Por Cezar Alvarenga – Timão é a marca mais valiosa do Brasil

Fonte: Lance!Net

Um estudo realizado pela Crowe Horwath RCS, divulgado nesta segunda-feira pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, mostrou que o Corinthians ultrapassou o Flamengo e se tornou a marca de maior valor no esporte brasileiro em 2010.

O clube do Parque São Jorge foi avaliado em R$ 749,8 milhões, à frente do rival São Paulo (R$ 659,8 milhões) e do Rubro-Negro, que agora é terceiro (R$ 625,3 milhões). O sucesso do Timão está atrelado às ações de marketing no ano de seu centenário, além das presenças de Ronaldo e Roberto Carlos em campo.

A lista das maiores marcas do esporte nacional, segundo a publicação, segue com Palmeiras (4º), Internacional, Grêmio, Vasco, Santos, Cruzeiro e Atlético-MG. O atual campeão brasileiro, o Fluminense, integra apenas a 11ª posição, com sua marca avaliada em R$ 104,2 milhões.

A metodologia usada leva em consideração 18 diferentes variáveis entre dados financeiros históricos dos clubes, informações publicadas em pesquisas com torcedores, dados de marketing esportivo, hábitos de consumo dos fãs e dados sociais e econômicos do mercado em que atuam.

Os 12 maiores apresentaram evolução nos últimos anos. Líder em 2009, o Flamengo perdeu duas posições e passou a ser o terceiro em função da evolução da receita – sem considerar transferências de atletas – de seus concorrentes diretos, Corinthians e São Paulo.

– O estudo mostra um crescimento do Flamengo em valor de marca, só que inferior ao registrado por Corinthians e São Paulo. Ou seja, todos estão crescendo, a diferença está no ritmo de cada um – afirmou Amir Somoggi, responsável pelo trabalho.

Veja a lista dos 12 clubes mais valiosos do Brasil:

1. Corinthians – R$ 749,8 milhões
2. São Paulo – 659,8 milhões
3. Flamengo – R$ 625,3 milhões
4. Palmeiras – R$ 444,1 milhões
5. Internacional – R$ 268,7 milhões
6. Grêmio – R$ 222,8 milhões
7. Vasco – R$ 156,5 milhões
8. Santos – R$ 153,3 milhões
9. Cruzeiro – R$ 139,6 milhões
10. Atlético-MG – R$ 110,3 milhões
11. Fluminense – R$ 104,2 milhões
12. Botafogo – R$ 89,9 milhões

ICFUT – Viviane Araujo mulher de Radamés vai estrear na telona.

Fonte: Futebolinterior.com.br

Colírio! Viviane Araújo, mulher de Radamés, vai estrear no cinema

A dançarina vai atuar ao lado de personalidades como Luciano Szafir e Eva Wilma

Os marmanjos ganharam mais um bom motivo para irem ao cinema. Isso porquê a dançarina e mulher do volante Radamés, Viviane Araújo (foto), irá fazer a sua estreia como atriz nas telonas.

A informação foi confirmada pela produtora Beagle Filmes, que é responsável pelo longa “A Fronteira de Sangue”. O filme retrata a guerra entre os chimangos e maracatos no Rio Grande do Sul. Viviane Araújo vai encarnar Bernadete e viverá no núcleo gay, mas não foram dados maiores detalhes sobre a sua personagem. O que se sabe é que a dançarina vai atuar ao lado de personalidades como Luciano Szafir, Eva Wilma e Alcione.

Recentemente, Radamés foi contratado pelo Volta Redonda, depois de pouco atuar na temporada 2010. Seu melhor momento foi vestindo a camisa do Fluminense e depois se transferiu para o futebol árabe.

ICFUT – Tenho pena de quem vai assumir o Palmeiras !

Fonte: O Estado de São Paulo

‘Tenho pena de quem assumir o Palmeiras’

SALVADOR HUGO PALAIA, Conselheiro e candidato à presidência do clube

Wagner Vilaron – O Estado de S.Paulo

Apesar de ter sido eleito primeiro vice-presidente da chapa de Luiz Gonzaga Belluzzo, Salvador Hugo Palaia se diz surpreso com o que presenciou na administração do Palmeiras durante os dois meses em que esteve à frente do clube. Nesse período, ele substituiu Belluzzo, que se licenciou para cuidar da saúde. “Vi muita coisa errada. O dinheiro foi mal investido. Tenho pena de quem assumir o Palmeiras”, afirmou o polêmico conselheiro durante entrevista ao Estado. Mas não é esquisito que um candidato à presidência fale isso? “Talvez, mas estou disposto a essa dose de sacrifício pelo clube. Quem sabe pode ser a última oportunidade da minha vida de ajudar”, observou. Na eleição, que será realizada na primeira quinzena de janeiro, Palaia terá como adversários os empresários Paulo Nobre, que divide com ele alguns votos da situação, e Arnaldo Tirone, candidato da oposição que conta com o apoio do grupo de conselheiros ligados ao ex-presidente Mustafá Contursi.

Sergio Neves/AE
Sergio Neves/AE
Sem acesso. ‘Sabia das coisas pela imprensa’

O senhor está seguro quanto ao apoio do presidente Belluzzo?

Muito seguro. Trata-se de um acordo. Em eleições passadas eu abri mão da candidatura para apoiá-lo. E abriria mão novamente agora, embora essa talvez seja a última oportunidade que tenho para prestar esse serviço ao Palmeiras. Pelo homem que ele é, o Belluzzo jamais faltaria com a palavra.

A situação é representada por dois candidatos: o senhor e Paulo Nobre. Quem ganha com isso não é a oposição?

Primeiro eu gostaria de saber quem é Paulo Nobre. Qual a história dele no Palmeiras? E agora ele vem dizer que era eu que deveria apoiá-lo nesse processo. Não dá.

O senhor considerou a atitude dele pretensiosa?

Uma atitude pretensiosa de quem não tem serviços prestados ao clube. Aí você vai dizer “Palaia, você acabou de rachar”. Na verdade, só estou alertando os conselheiros do Palmeiras sobre o risco de colocar na presidência alguém que não tem vivência no clube, que não tenha, desculpe a falta de modéstia, um currículo como o meu.

O senhor se sente traído?

Fui traído. Por exemplo, quando o Della Monica era candidato à reeleição, era exigido, por um grupo de conselheiros, a minha saída do futebol em troca de votos. Ele (Della Monica) foi eleito, com o meu apoio inclusive, e colocou esses homens que deram esse rombo nos cofres do Palmeiras. Talvez não tenha sido uma traição intencional, pois era um jogo político para ele se reeleger. Nesse momento, eu esperava o apoio do Della Monica, mas ele está dando o apoio ao Tirone, aliás, por quem tenho admiração, tanto por ele quanto pelo pai Arnaldo Tirone. Nesse caso, eu acompanhei. Ele (Tirone, candidato) é palmeirense desde pequeno. Não é um corredor de kart ou bicicleta.

O senhor demonstra mais carinho por seu opositor do que por quem poderia ser seu aliado.

Receberia com gosto um apoio do Paulo Nobre, mas sem oferecer cargo. Porque ele foi deselegante comigo. Antes de ele lançar a candidatura, eu o convidei para almoçar. Ofereci para ele a diretoria de futebol. Ele disse que consultaria o grupo dele, de 18 conselheiros. Ele seria elegante se marcasse um novo almoço para dizer que não aceitaria e sairia candidato.

Então a oposição comemora esse cenário?

Olha, é claro que 18 votos podem definir uma eleição. Mas faço isso pelo Palmeiras.

Como foram esses dois meses na presidência?

Muito complicados. Nos meus quatro anos como vice não tive acesso a nada. Ficava sabendo das coisas por meio de jornal.

Mas não é estranho que um vice-presidente só saiba das coisas pela imprensa?

Claro. Por isso montei o Conselho Gestor. Coisa que o Belluzzo deveria ter feito e não fez.

O Palmeiras teve os três técnicos mais badalados do País (Vanderlei Luxemburgo, Muricy Ramalho e Felipão) e nada conseguiu. Onde está o problema?

Está nas más contratações, na má gestão dos recursos. Eu não contrataria 80% dos jogadores que foram contratados nesse período.

O Felipão pode ficar tranquilo caso o senhor seja eleito?

Tranquilo. O Felipão é o nosso técnico. Só que não podemos cobrar uma laranjada dele se ele só tem limões.

O que o senhor pensa da parceria com a Traffic, que começou forte e perdeu a importância?

Tem de mudar o estilo. O Palmeiras só deve participar da divisão do lucro, e não da contratação. O clube é a vitrine. O jogador tem de chegar a custo zero. Depois da venda, o Palmeiras fica com um porcentual.

Qual cenário imagina encontrar se vencer a eleição?

Olha, eu tenho pena de quem assumir o Palmeiras. Mas não culpo o Belluzzo. Ele foi o presidente que mais trouxe recursos para o clube, mas administrou mal. Só que não abro mão do auxílio do Belluzzo.

Mas o senhor quer ser presidente mesmo assim…

Estou disposto a essa dose de sacrifício pelo clube. Quem sabe pode ser a última oportunidade da minha vida de ajudar o Palmeiras. A maçonaria me ensinou uma coisa: somos eternos aprendizes. E eu adoro enfrentar desafios. E a presidência do Palmeiras se transformou em um desafio.

E como vai conduzir a questão da Arena Palestra?

Espero estar na inauguração da Arena em 2013, com a partida entre Palmeiras e Inter de Milão. Está tudo bem encaminhado. Falta um acerto no seguro, para que o clube seja o beneficiário, e não o Banco do Brasil.

O senhor trabalharia com o Mustafá?

Tenho respeito por ele, o considero uma pessoa inteligente, bom negociador. Mas falta um pouco de açúcar em seu coração. Ele não sabe perdoar.



Por Cleber Aguiar – Neymar de saída para Chelsea ?

Fonte: Folha Online

Painel FC: Agente chega a São Paulo para tentar acertar a ida de Neymar ao Chelsea

O agente israelense Pini Zahavi chegou na madrugada de domingo a São Paulo para tentar acertar a ida do atacante Neymar, do Santos, para o Chelsea.

A informação é da coluna Painel FC, assinada pelos jornalistas Eduardo Ohata e Bernardo Itri, publicada na edição desta segunda-feira. A íntegra pode ser encontrada na Folha .

Segundo a coluna, Pini Zahavi está hospedado em um hotel no bairro de Cerqueira Cesar e ficará na cidade durante quatro dias. O objetivo é levar Neymar para jogar pelo clube inglês no meio do ano que vem.

Em agosto de 2010, uma proposta do Chelsea para contratar o atacante foi recusada pelo Santos. O clube da Vila Belmiro assinou novo contrato com o jogador, aumentando em um ano sua validade –vai até 2015.

A multa rescisória da quebra desse contrato também aumentou: passou de 35 milhões de euros (quase R$ 80 milhões) para 45 milhões de euros (aproximadamente R$ 100 milhões).

Ricardo Saibun-02.dez.2010/Agif/Folhapress
Neymar brinca em treino do Santos

Por Cleber Aguiar – Aos ricos,o futebol…

Fonte: O Estado de São Paulo

Marcos Alvito

FUTEBOL – Aos ricos, o futebol.

A progressiva e bem planejada expulsão de torcedores pobres dos estádios, num processo de Robin Hood ao contrário é analisada por Marcos Alvito., antropólogo, professor da Universidade Federal Fluminense – UFF, e membro da Associação Nacional dos Torcedores, em artigo publicado no jornal O Estado de S. Paulo, 12-12-2010.

Segundo ele, “a rede de TV que monopoliza as transmissões há décadas transformou o futebol em sobremesa da novela, com jogos no meio da semana terminando por volta de meia-noite. Essa mesma rede é dona do pay-per-view, que a cada dia dá mais lucro. Ou seja: ela praticamente obriga os torcedores a se transformarem em telespectadores dos canais pagos”.

Eis o artigo.

Os sinais estão por toda parte. Em 2005 o Maracanã fechou a geral, talvez o setor popular mais famoso do mundo, onde durante meio século floresceu uma cultura torcedora lúdica e carnavalesca. Em seu lugar foram colocadas cadeiras de plástico com preço seis vezes maior. O Maracanã, antes “o maior de todos”, vai virar um estádio para 76 mil pessoas. Esse encolhimento – que ocorrerá também nas dimensões do gramado – custará aos cidadãos “apenas” R$ 1,2 bilhão. Com a reabertura do estádio, calcula-se que os ingressos custarão pelo menos o dobro do que custam atualmente.

Recentemente realizou-se no Rio a Soccerex, feira internacional centrada no futebol-negócio. Nela, “especialistas” afirmaram que doravante o futebol brasileiro terá a classe A como clientela alvo, deixando de lado as classes B e C. Porque as D e E há muito não sentam em uma arquibancada. É claro que o evento foi financiado com dinheiro público. Em Santa Catarina, o Avaí aumentou em 50% o preço dos ingressos neste ano, passando de R$ 40 para R$ 60. No Paraná, o recém-promovido Coritiba já anunciou que aqueles que não aderirem a seu plano de sócio torcedor terão que desembolsar R$ 100 pelo ingresso avulso. Não é de se admirar que a média de público do campeonato brasileiro em 2010 tenha sido ridiculamente baixa: 14.839 pagantes. Isso é menos que a média do campeonato alemão da segunda divisão!

Não é o preço do ingresso o único fator para o afastamento do público. Hoje os estádios viraram estúdios para um show televisivo chamado futebol. No estádio-estúdio do Engenhão, que custou aos cofres públicos três vezes mais do que previa o orçamento, placas de publicidade impedem a visão de boa parte da linha de fundo, inclusive da linha do gol. Ingressos para esse setor “pagando pra não ver” custam, em jogo normal, R$ 30. A tabela do campeonato é alterada de uma semana para outra, modificando dias e horários sem respeito pelo torcedor. A rede de TV que monopoliza as transmissões há décadas transformou o futebol em sobremesa da novela, com jogos no meio da semana terminando por volta de meia-noite. Essa mesma rede é dona do pay-per-view, que a cada dia dá mais lucro. Ou seja: ela praticamente obriga os torcedores a se transformarem em telespectadores dos canais pagos.

Esse processo de expulsão dos torcedores mais pobres (ou menos ricos) é algo planejado e consciente. Ainda em 2004, o então presidente do Atlético Paranaense já afirmava que “o clube não precisa mais de torcedores, e sim de apreciadores do espetáculo”. Dentro dessa filosofia, proibiu a entrada de torcedores com bandeiras, tambores, faixas e camisas de torcidas organizadas. Por baixo de uma “nuvem midiática” vendendo a ideia de que estaria ocorrendo uma modernização do futebol brasileiro, o dinheiro do cidadão pobre financia, via impostos, sua própria expulsão. É um processo de Robin Hood ao contrário…

Chamar o futebol brasileiro contemporâneo de moderno, aliás, é piada de mau gosto. Por um lado temos uma estrutura política feudal mantida há décadas nos clubes, nas federações estaduais e na CBF. Por outro, o capitalismo selvagem na hora de extorquir os torcedores. A junção do atraso com a falsa modernidade é desastrosa.

Existe algo mais arcaico e tradicional que a venda de ingressos? Como vão sempre parar na mão dos cambistas? Será que as rendas reais são mesmo aquelas? Será que as gratuidades são mesmo aquelas? É um sistema obscuro que beneficia sempre os mesmos: empresas que fabricam os ingressos (e fazem adiantamentos aos clubes, presos a elas do mesmo modo que à televisão) e, mais uma vez, cartolas corruptos.

Por falar em polícia, qual é o principal instrumento de policiamento dos estádios? Investigação? Inteligência? Aparelhos sofisticados de filmagem? Acertou quem respondeu o cassetete, usado desde o Paleolítico. Em vez de prender e processar a minoria ínfima de torcedores que vai ao jogo para brigar, a polícia prefere bater. Desde quando o bom e velho porrete é sinônimo de modernidade?

A parte menos moderna, todavia, é o sistema de formação de jogadores. Milhões de jovens brasileiros sonham ser jogador de futebol. Poucos vão se tornar profissionais e, entre estes, pouquíssimos vão ganhar os altos salários que povoam o imaginário das classes populares. A formação de um jogador profissional demora em torno de 5 mil horas de treinamento em dez anos. Os clubes exploram essa mão de obra infantil sem nenhuma responsabilidade. Se o garoto de 11 ou 12 anos se machucar ou se não “servir” mais, o que ocorre? É simplesmente abandonado. Para onde vai? O Estado zela por ele? Regulação por parte do Estado, proteção aos jovens, preparação para a vida futura com ensino profissionalizante, nada disso ocorre.

Debaixo da bruma marqueteira que exalta a pseudomodernização assistimos a um processo de elitização perversa do futebol brasileiro. Perversa porque financiada com dinheiro do povo. Uma arte e cultura popular criada e mantida por gerações de brasileiros é saqueada em benefício de poucos. É o primeiro mandamento do futebol-mercadoria: dai aos ricos o futebol.

Por Cleber Aguiar – Santos define detalhes da parceria com Pelé.

Fonte: Diário do Comércio – SP

Santos define últimos detalhes de parceria com Pelé

O projeto é amplo e o Rei vai participar de vários ações.

Pelé discute os últimos detalhes do contrato que vai assinar com o Santos em breve. A ideia da direção da equipe da Baixada Santista é de reintegrar a imagem do Rei do Futebol ao clube. “O projeto é amplo e o Rei vai participar de vários ações. Pelé e Santos é o tipo da soma de um mais um que dá cinco. Ele vai poder fazer o que quiser, até ser presidente. Aceito ser o secretário dele”, brincou o presidente Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro.

Com a parceria com Pelé, o Santos quer aumentar o quadro de sócios dos 35 mil atuais para 100 mil no fim de 2012 – ano de seu centenário -, além de atrair novos investidores, principalmente do exterior.

MERCADO – O Santos tem esperança que se confirme, nos próximos dias, o interesse do Werder Bremen, da Alemanha, ou Udinese, da Itália, por Zé Eduardo. O dinheiro da venda do atacante seria usado para a compra do centroavante Ricardo Oliveira. Zé Eduardo é neto de italiano e viaja com o seu empresário, neste domingo, para Roma para obter o passaporte comunitário.

Por Edgar Santista – Giro Pelo Velho Mundo

Barça dá novo show de coletividade em goleada sobre o Real Sociedad

Villa, Iniesta, Bojan e Messi, duas vezes, marcam nos 5 a 0 no Camp Nou

O Barcelona é sinônimo de incontestável. Dono do melhor ataque e defesa do Campeonato Espanhol, os catalães são exemplo do futebol moderno e coletivo. Neste domingo, a equipe do trio Messi, Xavi e Iniesta fez nova presa no Camp Nou: o Real Sociedad, com inapeláveis 5 a 0, em jogo válido pela 15ª rodada. O craque argentino deixou sua marca duas vezes em lances de genialidade. Villa, Iniesta e Bojan completaram.

Real Madrid despacha o lanterna fora de casa e esquenta a briga pela ponta

Equipe merengue alcança terceira vitória seguida após goleada sofrida diante do Barça ao bater o Zaragoza por 3 a 1; Trezeguet marca, e Hércules vence

A goleada por 5 a 0 sofrida para o Barcelona há pouco menos de duas semanas parece não ter afetado os ânimos do Real Madrid. Após conseguir vitórias tranquilas sobre Valencia e Auxerre (este pela Liga dos Campeões), o time merengue bateu desta vez o lanterna Zaragoza, neste domingo, pela 15ª rodada do Campeonato Espanhol, por 3 a 1.
O triunfo fora de casa esquenta  ainda mais a briga entre os dois rivais, que concentram a disputa do título. Özil, Cristiano Ronaldo e Di María marcaram para os visitantes, enquanto Gabi, de pênalti, descontou na etapa final.

Com boa atuação de Robinho, Milan vence e segue na liderança do Italiano

Ibrahimovic e Boateng completam o placar do triunfo por 3 a 0 sobre o Bologna, fora de casa. Equipe abre seis pontos em relação aos adversários

Por Edgar Santista – Estudiantes cai na chave de Timão e Raposa

Estudiantes é campeão do Apertura

Equipe de La Plata vence o Arsenal de Sarandí por 2 a 0 e garante vaga no Grupo 7 da Libertadores ao lado de Cruzeiro e, possivelmente, Corinthians

O Estudiantes é o campeão do Torneio Apertura de 2010. Com campanha irretocável em casa – nove vitórias, inclusive a deste domingo, fora do Ciudad de La Plata –, a equipe de La Plata derrotou o Arsenal de Sarandí, por 2 a 0, em Quilmes, e conquistou o seu quinto título nacional. Os gols do triunfo foram de Gaston Fernández e Hernán López.

‘La Brujita’ Verón levanta a taça do Apertura: Estudiantes caiu em grupo complicado na Libertadores (EFE)

Verón recebe a taça de campeão do Estudiantes

‘La Brujita’ Verón levanta a taça do Apertura: Estudiantes caiu em grupo complicado na Libertadores (EFE)sa diretamente aos brasileiros Cruzeiro e Corinthians. A Raposa terá direito a duas revanches diante do algoz da Libertadores de 2009 na edição de 2011. O Timão, por sua vez, cairá na pedreira do Grupo 7 se passar pelo Colombia 3 na pré-Libertadores. O Guaraní, do Paraguai, completa a chave.

Campeão, o Estudiantes reforça a tese de que é o “novo” Boca Juniors da década. Desde 2006, conquistou uma Taça Libertadores e dois nacionais, além de dois vice-campeonatos em Apertura e Clausura e um vice da Copa Sul-Americana, para o Internacional, em 2008.

Vélez termina ano de centenário com vice

Leandro Benitez comemora gol do Estudiantes contra o Arsenal
Benítez comemora o seugndo do Pincha (Foto: AFP)

O título da equipe de Alejandro Sabella veio independente da vitória do Vélez Sarsfield sobre o Racing, fora de casa, por 2 a 0. O Estudiantes terminou a competição com 45 pontos, dois a mais que o rival na disputa pelo caneco. Só um empate do Pincha e uma vitória do Vélez forçariam a disputa de um jogo extra no meio da semana. Martínez e Moralez marcaram no Cilindro.

Apesar da boa campanha no Apertura, o vice-campeonato encerra um ano de centenário de decepção para o Vélez. Nono colocado no Clausura, eliminado nas oitavas de final da Taça Libertadores para o Chivas e para o Banfield na fase nacional da Copa Sul-Americana, a equipe terminou a temporada sem um título sequer, em caso semelhante ao do Corinthians no Brasil.

O alento é a classificação para o Grupo 4 da Libertadores, chave teoricamente mais fácil do que a do Estudiantes, ao lado de Caracas, da Venezuela, Universidad Católica, do Chile, e Chile 3 ou Bolívar, da Bolívia.

12/12/2010 20h53 – Atualizado em 12/12/2010 21h51

Estudiantes é campeão do Apertura

Fonte Globoesporte.com