Tem Rodada na Terra da Rainha

Após se dar bem contra o rival a altura – vitória, por 2 a 0, sobre o Arsenal -, o líder Chelsea volta a trilhar um caminho tranqüilo no Campeonato Inglês. Bem diferente será o trajeto do rival Manchester United, neste sábado, na abertura da oitava rodada.

Jogando em casa, o Manchester United, ainda invicto, assim como o Fulham, fará um duelo de seis pontos com o West Bromwich. Após empatar sem gols com o Suderland, os Diabos Vermelhos caíram para o terceiro lugar, com 13 pontos. Já o West soma 11, na sexta posição, após empatar, por 1 a 1, com o Bolton.

A rodada segue com dois jogos no domingo e um na segunda-feira. Mas engana-se que o destaque será o vice-líder Manchester City em seu duelo diante do Blackpool. Todos estarão de olho no “novo” Liverpool. Este será o primeiro jogo do Liverpool após ser vendido por um grupo norte-americano. O acordo, de 344 milhões, foi selado e o clube deixa de ter a dívida com o Royal Bank of Scotland.

“Em nome de todo o NESV, eu quero expressar o quão orgulhoso e honrados estamos em sermos confirmados como novos donos do Liverpool. Estamos comprometidos primeiramente e mais importante em vencer. Nós temos uma história vencedora e queremos que os torcedores do Liverpool saibam que é essa abordagem que queremos trazer para esse grande clube”, disse John W. Henry, novo dono do Liverpool.

Por Edgar Santista: Retirado Globoesporte.com/ esporteinterativo.com

ICFUT – Últimas de Fluminense x Botafogo

Clássico Vovô !

Fonte: O Dia Online

Muricy tem a ‘receita’ de tricampeão

Treinador lembra que é fundamental manter a cabeça no lugar e pede gás a mais na reta final

POR RICARDO NAPOLITANO

Rio – Qual será o fator determinante para a disputa do título brasileiro? Tricampeão consecutivo pelo São Paulo (2006, 2007 e 2008), o técnico Muricy Ramalho tem a resposta na ponta da língua a nove rodadas do fim da competição. Muito mais do que preparo físico e organização dentro de campo, os jogadores vão precisar ter a cabeça no lugar para não perder o foco e, consequentemente, diminuir o ritmo.

Vice-líder com 52 pontos, o comandante do Tricolor sabe que o grupo tem condições de voltar a vencer após as derrotas diante do Santos e do Cruzeiro. Mas, para ele, chegou a hora de dar algo a mais durante as partidas e mostrar que o Fluminense está preparado para buscar o título.

“Pela minha experiência no Campeonato Brasileiro, que na minha opinião é o mais difícil do mundo, o treinador vai ter de exigir ainda mais a parte tática e a técnica dos atletas. No entanto, é o lado psicológico que vai falar mais alto nesta reta final. Os times são muito nivelados, e quem quer ser campeão terá de mostrar tranquilidade dentro de campo”, disse o treinador.

Muricy Ramalho, no entanto, usou a campanha do Tricolor na reta final do Brasileiro do ano passado para ressaltar o espírito competitivo da equipe. E, segundo ele, os jogadores do Fluminense estão ainda mais empenhados agora.

“Tenho de fazer os jogadores enxergarem que este título está muito perto. Eles já mostraram no ano passado que são guerreiros e, quando têm um objetivo, só descansam após o sucesso”, afirmou Muricy, reconhecendo que o papel do treinador é limitado. “A gente apenas mostra o caminho. Mas, no futebol, quem resolve uma partida são os jogadores. Os treinadores, no máximo, ajudam do lado de fora”.

Mas o discurso de Muricy já foi assimilado pelo grupo. Ontem, Washington, com 35 anos, revelou que aprende muito com o técnico: “É muito bom poder contar com os ensinamentos de um treinador do porte do Muricy. É importante aproveitar a presença dele”.

Maestro acerta o ritmo da bola parada

Lucio Flavio treina à exaustão as cobranças de falta, um dos trunfos do Alvinegro para vencer o clássico

POR MARCIA VIEIRA

Rio – Um dos trunfos para o Botafogo vencer o clássico de amanhã com o Fluminense é a bola parada. Para não desperdiçar nenhuma chance real, o técnico Joel Santana treinou à exaustão as cobranças de falta e os cruzamentos na área durante toda a semana. E, para variar, um dos jogadores que tiveram o melhor aproveitamento foi o apoiador Lucio Flavio, que já marcou quatro gols no Brasileiro, dois de falta — contra Flamengo e Goiás.

“Esta semana deu para calibrar um pouco mais. Como tivemos muitos jogos, dei uma parada, mas retomei os treinos nestes dias e espero fazer bem essa jogada”, disse Lucio Flavio. Ele destacou que, em clássico, um detalhe pode fazer toda a diferença: “Com este afunilamento de jogos, sai muito gol de bola parada, porque os jogos são mais tensos e ninguém quer errar. Às vezes, uma falta lateral ou uma cobrança de escanteio pode decidir o jogo”.

Já nos cruzamentos, o segredo para surpreender os zagueiros adversários é encontrar o famoso ponto da bola: “É aquela bola certeira que quem efetua a cobrança sabe que, se cair em determinado lugar, tem 90% de chances de sair o gol. É por isso que existe esta exaustão de repetir as jogadas para a gente aproveitar quando surgirem essas situações”.

Incomodado com o longo jejum de vitórias no Brasileiro — oito jogos, com sete empates seguidos —, Lucio Flavio espera acabar com a série negativa. “Incomoda estar há oito rodadas sem vencer em uma competição que você quer brigar lá na frente. Incomoda ver o time jogar bem, e não vencer”, analisa.

Lucio Flavio estava em campo no dia da inauguração do Engenhão, quando o Botafogo venceu o único clássico no estádio (2 a 1 sobre o Fluminense): “Nós temos que ganhar o último clássico do ano para termos a chance de disputarmos a Libertadores e fazermos com que este jogo seja histórico para o clube”.

ICFUT – Últimas do Sansão !

Fonte: Globo.com

Arouca admite jogo especial contra o Tricolor e mira o título brasileiro

Volante cresceu de produção desde que chegou ao Santos e fala em motivação a mais diante do ex-time no clássico deste domingo

Por Tiago Leme Santos, SP

Arouca treino SantosArouca vai encarar o ex-time (Foto: Ricardo Saibun)

Depois de um ano no Morumbi sem muito sucesso, Arouca foi emprestado no início de 2010 ao Santos, que acabou comprando o jogador em definitivo em julho. Na Vila Belmiro, o volante teve boas atuações e se firmou entre os titulares da equipe. Apesar de já ter enfrentado o seu ex-clube no Paulistão deste ano, o jogador diz que é sempre uma motivação a mais encarar o Tricolor, adversário deste domingo.

– É especial, sim. Se lá não deu certo, agora estou no Santos, estou bem aqui e espero ajudar o time – afirmou o volante.

Na ocasião, Arouca foi trocado com Rodrigo Souto, que fez o caminho inverso e foi atuar no São Paulo. Mas não foi só o volante santista que gostou da troca. O técnico Marcelo Martelotte foi outro que ficou satisfeito e fez elogios ao jogador.

– No momento da troca, o Rodrigo Souto era atá mais valorizado do que o Arouca, já que o Arouca não era titular do São Paulo. Mas ele ganhou espaço no Santos, foi bem, e com certeza foi uma troca positiva para o Santos – avaliou Martelotte.

Agora, Arouca visa a conquista do título brasileiro. Por isso, sabe que uma vitória no clássico do Morumbi é de fundamental importância para o Peixe.

– Nosso obejtivo é o título, estamos apenas seis pontos atrás líder. Não nos interessa o segundo e nem o terceiro lugar, o que nos interessa é o titulo. Por isso, vamos em busca da vitória contra o São Paulo – disse o volante santista.

Peças-chave: Neymar e Zé Love, os mais participativos em gols do Peixe

Técnico crê que o toque de bola é a característica principal da dupla de frente

Por Rodrigo Breves e Tiago Leme Rio de Janeiro e Santos

Um dos ataques mais positivos do Brasileirão é o do Santos, com 48 gols, um a menos do que o Fluminense, e, não por acaso, dois jogadores de frente são os que mais se destacam na participação das jogadas decisivas da equipe alvinegra. Somados, Neymar e Zé Eduardo colaboraram em 64,5% dos lances que terminaram nas redes adversárias. O segundo, por sinal, deu a sua primeira assistência na competição, na vitória por 1 a 0 sobre o Internacional, nesta quarta-feira, justamente para o camisa 11 .

– Acho que é sempre importante pensar na equipe, estou em boa fase e podendo ajudar o time. O importante é não só fazer gols, mas também participar das jogadas. Fico feliz de estar ajudando também dessa forma – afirmou Zé Eduardo.

Neymar participou exatamente da metade dos gols santistas no campeonato, marcando nove vezes, distribuindo cinco assistências e colaborando em mais dez jogadas. Numa delas, da importante vitória por 3 a 0 sobre o Fluminense, no Engenhão, pela 28ª rodada, o atacante invadiu a área e acertou a trave duas vezes, mas, no rebote, Zé Love não desperdiçou a oportunidade de abrir o placar (assista ao gol chorado do Peixe no vídeo ao lado). O técnico Marcelo Martelotte está gostando da sua dupla de frente e acha que Neymar vem crescendo graças a essa parceria.

– A entrada do Zé mudou um pouco a característica do nosso time. Com a lesão do Marcel, você passa a não ter um jogador fixo na área, mas passa a ter um jogador de mais mobilidade lá na frente. Talvez isso tenha sido bom para o Neymar, já que ele busca um parceiro com essa característica de sair mais para tocar a bola. Isso foi positivo nos últimos jogos – analisou o treinador.

Peça-Chave Neymar Zé EduardoNeymar e Zé Eduardo são os diferenciais na hora de lances decisivos para o Peixe (Foto: Globoesporte.com)

A participação de Zé Eduardo é impressionante para um jogador que há algumas rodadas era reserva: 27%. O atleta alvinegro já fez oito gols, deu a sua única assistência na quarta-feira passada e ainda colaborou em mais quatro lances, sofrendo, inclusive, um pênalti no primeiro gol da vitória diante do Grêmio, por 2 a 1, pela 16ª rodada, convertido por Neymar.

– Tenho uma amizade com o Neymar fora de campo, a gente conversa bastante. Não sou um jogador de área, estou me adaptando a essa função com a lesão do Marcel, pela carência de jogadores. É importante o ataque ter jogadores rápidos, acho que facilita a tabela lá na frente. Eu e o Neymar estamos nos entendendo bem – garantiu Zé.

Outro atacante e o curinga do time ocupam a terceira posição no elenco em termos de participação nos gols. Marcel e Danilo, que já exerceu as mais variadas funções em campo, colaboraram em 23% das jogadas decisivas, sendo que o primeiro colocou sete bolas na rede e o outro três. Marquinhos (21%) e Madson (19%) também são bastante ativos no momento de definir uma partida. Já Paulo Henrique Ganso tinha uma colaboração de 30% antes de se lesionar e perder o restante do Brasileiro.

CONFIRA A LISTA COMPLETA DO SANTOS NO CAMPEONATO BRASILEIRO
Jogador Envolvimento em ações de gol Percentual
Neymar 24 participações 50%
Zé Eduardo 13 participações 27%
Marcel e Danilo 11 participações 23%
Marquinhos 10 participações 21%
Madson 9 participações 19%
Paulo Henrique Ganso 7 participações 14,5%
Alex Sandro, Léo e Maranhão 6 participações 12,5%
Durval, Alan Patrick e André 5 participações 10%
Edu Dracena 4 participações 8%
Arouca, Zezinho, Roberto Brum e Wesley 3 participações 6%
Rodriguinho 2 participações 4%
Pará e Keirrison 1 participação 2%

Jean considera perdas do Peixe que foi campeão, mas não se ilude

jogador diz que pensar em atrapalhar o Santos é algo pequeno e admite que incomoda não vencer o rival, mas que prefere deixar história para trás

Por Carolina Elustondo São Paulo

Jean, treino São PauloJean no treino do São Paulo (Foto: Vipcomm)

No primeiro semestre, o Santos abocanhou dois títulos: da Copa do Brasil e do Paulistão. Neste último, bateu o São Paulo nas semifinais e esbanjou qualidade em campo. Agora, o Peixe reencontra o Tricolor neste domingo, às 18h30m, no Morumbi, pelo Brasileiro, sem três jogadores que se destacaram anteriormente: Robinho e André, que deixaram o clube, e Ganso, machucado. A ausência do trio torna o time da Baixada mais fraco? Jean acha até que faz diferença sim, mas não se ilude nem espera moleza em campo por causa disso. Para ele, o Tricolor precisa ter atenção total contra o rival.

– Por uma questão de entrosamento o Santos do primeiro semestre era mais forte sim. Agora o time está se reencontrando, excelentes jogadores foram embora e o Ganso está lesionado. Mas se entrarmos nessa de que o adversário está mais fraco complica, no Brasileirão não tem disso, eles vêm com a mesma força ou até mais e, se relaxarmos, vamos ser surpreendidos e cair no nosso próprio erro – alertou o volante, que vem atuando como lateral-direito.

O retrospecto contra o Santos em 2010 também não é nada animador: foram quatro derrotas, três pelo Paulistão e uma pelo primeiro turno do Brasileiro. Os resultados incomodam sim, não esconde Jean, mas ele prefere deixar tudo no passado e tentar construir uma história vitoriosa neste domingo.

– Por ser São Paulo e vestir essa camisa pensamos em vitórias, ainda mais em clássicos, não queremos perder. Acaba até incomodando um pouco, mas no jogo não tem pensamento de vingança, nem sobre o que fizeram com a gente. Isso não ganha jogo, o que ganha é trabalho. Isso fica na história, agora é um novo momento para os dois times – explicou.

Se vencer no domingo, o São Paulo pode atrapalhar os planos do Santos de tentar o título brasileiro. Mas isso não serve de motivação para Jean.

– Eu não estou aqui para pensar no que vai acontrecer com o Santos, tenho que pensar no São Paulo. São três pontos importantíssimos pra nós. Pensar que tenho que ganhar para atrapalhar o Santos é pensar pequeno demais. Tenho que me preocupar com o que o São Paulo pode alcançar – completou.

Sem aceitar rótulo de professor, Carpegiani ensina grupo tricolor

Alex Silva confessa que o treino é um pouco parado e por isso jogadores não gostam tanto, mas ressalta importância do trabalho do treinador

Por Carolina Elustondo São Paulo

Treino do São Paulo - CarpegianiCarpegiani no treino (Foto: Luiz Pires / VIPCOMM)

Neste 15 de outubro, dia do professor, Paulo César Carpegiani levou o grupo do São Paulo para o Morumbi. Colocou o time em campo e fez um trabalho tático detalhado. Mostrou na prática o que queria de cada jogador, em um exercício de paciência. Como um verdadeiro mestre ensinando seus alunos, ele se colocou no papel dos atletas, lembrando os tempos de ex-jogador. Mas a verdade é que Carpegiani não gosta de ser chamado de professor.

– Não gosto nem que os jogadores me chamem assim.

Os atletas confessam que o treino tático e constantemente parado para instruções é uma atividade um pouco chata, mas bastante importante para que todos entendam o que é preciso fazer contra o Santos neste domingo, às 18h30m, pelo Brasileiro.

– Foi feito um trabalho tático, até porque o Paulo, quando chegou, não teve muito tempo para isso. Faltam poucos jogos, e ele tenta acertar tudo da melhor maneira possível. Os jogadores não gostam muito de tático porque é um treino parado, mas é necessário neste momento. O Paulo procurou ajeitar o time de acordo com o Santos, trabalhou postura e compactação da equipe – explicou Alex Silva, que aprendeu direitinho que não deve chamar o comandante de professor.

O técnico diz que gosta mesmo de explicar com detalhes aos atletas tudo o que espera deles. O desafio de Carpegiani é fazer o Tricolor jogar com quatro homens de frente e ainda assim não perder força defensiva.

– Tenho insistido com o tático. Não adianta colocar o Fernandinho no lado esquerdo só, sei que ele pode executar funções específicas, e ele tem que saber o motivo. Se eu não mostrar para eles o que quero, não posso cobrar. O jogador só vai ter essa consciência se treinar. Somos um pouco relaxados com isso no Brasil porque sempre achamos que vamos decidir o jogo quando queremos pela qualidade, e não é bem assim – justificou o comandante.


ICFUT – Giro pelo Futebol 16/10/2010

Fonte: Futebolinterior.com.br

ICFUT – Veja que jogadores que sairam do Timão por pressão !

Fonte: Lancenet.com.br

Pressão já tirou ídolos do Corinthians

Tevez, Rivellino, Marcelinho e Edílson já deixaram o Timão após brigas com a Fiel

Tevez, Edilson e Souza Tevez, Edilson e Souza deixaram o Timão pelos fundos

Se dentro do campo a torcida corintiana é considerada o 12º jogador da equipe – pelo apoio dado tanto nos momentos de glória como nos de crise -, fora dele a Fiel é protagonista em diversas saídas conturbadas de atletas do clube. Marcado por má atuações e gols perdidos com a camisa do Timão, o atacante Souza negocia com a diretoria sua rescisão contratual e deve ser mais um a deixar o clube depois de brigas com a torcida.

Contratado em 2009 com a dura missão de substituir Ronaldo nos partidas em que o Fenômeno precisasse ser poupado, o atacante não foi nem sombra daquele que foi o artilheiro do Brasileirão de 2006, pelo Goiás, com 17 gols marcados. Em 72 jogos disputados pelo Timão, Souza não superou nem ao menos a marca alcançada no clube goiano: foram somente 13 gols marcados.

Nesta sexta-feira, cerca de 50 torcedores estiveram no Centro de Treinamento Joaquim Grava para protestar contra a má sequência de resultados e a queda de rendimento no Nacional. Em faixa estendida na porta do CT, o atacante foi um dos principais alvos da Fiel, que chegou a pedir sua saída.

No entanto, o caso de Souza não é isolado. Nos cem anos de História do Corinthians, muitos atletas já deixaram o clube depois de desavenças com a torcida. Entre eles, estão inclusive alguns dos maiores ídolos do clube, e que tinham grande identificação com a torcida. Confira o levantamento realizado pelo LANCENET!:

Rivellino (1974)
Roberto Rivellino é considerado até hoje um dos melhores jogadores que vestiram a camisa do Corinthians. Apesar da técnica apurada, belos passes e precisão em cobranças de falta com a perna esquerda, o Reizinho do Parque era muito cobrado pela escassez de títulos que o time vivia desde 1954.

O ápice da indignação da torcida com o meia aconteceu em 1974, quando o Corinthians precisava de um empate com o Palmeiras na final do Campeonato Paulista para se sagrar campeão estadual. Porém, o Verdão venceu por 1 a 0 com péssima atuação do camisa 10, que atuou quase como um defensor durante toda a partida.

Acusado de falta de comprometimento e individualismo pela torcida, foi negociado com o Fluminense, onde marcou três gols contra o ex-clube logo em sua estreia. Pelo clube carioca, conquistou títulos, coisa que não conseguiu no Corinthians.

Edílson (2000)
Mesmo já tendo atuado no arquirrival Palmeiras, Edílson foi o grande nome do time corintiano na conquista do Mundial de Clubes da Fifa, de 2000 e dos dois títulos brasileiros, conquistados em 98 e 99. Levou a Fiel à loucura na final do Campeonato Paulista de 1999, quando Corinthians e Palmeiras empatavam em 2 a 2, resultado que dava a taça ao Timão, e numa jogada na lateral começou a fazer embaixadinhas e deixando os jogadores adversários irados, iniciando uma briga generalizada no campo.

No entanto, os torcedores esqueceram todos os títulos e provocações aos rivais depois que o Corinthians foi eliminado da Libertadores de 2000 nas semifinais, pelo próprio Palmeiras. Na ocasião, o camisa 10 optou por não participar das cobranças de pênalti. O Timão foi eliminado e na mesma semana Edílson foi encurralado por vários torcedores no estacionamento do Parque São Jorge, tendo que sair com a ajuda de vários seguranças. Sem clima, foi negociado com o Flamengo.

Marcelinho Carioca (2001)
O camisa 7 é o maior ídolo da história recente do Corinthians. Conquistou dez títulos, teve atuações brilhantes e sempre foi adorado pela torcida. No entanto, da mesma maneira que tinha talento com a bola nos pés, tinha para criar polêmicas. Na maior delas, brigou com Ricardinho em 2001 e saiu do clube pela porta dos fundos, encerrando uma geração vitoriosa.

Marcelinho voltou a jogar no Corinthians em 2006, depois de uma negociação estranha em que ele foi contratado para abater uma dívida financeira com o clube e saiu alguns meses depois com dinheiro para receber da diretoria. Ainda brigou com o volante argentino Mascherano e com o técnico Emerson Leão, antes de ser demitido.

Em 2010, foi anunciado como “Embaixador do Centenário”, e fez seu jogo de despedida contra o Huracán (ARG), com vitória por 3 a 0.

Ricardinho (2002)
Um dos jogadores que mais conquistaram títulos pelo Timão (sete ao todo), Ricardinho era o grande xodó da Fiel torcida, ao lado de Marcelinho Carioca. No clube desde 1998, vindo do Paraná, foi convocado pelo técnico Luiz Felipe Scolari para a Copa do Mundo da Coreia e Japão em 2002.

Logo após voltar do Mundial, aceitou uma proposta do rival São Paulo de 2 milhões de reais, sendo na época a maior transação entre clubes brasileiros da história. A torcida é claro, não deixou de mostrar sua indignação com o meia. No primeiro jogo dele contra o Corinthians, foi xingado de “mercenário” e vaiado durante toda a partida.

Em 2006, voltou ao clube para a disputa da Libertadores da América. Mesmo com boas atuações, o time fracassou e ele foi negociado com o Besiktas (TUR).

Carlitos Tevez (2006)
Contratado junto ao Boca Juniors (ARG) pela MSI, parceira do Corinthians na época, o atacante argentino caiu rapidamente nas graças da Fiel por seu estilo raçudo em campo. Logo no seu primeiro ano pelo clube, conquistou o polêmico Campeonato Brasileiro daquele ano, marcado pela escândalo de corrupção da arbitragem.

No ano seguinte, era o grande nome do Timão para a Libertadores da América, mais caiu para o River Plate (ARG) nas oitavas de final, frustrando mais uma vez a nação alvinegra. A partir daí a relação entre o argentino e a torcida começou a se estreitar, e teve seu auge em um jogo contra o Fortaleza, quando Tevez marcou um gol e mandou a torcida ficar em silêncio. Na saída do estádio, seu carro foi chutado e o jogador recebeu muitos xingamentos. Com medo de continuar no clube e das represálias dos torcedores, foi negociado com o West Ham (ING), logo após a Copa da Alemanha. Mesmo com saída conturbada, é considerado até hoje um dos maiores ídolos da história do clube.

Coelho (2006)

A traumática eliminação na Libertadores de 2006 também fez outra vítima no Parque São Jorge. Revelado nas categorias de base do Corinthians, o lateral-esquerdo Coelho chegou a fazer boas partidas pelo clube. No entanto, na semifinal da competição sul-americana, no Pacaembu, o Timão vencia o River Plate (ARG) por 1 a 0 quando o lateral-esquerdo desviou um cruzamento contra a própria meta, empatando a partida.

Com a derrota por 3 a 1 e a consequente eliminação, Coelho foi emprestado ao Atlético-MG. Retornou ao Corinthians em 2008, e depois de ser vaiado pela torcida em todos os jogos, foi negociado em definitivo com o time mineiro.

Por Cleber Aguiar – Santos na final da Libertadores Feminina !

Fonte: Globo.com

Sereias vencem o Boca Juniors e vão para a final da Libertadores feminina

Meninas do Santos tentarão garantir o bicampeonato diante das chilenas do Everton, no domingo

Por GLOBOESPORTE.COM Barueri, SP

Os Sereias da Vila estão mais perto do bicampeonato da Libertadores feminina. Nesta sexta-feira, as santistas venceram o Boca Juniors por 2 a 0, na Arena Barueri, e se classificaram para a decisão da competição. As adversárias da equipe alvinegra serão as chilenas do Everton, que venceram o Deportivo Quito, nos pênaltis, por 5 a 4, depois de empatar em 0 a 0 com as equatorianas, no tempo regulamentar.

Após o primeiro tempo sem gols. O time do Santos garantiu a classificação na etapa final. Aos 28, Maurine abriu o placar, em cobrança de falta certeira no canto esquerdo da goleira Correa.

No rebote do chute de Beatriz, Suzana aproveitou para ampliar e garantir, aos 33, a ida das santistas para a grande final.

ICFUT – Cantora traída faz música para provocar jogador !

Fonte: Futebolinterior.com.br

Som na caixa! Traída, cantora estonteante lança música para alfinetar jogador

Cheryl Cole faz um desabafo ao fim do relcionamento com o lateral Ashley Cole

 

Quando vai rolar um show no Brasil?

Campinas, SP, 15 (AFI) – O lateral-esquerdo do Chelsea-ING e da seleção inglesa, Ashley Cole, continua pagando caro por ter traído a bela Cheryl Cole. A bela modelo e cantora lançará no próximo dia 1º de novembro um novo álbum, chamado “Messy Little Raindrops”, com uma música onde solta o verbo contra o jogador.

A canção denominada Happy Tears – na tradução lágrimas felizes -, a musa faz um desabafo ao fim do relcionamento com Cole. Ambos se casaram em 2006, e no início deste ano separaram-se após ela descobrir ter sido traída pelo atleta.

Confira um trecho da música:

Eu chorei quando soube que você me traía…
Eu chorei quando disse que estava indo embora…
Eu vendi todos os diamantes e queimei todas as roupas

Por Cleber Aguiar – Ipatinga e ASA vencem pela série B .

Fonte: Futebolinterior.com.br

Série B: Mandantes vencem e paulistas vão mal na 29.ª rodada

Ipatinga bateu Ponte e ASA passou pelo São Caetano

Campinas, SP, 15 (AFI) – Na abertura da 29.ª rodada do Campeonato Brasileiro da Série B, nesta sexta-feira à noite, os mandantes se deram melhor. Azar dos paulistas, que sofreram duas derrotas. Em recuperação, o Ipatinga bateu a Ponte Preta, por 2 a 1, no interior de Minas Gerais, enquanto no interior de Alagoas, em Arapiraca, o ASA venceu o São Caetano por 3 a 1.

Ipatinga: 4.ª vitória seguida
No Ipatingão, o time da casa foi melhor no primeiro tempo, mas os gols saíram na etapa final. Rodrigo Antônio, de cabeça, abriu o placar para o Ipatinga, mas William, também de cabeça, empatou para o time campineiro. No final, num contragolpe, Alessandro marcou o gol da vitória mineira, e seu 15.º gol, isolando-se na artilharia, um gol a mais do que Ciro, do Sport.

Esta foi a quarta vitória consecutiva do Ipatinga, ainda na zona do rebaixamento, mas com 30 pontos, em 17.º lugar. A Ponte, que ainda sonha com o G4, não tem regularidade para encostar nos líderes. Assim, continua com 45 pontos, em quinto lugar.

ASA brilha com Ciel
Em Arapiraca brilhou a estrela do meia Ciel, que marcou os três gols do ASA sobre o São Caetano, por 3 a 1. Anderson Marques anotou para o Azulão, que jogou com um a menos desde o primeiro tempo e ainda perdeu um pênalti chutado por Eduardo e defendido por Jorge Miguel.

O time alagoano, estreante na Série B, está com 41 pontos, em oitavo lugar, após conseguir a sua quartaq vitória consecutiva. O Azulão, ainda irregular, continua com 40 pontos, em décimo.

Mais oito jogos
A 29.ª rodada será completada no sábado, com mais oito jogos. O Coritiba, na condição de líder isolado, vai até Recife enfrentar o Sport. Os outros times que integram o G4 – América-MG, Figueirense e Bahia – também vão estar em campo, defendendo suas posições.

Confira os resultados e os jogos da 29.ª rodada:

Sexta-feira
Ipatinga-MG 2 x 1 Ponte Preta-SP
ASA-AL 3 x 1 São Caetano-SP

Sábado

16 horas
Bahia-BA x Náutico-PE
Santo André-SP x Figueirense-SC
Sport-PE x Coritiba-PR

16h10
Portuguesa-SP x Guaratinguetá-SP
Paraná-PR x Brasiliense-DF
21 horas
Bragantino-SP x América-RN
Icasa-CE x América-MG
Vila Nova-GO x Duque de Caxias-RJ

Por ICFUT – Tite acerta contrato com o Timão, mas depende de sheik para assinar

Técnico combinou salários e ficaria até dezembro de 2011. Neste sábado, ele vai conversar com dono do Al-Wahda e pedir liberação

Fonte – globoesporte.com

Tite  - 09/07/09
Tite: aqui, em ação pelo Internacional

O anúncio do novo técnico do Corinthians depende do sheik Saeed bin Zayed Al Nahyan, dono do Al-Wahda, dos Emirados Árabes. Depois de acertar salários e tempo de contrato com o Timão, Tite vai conversar neste sábado com o “chefão” do time e pedir a liberação sem pagamento de multa rescisória. Os brasileiros acreditam e torcem para que dê certo, ainda mais após o protesto de alguns torcedores durante o treino do time no CT, nesta sexta-feira.

O clima no clube só piora, e a expectativa da diretoria alvinegra é que até segunda-feira tenha em mãos uma decisão. Se tudo der certo, Tite fará seu primeiro jogo no dia 24 de outubro, contra o Palmeiras, no estádio do Pacaembu. Neste domingo, diante do Guarani, a equipe segue sob comando do interino Fábio Carille.

O acerto verbal com Tite aconteceu nesta sexta-feira. Desde minutos depois da derrota para o Vasco, quarta-feira, em São Januário, o presidente Andrés Sanches controla essa negociação. Insatisfeito com o momento do Timão, ele espera que a chegada do novo treinador dê um choque de reação no elenco alvinegro, cada vez mais pressionado pela fúria da torcida.

Andrés Sanches propôs um acordo com Tite até o final de 2011. A ideia é que ainda este ano, independentemente de título ou não, o técnico inicie o planejamento para a próxima temporada. O Timão espera aos menos ter uma vaga na Libertadores.

Se confirmada, essa será a segunda passagem de Tite pelo Parque São Jorge. Antes, ele ficou de 28 de maio de 2004 a 28 de fevereiro de 2005. Nesse período foram 51 jogos, com 24 vitórias, 15 empates e 12 derrotas.