Por Edgar Santista – CBF oficializa títulos nacionais de 1959 a 70 com homenagem a Pelé

Com a decisão, anunciada nesta quarta-feira, o Santos e o Palmeiras passam a ter oito títulos nacionais e são os maiores vencedores

pele joão havelange evento cbf unificação brasileiros

Pelé e João Havelange no evento de unificação dos Brasileiros (Thiago Lavinas / Globoesporte.com)

 

Com a ilustre presença de Pelé, a CBF oficializa nesta quarta-feira, em uma cerimônia no Rio de Janeiro, os títulos da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa como conquistas nacionais, os equiparando ao Campeonato Brasileiro. Com essa decisão, Santos e Palmeiras passam a ser os detentores do maior número de títulos brasileiros – oito cada -, superando São Paulo e Flamengo, que têm seis (considerado o título da Copa União de 1987 para o clube carioca). Bahia, Botafogo, Cruzeiro e Fluminense passam a ter mais um título a mais no currículo. Também na cerimônia, a CBF anunciará um parecer jurídico que impossibilita o reconhecimento do hexacampeonato brasileiro há muito reivindicado pelo Flamengo. A informação é do colunista Ancelmo Gois, e publicada na edição desta quarta do jornal “O Globo”.

O grande homenageado do evento foi Pelé. O Rei do Futebol virou hexacampeão brasileiro, superando Andrade e Zinho, que possuem cinco nacionais, e se tornou o principal recordista de títulos. Além de Pelé, o atacante Coutinho, o volante Lima e o meia Mengálvio também participaram das seis campanhas do Santos.

Pelé receberá as seis medalhas de campeão pelos títulos do Santos nos anos de 1961, 1962, 1963, 1964, 1965 e 1968. Na chegada ao local do evento, o Rei criou uma nova versão para o hino do Peixe.

– Oficialmente não, verdadeiramente (octacampeões brasileiros), vamos falar assim. Para todos os santistas (cantando): “Agora quem dá bola é o Santos, o Santos é oficialmente campeão”. Acho que era merecido esse reconhecimento. Agradeço a Deus por estar aqui, representando não só aqueles jogadores, mas os que já se foram. O Santos viajou o mundo, peregrinamos o mundo levando o nome do Santos. Todos (os títulos) foram muito difíceis. O Santos teve uma fase muito boa. Depois teve os campeonatos mundiais também, calamos a torcida do Boca (Juniors), na Argentina. Podemos pegar todas essas épocas e dizer que fomos heróis. Não tinha a mídia de hoje. Hoje, um jogador faz um gol e logo aparece. Que isso venha servir de exemplo para os jovens de hoje – disse ao SporTV.

Representantes dos seis clubes que passaram a ter mais títulos nacionais com a decisão da CBF também participaram da cerimônia, assim como o presidente de honra da Fifa, João Havelange. 

– Reconhecer o passado é respeitar aqueles que fizeram a nossa história – disse João Havelange.

A decisão da CBF de unificar os títulos brasileiros se baseou em um dossiê produzido pelo jornalista e pesquisador Odir Cunha, que há dois anos, a pedido dos seis clubes interessados, aceitou o desafio de iniciar um estudo para buscar o reconhecimento dos vencedores da Taça Brasil e do Torneio Roberto Gomes Pedrosa como campeões nacionais.

– Fui procurado com uma vasta documentação em que os clubes pediam o reconhecimento dos campeonatos de 1959 a 1970. A CBF está tomando uma decisão história na medida que reconhece um passado de ouro do futebol brasileiro. Por isso como presidente da CBF tenho o orgulho de parabenizar os jogadores e torcedores de Santos, Palmeiras, Botafogo, Fluminense, Bahia e Cruzeiro pelas conquistas – disse Ricardo Teixeira.

A CBF vai entregar 20 medalhas para cada clube vencedor distribuir para os jogadores que participaram das campanhas do título nacional.

O Santos é o maior beneficiado com a posição da CBF e passa a ter reconhecidos como títulos nacionais cinco triunfos na Taça Brasil, disputada de 1959 a 1968, e um no Robertão, também chamado de Taça de Prata (realizado de 1967 a 70). O Palmeiras, com mais quatro títulos incorporados (dois de cada competição), também se torna octacampeão. Em 1967, o Alviverde venceu as duas competições. Com a decisão, o Bahia passar a ser considerado oficialmente o primeiro campeão brasileiro, mérito que pertencia até então ao Atlético-MG, vencedor do Campeonato Brasileiro de 1971.

Clubes que tiveram o título brasileiro reconhecido: 

Taça Brasil

1959 – Bahia
1960 – Palmeiras
1961 – Santos
1962 – Santos
1963 – Santos
1964 – Santos
1965 – Santos
1966 – Cruzeiro
1967 – Palmeiras
1968 – Botafogo

Torneio Roberto Gomes Pedrosa / Taça de Prata

1967 – Palmeiras
1968 – Santos
1969 – Palmeiras
1970 – Fluminense

Fonte:http://globoesporte.globo.com/futebol/brasileirao-serie-a/noticia/2010/12/cbf-oficializa-titulos-nacionais-em-cerimonia-com-presenca-de-pele.html

Por Cezar Alvarenga – Cristian tenta liberação para voltar ao Corinthians

Fonte: Lance!Net

Cristian tem negociado nos últimos dias sua liberação do Fenerbahçe (TUR) para atuar pelo Corinthians em 2011. O jogador já afirmou por diversas vezes em entrevista ao LANCENET! que sonha em voltar para disputar a Libertadores.

As conversas com a direção do clube turco foram feitas por Renato Costa, um dos sócios de Carlos Leite, empresário do jogador. Costa viajou para a Turquia no início da semana para tentar atender o pedido do cliente. Desde outubro, como revelou o LANCE!, o volante afirma que sua situação no Fenerbahçe é desconfortável e ele pretende voltar para o Brasil. Na temporada, ele alternou momentos como titular com vezes em que não era nem sequer relacionado. Mesmo com a presença do lateral-esquerdo brasileiro André Santos, Cristian não se adaptou ao futebol europeu.

Nesta terça-feira, Andrés Sanchez afirmou que espera que o jogador obtenha a liberação do clube turco.

– Se liberarem, é o mesmo critério que uso para o Adriano. Mas antes não vou tentar, senão vou ter um “não” logo de cara. O jogador tem de tentar se liberar. Mas não posso ficar buscando jogador com mais três, quatro anos de contrato – disse o presidente, à Rádio Globo.

Cristian foi vendido ao Fenerbahçe em julho de 2009, com André Santos. Só por ele, foram 7 milhões de euros (cerca de R$ 15,5 milhões). E seu contrato vai até julho de 2014. Por isso, a intenção de seu empresário era de que ele permanecesse por, pelo menos, mais um ano na Europa. Até por isso o discurso de Sanchez não demonstra que esteja negociando. Mas não foram poucas vezes em que o mandatário afirmou que só esperava sua liberação para anunciá-lo.

Nesta terça-feira, ele foi titular na derrota do Fener por 3 a 2 para o Bucaspor na última rodada do Campeonato Turco em 2010. A chegada do volante no Brasil é esperada nos próximos dias. Ele passará as festas de fim de ano e aproveitará para se reunir com o Corinthians.

ICFUT – Sai a lista dos 38 clubes da Taça Libertadores 2011

Fonte: O Estado de São Paulo

Pré Libertadores !

Conmebol divulga lista dos 38 times que disputarão a LIbertadores

Na primeira fase, Grêmio encarará o Liverpool (URU) e o Corinthians, o Desportes Tolima, da Colômbia

SÃO PAULO – A Conmebol definiu nesta terça-feira, 21, o nome dos 38 times que disputarão a Copa Libertadores da América deste ano. Os jogos começarão na última semana de janeiro e irão até o dia 22 de junho.

O torneio é estruturado em 2 fases. A primeira, que é eliminatória, 12 equipes são divididas em 6 chaves e durará do dia 26 de janeiro até 3 de fevereiro. Entre os brasileiros, Corinthians e Grêmio estão nessa fase. O time gaúcho encarará o Liverpool (URU) e os paulistas, o Desportes Tolima, da Colômbia.

A segunda fase terá início no dia 8 de fevereiro e terminará no dia 21 de abril. Os outros 4 brasileiros(Fluminense, Santos, Cruzeiro e o Internacional), que já estavam garantidos na Libertadores, foram distribuídos nos 8 grupos que constituirão esta etapa.

Os que avançarem para as oitavas de final da competição jogará entre os dias 27 de abril e 4 de maio. A próxima fase acontecerá entre os dias 11 e 18 de maio. Já as semifinais estão agendadas para os dias 25 de maio a 1º de julho. Será conhecido o campeão no dia 22 de junho

A fase seguinte acontece do dia 11 a 18 de maio, enquanto as semifinais estão agendadas para as datas de 25 de maio a 1º de julho. O grande campeão será conhecido no dia 22 de junho após a disputa da primeira partida em 15 de junho.

Veja com quem os brasileiros já classificados para a Libertadores jogarão:

Fluminense (grupo 3):

Argentinos Jrs. (ARG)

Nacional (URU)

América (MEX)

Santos (grupo 5):

Deportivo Táchira (VEN)

Ganador G3

Colo Colo (CHI)

Cruzeiro (grupo 7):

Estudiantes de La Plata (ARG)

Guaraní (PAR)

Ganador G1

Internacional (grupo 6):

Emelec (ECU)

Jorge Wilstermann (BOL)

Ganador G2

Por Rogerinho – São Paulo tem interesse em Mancini da Inter de Milão !

Fonte: Terra.com.br

São Paulo demonstra interesse em Mancini, da Inter de Milão

Sem conseguir se firmar na Inter de Milão e no Milan, o meia-atacante  Mancini  quer rescindir o contrato com o atual campeão mundial para retornar ao .... Foto: AFP 

Para contratar Mancini, São Paulo pede ao jogador que jogue na lateral
Foto: AFP

Em busca de um jogador para o meio-campo, o São Paulo já tem um plano B caso não encontre o atleta ideal para a posição: Mancini, da Inter de Milão. O atleta tem jogado bem avançado e poderia ser útil também para o clube caso voltasse a jogar na lateral direita.

De acordo com o que disse o auxiliar técnico Milton Cruz em entrevista à Rádio Jovem Pan, Mancini interessa e o técnico Paulo César Carpegiani gosta do estilo de jogo dele. No entanto, ele só seria contratado se aceitasse voltar a jogar como lateral.

Desde os tempos de Roma (de 2003 a 2008), Mancini passou a jogar como um meio-campista ofensivo, chegando até a atuar como atacante, sem ser escalado na lateral – sua posição de origem – desde então.

O objetivo do São Paulo, porém, é encontrar um segundo volante, podendo escalar Ilsinho no meio de campo e Jean na lateral direita. Com Mancini, a alternativa seria deslocar Jean ao meio, com o atleta da Inter na lateral.

De acordo com Milton Cruz, no entanto, o São Paulo ainda não fez nenhum contato com o atleta, seu empresário, ou seu clube para fazer a contratação.

ICFUT – Marco Aurélio Cunha preparado para presidência Tricolor

Fonte: Gazetaesportiva.net

Marco Aurélio se vê preparado para ser presidente do São Paulo

Leandro Sarhan, especial para a GE.Net São Paulo (SP)

 

Acervo/Gazeta Press

Marco Aurélio Cunha (d), quando ainda era médico do São Paulo, ao lado do então técnico Cilinho, em 1985

Superintendente de futebol do São Paulo Futebol Clube durante uma das fases mais vencedoras da história do clube, o doutor Marco Aurélio Cunha tem o sonho de ser presidente do Tricolor Paulista. Em entrevista exclusiva à Gazeta Esportiva.Net, o dirigente do clube afirma que tem condições de assumir o principal cargo da equipe paulista. “Eu me sinto preparado para um dia ser. Eu me preparei a vida inteira para ser presidente do São Paulo. Creio que tenho conhecimento, tenho postura, e poderia um dia ser o mandatário são-paulino”, analisa.

Apesar de demonstrar vontade em presidir o São Paulo, Marco Aurélio afirma que não está lançando candidatura para as próximas eleições (que estão previstas para abril de 2011). De acordo com o dirigente, esta questão sequer está sendo discutida. “Ninguém sabe o que vai acontecer nessas eleições”, lembra.

Segundo o presidente Juvenal Juvêncio, a diretoria irá decidir quem será o próximo candidato à presidência do clube a  partir do mês de janeiro. Além do ortopedista, o vice-presidente de futebol do clube, Carlos Augusto de Barros e Silva (Leco) e o diretor de futebol, João Paulo de Jesus Lopes, são os outros nomes fortes para serem lançados candidatos. Júlio Casáres é outro nome especulado em algumas rodinhas de conselheiros do clube.

Marco Aurélio, porém, já tem planos para caso assuma, um dia, o comando do São Paulo. De acordo com o diretor, ele quer criar o ‘Instituto São Paulo Futebol Clube’, onde daria apoio a ex-jogadores e ex-funcionários do Tricolor Paulista. Diversos grandes ídolos dos principais times brasileiros reclamam muito da falta de atenção que os clubes dão a eles. O superintendente quer acabar com isso. “Gostaria muito de dar suporte aos ex-atletas”, afirma.

De volta ao Tricolor desde 2002, Marco Aurélio participou diretamente do cotidiano das equipes campeãs da Copa Libertadores e do Mundial de Clubes de 2005, além do tricampeonato brasileiro em 2006, 2007 e 2008.

Para o dirigente, os mandatos de Marcelo Portugal Gouvêa e seu sucessor, Juvenal Juvêncio, atual presidente do São Paulo podem ser considerados os melhores da história do Tricolor, por juntar algo que ninguém conseguiu antes: títulos e patrimônio. Segundo Marco Aurélio, “o legado de Juvenal é extraordinário”.

Sobre os boatos que teria sido sondado pela oposição do São Paulo para ser candidato nas próximas eleições, Cunha negou, mas não deixou de elogiar os oposicionistas. “A situação é o acelerador e a oposição é o freio. Não há clube sem oposição e a nossa foi muito respeitosa”, classifica.

Confira, na íntegra, a entrevista exclusiva de Marco Aurélio Cunha à Gazeta Esportiva.Net:

 

Marcelo Ferrelli/Gazeta Press

Já vereador, em 2010, ao lado do grande ídolo Rogério Ceni e do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, no CT de Cotia

GE.Net: O senhor afirmou, recentemente, que gostaria de ser presidente do São Paulo. O senhor pensa em se candidatar já nas próximas eleições:
Marco Aurélio Cunha: Evidentemente que quando falo sobre ser presidente, não falo sobre essa eleição. Ninguém sabe o que vai acontecer e o presidente só vai falar sobre isso em janeiro. Como funcionário, respeito a hierarquia do clube. GE.Net: Mas o senhor gostaria?
Marco Aurélio Cunha: Não é que eu gostaria (de ser presidente), é que eu me sinto preparado para um dia sê-lo. Eu me preparei a vida inteira para ser presidente do São Paulo. Creio que tenho conhecimento, tenho postura, e poderia um dia ser o mandatário são-paulino.

GE.Net: O diretor de futebol, João Paulo de Jesus Lopes, sempre fala que há uma máxima no São Paulo: “Quem quer, não será”. O que o senhor pensa nisso?
Marco Aurélio Cunha: Eu não sei. Eu acho que quem se postula a ser presidente não será. No fundo, muitos querem este posto, mas quem postula com antecedência acaba não sendo. O São Paulo é muito aberto politicamente e muito definido.

GE.Net: Qual seria seu objetivo com esta candidatura?
Marco Aurélio Cunha
: Não tenho nenhum objetivo. Essa questão não é debatida no clube. Não esta em discussão. Definir o presidente não me pertence, pertence ao clube. É uma questão interna, que envolve somente o presidente e seus conselheiros. Está absolutamente fechada.

GE.Net: Há quem diga que o senhor foi sondado pela oposição para ser candidato à presidência. Isto realmente aconteceu?
Marco Aurélio Cunha
: Não fui sondado, não. O que acontece é que eu tenho um amplo diálogo com todos no clube e eu entendo que a situação é um acelerador e a oposição é o freio do clube. Não tem como você ter só o acelerador. A oposição funciona como um freio e como um controle. No São Paulo, ela sempre agiu com muito respeito.

 

Acervo/Gazeta Press

Em 1991, ele trabalhou no Bragantino e posou para fotos ao lado dos “ex-menudos do Tricolor” Müller e Silas

GE.Net: Qual é a diferença entre a situação e a oposição no São Paulo?
Marco Aurélio Cunha
: Quando você está na situação, você é o impulso. Você tem o poder na mão, você quer fazer tudo, quer crescer… A oposição é a consciência que cria os limites. Não há clube sem oposição. A nossa tem sido exemplar. Nos anos de grandes vitórias, ela esteve solidária e nas dificuldades também. Ela não tem sido desonesta. Temos grandes elementos na oposição.
GE.Net: Algumas das críticas da oposição do São Paulo a respeito do Juvenal é uma suposta arrogância nas atitudes do presidente e uma certa dificuldade para encontrar e fiscalizar as contas da diretoria. O que o senhor tem a dizer?
Marco Aurélio Cunha
: Estão juntando coisas que não tem que juntar. A gestão do Juvenal é uma das mais brilhantes da história do São Paulo. É preciso corrigir uma cultura, porque o brasileiro é acostumado a julgar tudo pelo ultimo mês. O Dunga, por exemplo, foi assim. Por causa de um segundo tempo, entre tantos jogos, esqueceram tudo que ele venceu. O futebol tem esse tipo de mazela.

GE.Net: Como o senhor avalia o mandato do Juvenal?
Marco Aurélio Cunha
: O Juvenal foi tricampeão inédito (06/07/08), foi o vice de futebol dos títulos da Libertadores e do Mundial, foi quem construiu o CT de Cotia… O legado dele é extraordinário. É um legado em conquistas, que, neste quesito. só não ganha do (José Eduardo Mesquita) Pimenta (presidente do bicampeonato mundial em 1992/93). Em patrimônio, ele só perde para o Laudo Natel (responsável pela construção do Morumbi). Ele juntou a conquista de títulos ao desenvolvimento patrimonial, coisa que ninguém fez. O Natel abdicou dos títulos para construir o Morumbi. O Pimenta não evoluiu os patrimônios do clube para ganhar títulos. Mas, o Juvenal conseguiu conquistar títulos com grande investimento patrimonial, ele é insuperável.

 

Acervo/Gazeta Press

Adriano abraça o superintendente na sua despedida do Tricolor em junho de 2008

GE.Net: E a respeito da arrogância?
Marco Aurélio Cunha
: O juízo de personalidade que há por parte da oposição é porque ele impôs o São Paulo aos outros. É ruim quando você é conduzido por outros e o São Paulo não é assim. O São Paulo não segue as tendências políticas dos outros.
 

GE.Net: Se não é agora, quando o senhor pensa em se candidatar?
Marco Aurélio Cunha
: Eu não penso em me candidatar. Ninguém se candidata, você tem que ser lembrado e posto como candidato, o que eu nem faço questão. Eu já conquistei tudo pelo São Paulo, não preciso de nada. Não preciso ser presidente para ser conhecido e reconhecido. Eu sou assim pelo que eu já conquistei. Pessoalmente, não preciso ser presidente. Minha vida esta construída. Sou vereador, sou corregedor da Câmara Municipal, minha vida prossegue se eu não for presidente. Sou um médico reconhecido. O fato de ser presidente ou não é só mais um. Não é ego, é pelo clube.

 

Acervo/Gazeta Press

No retorno após a conquista do Mundial de 2005, Marco Aurélio festeja atrás do governador Geraldo Alckmin no Palácio do Planalto

GE.Net: Mas o senhor chegou a dizer que é seu sonho de criança presidir o São Paulo…
Marco Aurélio Cunha
: É verdade. Quando eu era criança, eu sempre dizia que seria médico e presidente do clube. Sinceramente, hoje, isso não me fará falta. Eu já consegui tudo que eu desejava para mim. Se eu fosse presidente, seria por algumas coisas que o presidente pode ter. Coisas que são difíceis de você conquistar tendo apenas um cargo executivo. Seria para realizar alguns projetos.
GE.Net: O senhor pode contar quais são esses projetos?
Marco Aurélio Cunha
: Um dia, a seu tempo, eu conto todos. O mais importante deles, o que eu gostaria muito de fazer é suportar os ex-atletas e funcionários do clube. Tirá-los do abandono. Criaria o Instituto São Paulo Futebol Clube, que daria um apoio para que ninguém precise implorar coisas para o clube. Gostaria que esse instituto criasse receita, que fosse apoiado pela sociedade, pelos são-paulinos, para que os ex-jogadores sejam relembrados. Isso, porém, independe de eu ser presidente um dia. Um dos meus grandes desejos é criar o Instituto São Paulo Futebol Clube e isso pode acontecer caso um presidente adote a ideia.