinthians, que foi intermediada por Ronaldo. Em entrevista coletiva, Gilmar cirticou a atitude do Fenômeno.

– Se ele pensasse no bem do Adriano, eu seria a primeira pessoa a conversar. Eu acho que, de forma irresponsável, ele vem e convence o Adriano de que, talvez, não seja melhor fazer contrato via Gilmar. O Ronaldo não falou comigo, não perguntou como estava o Adriano. Ele sabe que sou o agente. Eu apresentei os dois. Estamos falando de um homem, pai de dois filhos, que vai continuar depois dessa aventura – lamentou.

Apesar disso, o empresário pediu uma atenção especial com o atacante.

– Eu sempre pedi um grande programa de recuperação para todos os clubes, com psiquiatra. Agora eu peço que o Corinthians, o Ronaldo, e principalmente o Grava (médico do clube) possam ajuda-lo nisso – disse.

Gilmar cuidou da carreira do Imperador nos últimos dez anos e afirmou que os problemas de Adriano não estão relacionados a álcool e drogas e sim à "dificuldade de lidar com os problemas da vida".

ICFUT – Julgado nesta segunda, Thiago Heleno pode ficar nove jogos fora

Fonte: gazetaesportiva.net

Um dos destaques do Palmeiras ao marcar dois dos três gols da vitória diante do Bragantino, neste último sábado, pelo Campeonato Paulista, o zagueiro Thiago Heleno será julgado nesta segunda-feira pelo Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo, por conta da expulsão no jogo diante do São Caetano. O defensor pode pegar um gancho de até nove jogos como punição.

O zagueiro responderá por dois artigos. No 250, a pena pode chegar a três jogos por "praticar ato desleal ou hostil durante a partida". Já no artigo 258, que prevê suspensão de até seis jogos, a acusação é de assumir qualquer conduta contrária à disciplina ou à ética desportiva.

Guilherme Ceretta de Lima, árbitro do duelo disputado no Anacleto Campanella, explicou na súmula que Thiago Heleno, expulso aos 23 minutos do segundo tempo, empurrou Anderson Marques, além de desferir um tapa no ombro do jogador e ainda chutar a bola contra a placa de publicidade, na sequência.

O advogado do Palmeiras, André Sica, estará no julgamento e acredita que não houve violência por parte do zagueiro no lance, prometendo expor as imagens para comprovar que a expulsão teve como objetivo manter a disciplina na partida, e não punir uma atitude desleal.

ICFUT – Corinthians oficializa a contratação de Adriano

Fonte: lancenet

Clube afirmou ainda que não definiu data e horário da apresentação do Imperador

Adriano Corinthians (Foto: Divulgação)Já como jogador do Corinthians, Adriano posa com a camisa 10 (Foto: Divulgação)

O Corinthians oficializou Adriano como novo reforço do clube. No início da tarde desta segunda-feira, o clube publicou uma nota oficial em seu site confirmando o acerto com o Imperador.

Segundo a nota emitida pelo Timão, o Imperador realizou a assinatura do contrato – com duração até junho de 2012 – na manhã desta segunda-feira. Entretanto, oLANCENET! revelou que o acordo com o Imperador já havia sido selado desde a última quinta-feira.

O plano da diretoria corintiana é realizar a apresentação do Imperador ainda nesta semana. Em comunicado, o clube afirmou que ainda não definiu data e horário do evento. Um dos planos, ainda não confirmado, é apresentar Adriano em uma cerimônia no Parque da Independência, em frente ao Museu do Ipiranga.

Confira abaixo a nota oficial publicada no site

Na manhã desta segunda-feira, o atacante Adriano assinou contrato com o Corinthians e será mais um reforço do Timão para a temporada 2011. O acordo firmado hoje vale até junho de 2012.

Entretanto, o atacante só poderá atuar a partir de maio deste ano, quando começa o Campeonato Brasileiro, já que as inscrições do Paulistão estão encerradas.

Adriano Moreira Leite tem 29 anos e diversos títulos, como campeão Brasileiro, Italiano, da Copa América e da Copa das Confederações.

ICFUT–Entrevista com Adriano

Fonte: globo.com

Adriano avisa: ‘me contratar é sinônimo de gol’

0,,47394851,00

Em entrevista a Patrícia Poeta, jogador diz que vai fazer o possível para não chegar atrasado nos treinos do Corinthians e avisou que a carreira internacional está encerrada.

Patricia Poeta: Adriano, você diz que sua volta ao Brasil era em busca de felicidade. Há um ano você achava que podia ser feliz no Roma?
Adriano: Eu achava sim, não deu certo porque eu me machuquei muito, me machuquei três vezes num ano, nunca me machuquei tanto assim na minha vida.
Patricia Poeta: Você acha que isso era cabeça ou era corpo?
Adriano: Eu acho que foi mais corpo, dessa vez. Eu estava super tranquilo lá, não estava triste, estava feliz em uma cidade maravilhosa.
Patricia Poeta: Por que parece ser mais difícil pra você do que é para outros jogadores brasileiros viver longe do país, ficar longe da família?
Adriano: É porque os outros jogadores têm a família perto, tem a mulher, são casados e eu nunca me casei. Queria ter uma mulher do lado, queria ter um carinho, às vezes chegava nervoso não tinha ninguém para conversar. Então, querendo ou não é difícil.
Patricia Poeta: Dá pra dizer que aos 29 anos a sua carreira internacional está encerrada ou não?
Adriano: Está, hoje eu não saio do meu país mais não.
Ele quer voltar à seleção, onde brilhou em 2004 e 2005. Jogava no Inter de Milão, onde ganhou o apelido de Imperador. Mas a última conquista faz dois anos, foi o Campeonato Brasileiro pelo Flamengo. Adriano sabe que o Corinthians é a chance de estar de novo no topo.
Adriano: Eu estou indo para o Corinthians de coração, quero conquistar o coração dos corintianos. O Ronaldo me ajudou também muito , ele disse “vamos para lá que você vai gostar”.
Patricia Poeta: Então, foi o Ronaldo que aconselhou você a ir para o Corinthians?
Adriano: É um amigo de muito tempo. Então, ele com certeza vai me botar no eixo, digamos assim.
Patricia Poeta: Você acha que vai conseguir corresponder à expectativa da torcida?
Adriano: Com certeza, eu não sou uma pessoa que corro da briga, eu adoro adoro quando as pessoas ficam falando mal de mim.
Patricia Poeta: Você se sente desafiado?
Adriano: Gosto porque depois tem um gostinho mais na frente, maravilhoso .Eu já escutei muitas coisas…
Patricia Poeta: O que por exemplo?
Adriano: Que eu sou vagabundo, que não presto, que não vai adiantar. Eu adoro isso.
Patrícia Poeta: Agora a pergunta que nenhum jogador gosta de responder. Como está o peso?
Adriano: Vou ser sincero, não está. É normal, eu estou parado há quase três meses.
Adriano vai usar a camisa número 10 no Corinthians.
Patrícia Poeta: Não vai atrasar nos treinos?
Adriano: Vou fazer o possível (risos).
Adriano brinca com a má fama, não esconde o jogo nunca. Já assumiu suas depressões, vai às festas que quer ir, visita abertamente a favela onde nasceu, hoje ocupada pela polícia do Rio. Os clubes ficam com um pé atrás.
Patrícia Poeta: Você ficou triste por não ter recebido uma proposta do Flamengo?
Adriano: Fiquei um pouquinho, não tem como não ficar. Quando eu cheguei eu falei que queria voltar ao Flamengo, mas isso não aconteceu.
Patricia Poeta: O Palmeiras saiu da disputa dizendo que contratar você era arranjar confusão. Contratar você é arranjar confusão?
Adriano: Se eu fosse isso, eles não me procuravam para me contratar.
Patricia Poeta: Contratar o Adriano é o quê?
Adriano: É gol.
Patricia Poeta: Uma vez, em uma entrevista bem franca que você me deu, mais ou menos há um ano e meio atrás, você falou que bebia mais ou menos três vezes por semana. Eu queria que você falasse um pouquinho mais para a gente como é que é essa sua relação com a bebida. Você tem ou não tem problema?
Adriano: Hoje em dia eu acho que não. Com certeza. Eu saio para almoçar ou para jantar, eu tomo minha cervejinha com meus amigos normalmente. Mas não é uma coisa pra se dizer exagero.
Patricia Poeta: Você tem tentado parar?
Adriano: Hoje quando eu falo chega é chega e acabou.
Patricia Poeta: O que aconteceu em fevereiro desse ano em uma blitz da lei seca no Rio de Janeiro? Conta pra gente.
Adriano: Eu explico. Eu não quis fazer o bafômetro. Tinha bebido umas cinco, seis cervejas. Errei de estar dirigindo mas não é que estava bêbado.
Patricia Poeta: Hoje em dia você faria diferente?
Adriano: Com certeza. É porque também eu dei mole.
Patricia Poeta: Que imagem você acha que tem hoje?
Adriano: Esse nome Imperador é um nome muito forte. Isso acaba fazendo que as pessoas tenham um pouquinho mais de raiva de mim. Não sei se é porque também sempre falei que gostava da minha comunidade. Eu não sei o que é. Hoje ninguém fala mais, né? Porque agora tem polícia lá na comunidade, aí eu vou lá falar com a minha rapaziadinha, faço a mesma coisa que eu fiz sempre, ninguém agora me chama de traficante, tem policia lá. (risos)
Patricia Poeta: Você continua indo para a comunidade?
Adriano: Continuo. Não vou perder minha raiz, nunca.
Patricia Poeta: Hoje você é um homem rico?
Adriano: Rico de felicidade (risos).
Patricia Poeta: Está buscando aqui no Brasil a felicidade. Pelo menos foi o que você falou para gente.
Adriano: Vou encontrar, vou encontrar.
Patricia Poeta: Adriano, obrigada pela sua entrevista. A gente deseja que você seja feliz em São Paulo. E que você traga muitas alegrias para a torcida alvinegra e para todo Brasil.

ICFUT–Giro pelos estaduais: Resultados 27/03/11

Fonte: globo.com

Campeonato Paulista

São Paulo 2 x 1 Corinthians
Ituano 2 x 3 Santos
Ponte Preta 0 x 0 Paulista
Americana 3 x 1 São Bernardo
Botafogo-SP 0 x 4 Linense

Campeonato Carioca

Bangu 2 x 1 Volta Redonda
América 1 x 2 Duque de Caxias
Resende 5 x 2 Macaé
Cabofriense 0 x 1 Americano
Flamengo 3 x 3 Madureira
Fluminense 0 x 0 Vasco

Campeonato Mineiro

América-MG 2 x 3 Cruzeiro
América TO 2 x 1 Guarani-MG
Villa Nova 2 x 2 Ipatinga

Campeonato Gaúcho

Pelotas 1 x 3 Grêmio
Juventude 5 x 0 Inter de Santa Maria
Lajeadense 1 x 1 Ypiranga-RS
Veranópolis 2 x 0 Cruzeiro-RS

Campeonato Paranaense

Arapongas 1 x 0 Corinthians-PR
Operário-PR 2 x 3 Roma-PR
Rio Branco-PR 1 x 0 Cianorte
Paranavaí 4 x 2 Paraná
Atlético-PR 2 x 0 Cascavel

Campeonato Catarinense

Joinville 4 x 0 Avaí
Imbituba 1 x 2 Brusque
Marcílio Dias 1 x 1 Concórdia
Figueirense 2 x 1 Chapecoense
Metropolitano 3 x 3 Criciúma

Campeonato Baiano

Bahia 3 x 0 Bahia de Feira
Feirense 1 x 3 Vitória
Vitória da Conquista 1 x 0 Atlético-BA
Juazeiro 7 x 4 Ipitanga – Torneio da Morte

Campeonato Pernambucano

Central 2 x 3 Sport
Santa Cruz 2 x 0 Porto
Ypiranga-PE 0 x 3 Náutico
Salgueiro 2 x 2 Araripina
Vitória-PE 1 x 3 América-PE
Cabense 1 x 0 Petrolina

Campeonato Cearense

Ceará 0 x 1 Fortaleza
Icasa 1 x 1 Ferroviário
Itapipoca 0 x 0 Limoeiro
Guarany de Sobral 1 x 2 Horizonte

Campeonato Goiano

Vila Nova 1 x 0 Atlético-GO
Anapolina 4 x 0 Trindade
Goianésia 3 x 0 CRAC-GO
Santa Helena 2 x 0 Aparecidense

Campeonato Brasiliense

Botafogo-DF 1 x 3 Formosa

Campeonato Alagoano

Corinthians-AL 1 x 2 ASA
Santa Rita 3 x 1 Murici
Sport Atalaia 0 x 2 Coruripe
CSA 2 x 0 CSE

Campeonato Potiguar

Corintians-RN 2 x 1 Alecrim
ABC 1 x 0 Baraúnas
Centenário 0 x 3 América-RN
Potiguar de Mossoró 2 x 1 Santa Cruz-RN
Assu 3 x 3 Palmeira

Campeonato Paraibano

Botafogo-PB 5 x 1 Miramar
Treze 5 x 2 Desportiva
Sousa 2 x 2 Campinense
Esporte 2 x 0 Auto Esporte

Campeonato Sergipano

São Domingos 2 x 1 Socorrense – São Domingos finalista do turno

Campeonato Capixaba

Espírito Santo 0 x 1 Colatina

Campeonato Maranhense

Santa Quitéria 0 x 0 Sampaio Corrêa
Cordino 2 x 2 Imperatriz

Campeonato Mato-Grossense

Primavera 1 x 1 Barra do Garças
Luverdense 2 x 2 Cuiabá
Vila Aurora 1 x 1 União
Mixto 4 x 2 Sinop

Campeonato Sul-Mato-Grossense

Mundo Novo 1 x 0 Ponta Porã
Itaporã 2 x 1 Águia Negra
Maracaju 3 x 2 Cene
MS Saad 1 x 2 Comercial-MS

Campeonato Tocantinense

Tocantinópolis 1 x 1 Araguaína
Intercap 3 x 2 Guaraí

Campeonato Acreano

Adesg 1 x 1 Náuas
Alto Acre 0 x 2 Rio Branco-AC
Plácido de Castro 0 x 0 Juventus-AC