Por Edgar Santista – Com festa no Serra, Goiás vence, convence e sai na frente na decisão

Time brasileiro bate o Independiente por 2 a 0 e agora pode perder por um gol de diferença em território argentino que mesmo assim fica com a taça

Com o Serra Dourada lotado de camisas verdes, o Goiás conseguiu um importante resultado no primeiro jogo da final da Copa Sul-Americana, nesta quarta-feira: bateu o Independiente por 2 a 0, com gols da dupla Rafael Moura e Otacílio Neto, e viaja com um pouco mais de tranquilidade para decidir a taça na próxima quarta-feira, em Avellaneda, na Argentina. Eficiente na marcação e rápido na criação, principalmente no primeiro tempo, o Esmeraldino soube aproveitar o desespero dos visitantes, que tentavam não levar gols, mas fracassaram. Na segunda etapa os brasileiros relaxaram e até sofreram perigo de um oponente com um homem a menos, mas mantiveram o placar favorável

Com o resultado, o time goiano pode perder por um gol de diferença que se sagra campeão. Na final, não há mais a questão do peso para o tento marcado fora de casa, o que vale é o saldo de gols dos dois jogos entre as equipes. A vantagem é brasileira.

Festa alviverde na primeira etapa

//

A torcida do Goiás ouviu o apelo de Rafael Moura, e mais de 35 mil apaixonados lotaram o Serra Dourada, gritando com toda força para incentivar o time. Os torcedores do Independiente eram cerca de 2 mil, mas mesmo em minoria estava eufóricos. Houve confusão entre eles e a Polícia, que precisou diminuir o espaço dos visitantes para acomodar mais esmeraldinos. Mas os policiais conseguiram controlar o tumulto (assista ao vídeo).

O Goiás, com apoio total, adotou o tradicional 3-5-2, mas não deixou de atacar em nenhum momento. O técnico Artur Neto queria a vitória em casa para ir para Buenos Aires, na próxima semana, com vantagem. O que o Esmeraldino encontrou foi um time muito fechado, que aparecia nos contra-ataques e nas bolas paradas. E abusava um pouco das entradas duras. Velasquez e Galeano logo foram advertidos com cartões amarelos.

O dono da casa, determinado, conseguiu chegar ao primeiro gol em um lance de raça. Carlos Alberto, que já tinha carimbado o goleiro Navarro, brigou pela bola com um defensor argentino e, sem querer, tocou para Rafael Moura balançar a rede na pequena área, aos 14 minutos. Explosão da torcida e festa do He-Man, que marcou seu sétimo gol na competição: 1 a 0 para o Goiás.

O Independiente precisou se arriscar um pouco mais para tentar o empate. Até ameaçou Harlei, mas logo tomou outra ducha de água fria: Marcelo Costa, um dos destaques do anfitrião, carregou a bola e achou Douglas, que passou rasteiro para Otacílio Neto empurrar para o gol: 2 a 0 e mais festa alviverde! O atacante, autor do gol, correu ao banco de reservas para comemorar com o técnico e com os companheiros.

Mesmo com o segundo gol, o Goiás não sossegou e tentou ampliar. Com boas jogadas de Marcelo Costa, o time tinha velocidade com Saci e Douglas, e presença de área com Moura e Otacílio Neto. Mas precisava se cuidar um pouco mais na defesa, já que o time argentino se abriu ainda mais e tentou de tudo para buscar um gol. Harlei fez boas defesas e não deixou os hermanos marcarem. E o dono da casa foi para o intervalo com a importante vantagem no placar. O Serra lotado seguia em festa.

Expulsão no time argentino e confirmação goiana

O técnico Antonio Mohamed, conhecido como “El Turco”, tentou mudar um pouco a forma do meio-campo do Independiente jogar, colocando o meia Rodriguez na vaga do volante Goidoi. O objetivo era tentar segurar mais a bola e distribuir para Parra e Silvera buscarem o gol. O time argentino até se arriscou um pouco mais no início do segundo tempo, mas o Goiás voltou impondo um ritmo forte, embalado pela torcida. Se o time argentino ficava um pouco mais com a bola, logo era vaiado pela massa.

A situação do Independiente, que já não era boa, parecia que ia piorar. Ao 12 minutos, Silvera deu uma cotovelada em Rafael Toloi, ganhou a bola na pequena área e chutou para Harlei fazer a defesa. Ao fim do lance, o árbitro Carlos Torres expulsou o atacante pela agressão. O time argentino perdeu para o segundo jogo da final seu artilheiro, que tem três gols.

Uma bela tabela de Marcelo Costa, de calcanhar, com Otacílio Neto, carimbou a trave, mas não valeu, pois o atacante estava em impedimento. O 22, aliás, ouviu alguns gritos da torcida pedindo Felipe após ter errado um passe no ataque. Os torcedores seguiam com um show especial, girando camisas e cantando o tempo todo. No entanto, em campo, o Esmeraldino começava a cair de produção

A torcida pediu Felipe, mas quem entrou foi Éverton, ocupando a vaga de Neto. O Goiás demonstrava sinais de cansaço, e o visitante, mesmo com um a menos, encontrava espaços. A pressão passou a ser dos hermanos nos minutos finais. Os gritos de “mais um” começaram a ecoar nas arquibancadas, na tentativa de acordar um pouco o Esmeraldino. Felipe, no banco, foi novamente lembrado. Até Harlei perdeu a paciência e pediu que o time parasse de trocar passes e tentasse marcar o terceiro.

Rafael Moura encontrou tempo para mostrar que tem habilidade também com a cabeça e conduziu a bola com cabeçadas, ao estilo “foca”. A jogada inspirou Toloi, que quase marcou em um chute forte, agarrado por Navarro. Artur Neto atendeu ao pedido da torcida e colocou Felipe, mas o atacante não teve tempo de fazer quase nada, apenas de cobrar uma falta que gerou impedimento. E o Goiás confirmou a vitória por 2 a 0, forte e esperançoso para o duelo em terras argentinas. Fogos iluminaram o céu do Serra Dourada!

GOIÁS 2 X 0 INDEPENDIENTE
Harlei, Rafael Toloi, Ernando e Marcão; Douglas, Carlos Alberto, Amaral, Marcelo Costa (Felipe) e Wellington Saci; Otacílio Neto (Éverton) e Rafael Moura Navarro, Velasquez, Tuzzio e Galeano; Cabrera (Matheu), Battion, Fredes (Maximiliano Velasquez), Godoi (Rodriguez) e Mareque; Parra e Silvera
Técnico: Artur Neto Técnico: Antonio Mohamed
Gols: Rafael Moura, aos 14 minutos, e Otacílio Neto, aos 20 minutos do primeiro tempo.
Cartões Amarelos: Otacílio Neto, Carlos Alberto (Goiás); Velasquez, Galeano (Independiente). Vermelho: Silvera
Público: 35.500 pagantes. Renda: R$ 912.940,00
Estádio: Serra Dourada, em Goiânia. Data: 24/11/2010. Árbitro: Carlos Torrees (PAR). Auxiliares: Nicolás Yegros e Rodney Aquino (PAR)

Texto: globoesporte.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s