Por Cleber Aguiar – Site da FIFA destaca Meninos da Vila.

Fonte: FIFA.COM

Clique na imagem para aumentar !

A maior travessura dos Meninos da Vila

O Santos é o time que manda no futebol brasileiro em 2010. Com um futebol plástico, às vezes jogando para o gasto ou até mesmo usando a experiência adquirida para usar o regulamento em seu favor, os Meninos da Vila conquistaram, nesta quarta-feira, a Copa do Brasil, o segundo troféu na temporada.

Apesar do revés diante do Vitória por 2 a 1, no Barradão, os campeões paulistas não tiveram acanhamento algum em celebrar o título em Salvador. Molecagens à parte, não havia motivos mesmo para qualquer contenção ao encerrar uma campanha de 39 gols em 11 jogos, pontuada por placares de 10 a 0 contra o Naviraiense na primeira rodada e 8 a 1 contra o Guarani (equipe da Série A nacional) na terceira.

Desses 39, 11 foram anotados pelo atacante Neymar, que perdeu outros tantos e também contribuiu com muitos dribles, assistências e arrancadas rumo à decisão. Outros oito foram de André, que se despede do clube rumo ao futebol europeu, ao lado de Robinho, cujo empréstimo do Manchester City venceu. Ele encerrou a campanha com seis anotações e também foi responsável por entortar seus marcadores e atuar como uma força estabilizadora para tantas tabelinhas. Paulo Henrique Ganso só fez dois, mas foi o cérebro por trás desses atacantes e ainda levou para casa o prêmio de melhor jogador do torneio.

“Fica um paradigma para o Brasil. Espero que todos nós passemos a olhar com mais carinho para as equipes ofensivas”, afirmou o técnico Dorival Júnior. “Geralmente se fala mal disso, mas temos de valorizar muito essa conquista do Santos, com um futebol bonito. Futebol é criação, genialidade. Acho que damos um exemplo positivo nesse sentido.”

A final
O começo da partida sinalizava com uma pressão sufocante do Vitória, para preocupação dos santistas que viram seu time abusar de gols perdidos na Vila Belmiro no triunfo por 2 a 0. Qualquer gol nos primeiros dez ou 15 minutos para os baianos poderia botar fogo no público local.

Com o gramado encharcado devido à forte chuva em Salvador e prensados no campo defensivo, os visitantes encontravam dificuldade para encaixar seu toque de bola e ficavam reféns dos cruzamentos e da velocidade dos anfitriões.

Era isso. O cenário não era nem um pouco promissor. Até que Robinho, naquela que pode ser sua última partida nesta segunda passagem pelo Santos, resolveu colocar sua experiência e técnica em campo. Chamou os jovens companheiros para o lado do campo, coordenou tabelas com Paulo Henrique Ganso pela direita e, gradativamente, foi esfriando o ritmo dos rubro-negros.

Deu muito certo. Caminhando para os dez minutos finais da etapa, o Vitória não conseguia mais reter a bola para partir para o ataque. O oposto ocorria, na verdade. Neymar começou a aparecer com liberdade pelas pontas, Robinho do outro lado também, e as jogadas começaram a ser criadas. Até que, em uma cobrança de falta pela ponta esquerda (resultado dessas tramas), o zagueiro Edu Dracena recebeu belo cruzamento de Neymar, ganhou pelo alto e cabeceou firme no canto direito do goleiro Viáfara. Com 1 a 0 no placar, o Peixe se encaminhou para o vestiário com uma vantagem já muito mais confortável. Pois, para levar o caneco, a equipe baiana precisaria de quatro gols em 45 minutos.

O primeiro desses saiu até que rapidamente, aos 57 minutos, com o zagueirão Wallace, aproveitando sobra de jogo aéreo para dominar na área pela direita e chutar forte. A bola desviou em Durval e enganou o goleiro Rafael. Faltariam mais três. Mas o Santos não estava amedrontado, nem disposto a facilitar a vida do adversário.

Especialmente depois de o técnico Dorival Júnior ter feito uma substituição que surtiu efeito imediato, ao colocar o meia Marquinhos no lugar do jovem centroavante André, que agora já é atleta do Dínamo de Kiev. O veterano armador entrou em campo para melhorar o toque de bola santista e o fez com muita eficiência. As tabelas dos Meninos voltaram a acontecer, e Ganso e Robinho ficaram cara a cara com Viáfara, que fez duas ótimas defesas para impedir o segundo gol. Foi providencial para dar sobrevida a sua equipe no duelo. Os homens de frente aproveitaram.

Neto Coruja enfiou uma bola precisa para o atacante Júnior, à esquerda, na área. O jogador foi ainda mais milimétrico em sua finalização, ao tocar por cima do goleiro Rafael, de modo sutil, encontrando o canto esquerdo, colocando 2 a 1, a 15 minutos do fim. Restavam mais dois gols para Vitória. Ficou nisso, porém.

No fim, o barulho no Barradão ficou por conta dos torcedores do Santos, com a tensão do começo do jogo como uma memória já bem distante. Além do título, o Santos assegurou sua vaga na Copa Libertadores da América 2011.

VITÓRIA 2 X 1 SANTOS

Estádio: Manoel Barradas – Barradão, Salvador (BA)

Data e Hora: 4/8/2010 – 21h50

Árbitro: Carlos Eugênio Símon (Fifa-RS)

Auxiliares: Altermir Hausmann (Fifa-RS) e Erich Bandeira (Fifa-PE)

Cartões amarelos: Anderson Martins, Wallace e Bida (VIT); Edu Dracena, Pará e Robinho (SAN)

GOLS: 44’/1ºT, Edu Dracena (0-1); 12’/2ºT, Wallace (1-1); 32’/2ºT, Júnior (2-1)

VITÓRIA: Viáfara, Nino (18’/1ºT – Gabriel), Wallace, Anderson Martins e Egídio; Neto, Bida (38’/2ºT – Adaílton) e Ramon (22’/2ºT – Renato); Elkeson, Júnior e Schwenck. Técnico: Ricardo Silva.

SANTOS: Rafael, Pará, Edu Dracena, Durval e Alex Sandro; Arouca, Wesley e Paulo Henrique Ganso; Neymar (33’/2ºT – Marcel), Robinho (42’/2ºT – Rodriguinho) e André (17’/2ºT – Marquinhos). Técnico: Dorival Júnior.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s