Por Zé Reis – Fla ‘zera’ problemas e Silas comanda o time no clássico com o Botafogo

Técnico e Zico não dão entrevistas, mas vice Vinícius França confirma permanência. Renato diz que crise com zagueiro Jean é ‘página virada’

Fonte: Globo Esporte

Antes de comandar o treino na manhã desta quinta-feira, no Ninho do Urubu, o técnico Silas reuniu o elenco do Flamengo para tentar amenizar a crise de relacionamento com os atletas, que explodiu após o comandante entrar em polêmica com o zagueiro Jean (veja ao lado o vídeo do Globo Esporte com todo o caso). Zico, diretor de futebol, e outros integrantes da comissão técnica também participaram do encontro. Se a ferida não cicatrizou totalmente, ao que parece, deu uma amenizada. E Silas foi mantido no cargo, pelo menos por enquanto.

Após a atividade, o encarregado de dar entrevistas sobre a conversa com o treinador foi o experiente Renato. Sem entrar em detalhes, o meia avisou que após a reunião tudo voltou ao normal, está “zerado”. Ele lembrou que o Fla não pode baixar a cabeça, pois tem um compromisso importantíssimo no próximo sábado, o clássico com o Botafogo, no Engenhão, às 18h30m.

– Tivemos uma conversa. Houve um mal-entendido, mas isto agora já é página virada. Todos estão sujeitos a erros. Não vou falar o que conversamos, são coisas que precisamos resolver internamente. Vamos esquecer isso, porque temos um clássico importante no sábado e precisamos vencer. O grupo é maduro e sabe o que quer. Quando tem coisa errada, temos que resolver. Agora está tudo zerado – disse o jogador.

Renato garantiu que os atletas ainda confiam no comando de Silas. O meia disse que todos vão respeitar as decisões do técnico sem reclamar.

– Ainda temos confiança no Silas, que é uma pessoa transparente. Não adianta alimentarmos mais este assunto. Às vezes as escalações não dão certo, mas ele vai sempre tentar escolher o que é melhor para o Flamengo. Nós temos que acatar.

Silas e Zico preferiram não conversar com os jornalistas. O único dirigente que deu entrevista foi o vice de futebol Vinícius França, que garantiu o técnico contra o Botafogo. Ele não quis comentar sobre a possibilidade de uma demissão em caso de derrota no clássico.

– O que aconteceu não foi uma coisa boa, mas houve essa conversa e tudo ficou resolvido. Está tudo zerado. Ele será o técnico contra o Botafogo. Não falamos sobre hipóteses (Silas ser demitido em caso de derrota). Acreditamos que vamos vencer este jogo – disse o dirigente.

Apesar dos panos quentes, a situação do técnico continua muito complicada. Vanderlei Luxemburgo, que recentemente saiu do Atlético-MG, é o nome mais cotado para o cargo em caso de demissão.

Por Silvana – São Paulo acha título impossível e vê Libertadores bem distante

Rogério Ceni decreta: ‘Não dá tempo de ser campeão’. São 17 pontos de distância para o Fluminense, líder do Brasileirão

Fonte: Globo Esporte

Não dá mais. O São Paulo, ao levar 4 a 2 do Grêmio na noite desta quarta-feira, no Olímpico, recebeu o aviso definitivo de que sonhar com o título é ilusão (veja o vídeo com os melhores momentos). E assimilou a mensagem. Décimo colocado, com 34 pontos, o clube do Morumbi convive com a distância de 17 pontos para o Fluminense, líder do Campeonato Brasileiro. Mesmo para quem chegou a buscar uma desvantagem de 11 pontos, como aconteceu em 2008, o sentimento é de que a esperança não passaria de utopia.

Rogério Ceni, líder do elenco, capitão do time, voz que a torcida mais ouve, é definitivo. Para ele, o São Paulo está fora da luta pelo título.

– Não dá mais tempo de ser campeão. Mas temos que melhorar. Temos que ganhar o máximo de jogos para deixar o São Paulo na melhor posição possível.

O problema maior é que a vaga na Libertadores de 2011 está quase tão afastada quanto o título. O Cruzeiro é o atual último classificado para a competição continental, com 47 pontos, 13 à frente do São Paulo. Mas, neste caso, os tricolores ainda enxergam uma luz no fim do túnel. O técnico Sérgio Baresi tem convicção de que o São Paulo chegará lá.

– Os números mostram que é possível. Vamos jogo a jogo. Tenho certeza de que vamos conseguir – disse ele.

Rogério Ceni também reluta em jogar a toalha quando se trata de vaga na Libertadores. Mas ele não vê sentido em ficar fazendo cálculos.

– Vamos brigar pela próxima vitória. Não adianta fazer projeção de algo que está dez, 12 pontos na frente. Temos que pensar nos próximos jogos. Não adianta querer ganhar jogo de 12 pontos. É de três em três. Temos que fazer projeção de curto prazo. É inútil pensar se dá ou não dá para chegar na Libertadores. Temos é que ganhar os jogos – afirmou o capitão.

O São Paulo volta a campo no sábado, em Florianópolis, contra o Avaí. O clube busca recuperação após duas derrotas seguidas.

Por Vander – Muricy não descarta retorno a Volta Redonda: ‘Torcedor ajudou demais’

Muricy não descarta retorno a Volta Redonda: ‘Torcedor ajudou demais’

Fonte: Globo Esporte

Após o jogo contra o Vitória, em Salvador, Muricy Ramalho lamentou o fato de o Fluminense ter de sair do Rio para jogar em Volta Redonda, no interior do estado. O time dele teria de mudar de campo mais uma vez. Depois do Maracanã, fechado para as obras da Copa do Mundo de 2014, e do Engenhão, o Tricolor jogaria no estádio Raulino de Oliveira, distante cerca de 120 km da capital. A opinião de Muricy mudou nesta quarta-feira. Na Cidade do Aço, o Fluminense teve apoio incondicional. Quase 12 mil pessoas (11.533 presentes e 8.923 pagantes) assistiram à vitória sobre o Avaí, por 1 a 0, que consolidou a equipe na liderança do Brasileirão, três pontos à frente do Corinthians: 51 a 48 (os paulistas têm um jogo a menos). Para se ter uma ideia, apenas 6.197 torcedores (4.260 pagantes) viram a goleada por 5 a 1 sobre o Atlético-MG, no Engenhão, semana passada.

Diante da boa recepção, o técnico não descarta o retorno do Fluminense a Volta Redonda, mas explica que será necessário fazer um planejamento que evite o desgaste provocado pela sequência de jogos e viagens.

– Acho que temos de estudar com mais carinho, precisamos ver a sequência de jogos. Antes de jogarmos aqui, fomos para a Bahia (enfrentar o Vitória, domingo passado). O que foi legal é que a torcida ficou muito perto da gente. Não estamos acostumados com isso. O Maracanã e o Engenhão são grandes. Mais uma vez tenho que falar que sentimos saudade do Maracanã. Quando estava aberto, estávamos com a melhor média de público. E caiu muito. Mas o time que quer alguma coisa, que quer ser campeão ou classificar para a Libertadores, que era a intenção lá no começo, tem de passar por tudo isso – frisou.

Segundo dados da CBF, o Corinthians tem a melhor média de público da competição, passadas 26 rodadas: 26.693 torcedores por jogo. O Fluminense está em segundo, com 23.169. Ambos foram mandantes em 12 partidas.

Logo depois do apito final do confronto complicado com os catarinenses, Muricy reuniu os jogadores no círculo central para que eles fossem agradecer o apoio. Se a caminhada tricolor terminar em título, o grupo certamente vai lembrar que no caminho passou por Volta Redonda.

– O torcedor ajudou demais, teve paciência. Eles foram inteligentes e sentiram que voltamos melhores para o segundo tempo do jogo. Por isso que juntei o time para agradecer – comentou o treinador.

Neste sábado, o Fluminense vai jogar fora de casa. O líder do Brasileirão enfrentará o lanterna Grêmio Prudente, no Prudentão. O duelo será às 16h (de Brasília).